Capítulo 121º – Pedido

No outro dia…

Acordei e quem estava no quarto do hospital era Theo.

⁃ Oi, você dormiu bem?

⁃ Uhum, como está a mamãe?

⁃ Ela foi em casa.

⁃ E o pai?

⁃ Também.

⁃ Está tudo bem?

⁃ Por quê não me contou? Você sempre me diz tudo.

⁃ Eu não sabia como, eu não sabia. Porque ele fez isso?

⁃ Não sei Julie, eu não sei.

Duas semanas depois eu recebi alta, minha mãe me buscou. Meu pai viajavam para os shows, eu ainda teria que me manter em repouso.

No caminho minha mãe dizia tudo, menos qualquer coisa relacionada ao meu pai. Eu não sabia o que estava acontecendo atualmente, e eu queria sim saber.

⁃ Mamãe e você e o papai?

⁃ O que tem Julie?

⁃ Estão bem?

⁃ Estamos tentando.

⁃ Tudo bem…

Meu celular chegou uma mensagem.

será que posso te visitar hoje? soube que recebeu alta. estou morrendo de saudade 💔 – Jonas.

oi meu amor, que saudade. Venha sim, acabei de chegar em casa. Aproveita e traga as matérias pra mim, peça algumas das meninas da sala. MENOS DA GIOVANA, te espero. ❤️

⁃ Hm, Jonas é?

⁃ Aí mãe, me deixa! – sorrir depois de muito tempo. – Gosto dele.

⁃ Eu notei. – ela sorriu.

Ainda sentia algumas dores, mas o Dr. e minha mãe disseram que eram normais. Chegando em casa fui direto pro meu quarto, tomei um banho e me troquei e me deitei na minha cama, liguei a TV e uma outra mensagem chegou.

Oi minha filha, estou morto de saudades. Cheguei hoje dos shows, estou indo pra casa. Espero que você esteja bem, e que possa me perdoar. Te amo ❤️

Estou com saudade, eu te amo. Por favor, vocês precisam se acertarem. Pede ela perdão, faça qualquer coisa por favor, sei que você a ama. Faça sua parte, só faça com que ela te perdoe e mostre que você está arrependido.😭

Vou conversar com ela hoje, estou a caminho de casa. Theo conversou comigo esses dias, a gente só precisava desse tempo para nos organizar. Eu amo ela demais, amo todos vocês. Eu sou o cara mais arrependido do mundo, se eu pudesse voltar eu faria tudo diferente. Eu te juro!

Eu sei que sim, então faça valer a pena. ❤️

Então não disse mais nada e nem ele. Escutei a voz de Theo perguntando sobre mim.

⁃ Que felicidade ter você em casa.

⁃ É bom estar de volta.

⁃ Claro, pode dizer que sentiu minha falta.

⁃ Ah, me poupe! – risos. – claro que sim.

⁃ Te trouxe uma pessoa.

⁃ Quem?

⁃ Oi. – Jonas entrou no quarto.

⁃ Oi. – Sorri. – que bom que veio.

Theo saiu do quarto e ele veio até mim, me deu um selinho.

⁃ Sentir saudades minha linda. – Ele segurou minha mão. – fui no hospital, mas não me deixaram entrar.

⁃ Minha mãe falou. – sorrir.

⁃ Sentir sua falta.

⁃ Eu também.

⁃ Eu queria fazer uma coisa. – Ele sorriu sem graça.

⁃ O que Jonas?

⁃ Queria que você passasse a ser minha namorada Ju. E então… – ele retirou a caixinha de dentro do bolso da mochila.

⁃ Você tá me pedindo em namoro?

⁃ Uhum, você aceita?

⁃ Hm, não sei eu vou pensar e te digo ok?

Ele me olhou com a carinha toda fofa e eu ri.

⁃ Vem cá! – o puxei e o beijei. – aceito, aceito!

⁃ Hm que gracinha! – minha mãe entrou no quarto.

Deixando o Jonas todo sem jeito.

⁃ Mãe!

⁃ Relaxa só vir trazer o almoço da paciente. – Ela riu. – e os remedinhos também, trouxe o almoço do Jonas também.

⁃ Obrigado Helena. – Ele disse

⁃ Por nada, e ó eu aprovo viu?

⁃ Ô mãe! – repreendi e rimos.

⁃ Vou almoçar lá em baixo com seu pai. Precisamos conversar.

⁃ Ok. Pensa da melhor forma tá bom? – pedi.

⁃ Ok. – ela beijou o alto da minha cabeça e nos deixou.

Então nós dois almoçamos e conversamos, ele me contou o que pedir na escola nessas semanas e também que havia trago toda matéria. Eu e Jonas sempre nos conhecemos no início do ano, ele é do primeiro ano tem 15 anos, desde então a gente fica e agora estávamos namorando.

⁃ Até quando é o repouso?

⁃ Durante esse fim de semana. – disse.

⁃ Sua mãe autorizaria uma festinha no domingo? festa do Nicolas.

⁃ Hm, acho que talvez. Quero ir. – ri.

⁃ Podemos tentar depois. Você não sente mais dor sente?

⁃ Só algumas na costela, mas o Dr. e minha mãe disseram ser normal, pelo trincadinho.

⁃ Como tudo aconteceu mesmo Ju?

Anúncios

Capítulo 120° – Tempestade

E assim liguei pro Luan que logo apareceu onde estávamos, e onde o resgate já pegava Julie e colocava na ambulância.

Eu estava em choque, eu havia acabado de atropelar a Júlie. A minha filha.

Meu Deus! – Eu estava assustada.

Helena, como aconteceu? – Luan me perguntou e eu não sabia o que responder, eu estava sem reação.

Luan ON.

Por minha culpa minha filha estava indo para um hospital. Isso não é culpa da Helena, é só minha culpa.

Calma amor, tudo vai ficar bem. – Dizia enquanto ia atrás da ambulância a caminho do hospital. Ao chegarmos no hospital, fomos direto pra onde os médicos as levaram.

O que aconteceu com ela Luan?

Ela saiu correndo de casa e Helena estava voltando pra casa, e então foi atropelada.

A Helena atropelou a Julie? – Laura me olhou.

Sim, a Ju entrou com tudo à frente do carro ela não deve ter visto. Por favor, salva a minha filha.

Pode deixar Luan. Enquanto Thomás e Valentina estão a com a Ju, vou olhar a Helena.

Logo meu celular foi bombardeado de mensagens meus pais perguntando se era verdade, Theo, amigos. Eu apenas disse sim. Tudo era minha culpa!

Luan OF.

Lena, você sente alguma coisa?

Laura salva a Julie, como ela está? eu preciso vê-la.

Thomás está com ela, calma, deixa eu examinar você primeiro Helena. Vem.

Eu tinha algumas dores pelo corpo e ainda estava em choque. Me receitaram um calmante e um remédio para dor.

Deixa eu ver a Julie amiga. – Chorando.

Helena, a Julie está bem só uma pequena fratura na costela, nem vai precisar de cirurgia nem nada. – Thomás disse. – Ela tá chamando por você, os pais podem entrar.

Quando notei meus sogros estavam ali também. Assim que entrei no quarto com Luan, ela me olhou e eu fui até minha princesinha que estava com alguns machucados.

Minha filha meu amor, me perdoa. – Chorando.

Mamãe a culpa não foi sua, foi minha de ter saído feito louca correndo.. aí.. eu nem vi o que estava fazendo.

O que houve filha? por que você estava correndo e chorando Ju?! Porque?

Não é nada, não é nada mamãe.

Filha. – Luan beijou a filha também. – Me desculpa minha bebê, eu te amo tanto!

Eu também te amo. – Ela disse tristinha.

O que houve gente? – Theo entrou no quarto.

Eu atropelei a Julie, eu não sei o que houve. Eu sou uma péssima mãe é isso. – Comecei a chorar desesperadamente.

Mamãe, você não é culpada. – Theo disse. – Foi um acidente, fica calma.

Mamãe, mamãe. – Julie dizia. – Você não tem culpa, vem! – ela me chamou. – eu te amo você é a melhor mãe do mundo! Eu deveria ter mais cuidado, sei que a senhora nunca me machucaria. Te amo!

Helena a gente pode conversar. – Luan me olhou.

Pai não. – Julie pediu.

Sim ju, sim. – ele disse a filha chorando. – você vem Helena?

Vou. – beijei a cabeça da minha filha e sair com Luan. – Theo fica com ela.

Mamãe não vai.

Eu já volto Ju!

Theo segurou minha mão e sorriu.

O que o papai não pode?

Não deixa ele contar pra mamãe, por favor, vai atrás deles, não deixa ele contar.

Como assim Julie?

Só não deixe, por favor. – as lágrimas caíram facilmente.

Eu já volto!

Theo saiu correndo até meus pais.

Luan On.

Helena tudo foi minha culpa a Julie ter saído correndo, ela não foi culpada e nem você. Eu errei com você, com todos vocês, eu cometi o pior erro da minha vida. Eu não queria que isso tivesse acontecido, mas quando vi já tinha ido longe demais. Eu estava tendo um caso com Katie e Julie descobriu tudo. Era isso que ela queria te contar, era isso que eu deveria ter contado, era isso que nunca deveria ter acontecido.- Helena me olhava e chorava, ela parecia não acreditar, eu sou o pior homem que existe.

VOCÊ O QUE? – Theo estava atrás da gente.

Theo! Filho eu…

Você traiu a gente, você traiu a mamãe. Pai eu… eu.. – Ele saiu correndo dali.

Helena só me olhou e saiu chorando sem dizer nada, e aquilo era o pior o silêncio me matava. E eu não sabia o que fazer, eu não sabia.

Luan OF.

Quando você descobriu? – minha mãezinha estava no quarto outra vez. – Quando você descobriu Julie?

Na viagem de vocês. – Disse e chorava outra vez. – Eu não poderia te contar, ele tinha que fazer isso. Perdoa mamãe!

Filha você não tem culpa, eu só preciso ficar um pouco sozinha. – ela disse. – Só preciso ficar sozinha. – e saiu do quarto.

Que pesadelo meu Deus! Por quê tudo isso está acontecendo com a minha família? Meu pai entrou no quarto.

Eu posso ficar com você?

⁃ Vai atrás da minha mãe, não deixa ela sozinha.

⁃ A última pessoa que sua mãe queira ver agora, sou eu.

⁃ E tem motivos!

Ele então não disse nada, e ali com dores tanto no corpo tanto no coração, eu dormir aos soluços de choro.

Capítulo 119º – Descobrindo

— Uma semana só pra gente! — Theo se jogou no sofá.

— Até parece, não muda nada. — Julie riu.

— Julie você tem Inglês hoje, esquece não depois do almoço.

— Ta bom Isa. — ela disse. — será que você pode fazer aquele bolo de chocolate recheado? eu te ajudo!

— Vamos! — Isa falou animada.

— Ela vai te pedir tudo esses dias Isa, fica mimando pra você ver! — Theo falou.

— Theo calado vai. — Julie riu.

Luan On.

— Aqueles meninos vão pintar e bordar com a Isa amor. — falei.

— Eu já deixei aviso, mas sei que é..—  Helena riu.

Foram quase duas horas de voo, logo anunciou que iríamos pousar no aeroporto de Jericoacoara. Descemos do jatinho e tinha um carro a nossa espera, pegamos nossas malas e fomos pro carro. Há muito tempo que não tirávamos um tempinho para nós dois, e agora que nossos filhos estão maiores já podemos fazer isso, como antigamente nem tanto assim, mas é!

Luan Of.

— Sr. Luan qual é a praia? — O motorista perguntou.

Luan respondeu o local da praia e não demoramos muito pra chegar. A pousada frente a praia que estamos hospedados é privativa, era calma e poderíamos aproveitar sem confusão.

— Que sonho de lugar amor! — disse chegando a sacada do quarto.

— É muito perfeito né Lena. — ele me abraçou por trás. 

— Vamos nos trocar pra almoçar e depois vamos pra praia. — falei.

— Tranquilo.

Nos sentamos no restaurante do hotel mesmo e pedimos nosso almoço. Fomos muito bem atendidos, logo após fomos da uma volta por perto da praia e hotel. Era lindo, onde passaríamos uma semana.

Julie On.

Mamãe e papai viajaram por uma semana, estavam curtindo mais uma lua de mel em Jericoacoaria. Deixou eu e Theo em casa com a Célia. Hoje sexta Giovana viria logo após o curso de inglês, passaríamos à noite juntas. Theo disse que iria sair com Laura pelo condomínio, Isa fica doidinha.

⁃ vocês dois só dão dor de cabeça. Ela disse saindo da sala.

⁃ Isa você tá se preocupando atoa! Relaxa. Vou tomar banho, se a Gio chegar você pede ela pra subir, por favor.

⁃ OK!

Então subir para meu quarto onde tomei um banho e depois me vestir. Quando Giovana chegou, Isa preparou um delicioso jantar para nós. Assim que jantamos fomos assistir filmes, conversar sobre os garotos da escola. Coisas de meninas sabe?

⁃ Amiga eu tenho que te contar uma coisa que eu vi, mas eu não sei como…

⁃ Como assim Gio? Pode contar, você sabe que entre a gente não tem isso. O que houve?

⁃ Esquece Ju! Deixa pra lá.

⁃ Não agora você me conta, isso não se faz, começa a falar e para.

Ela sabia de algo, tinha visto e não queria me contar.

⁃ Mas eu nem sei se o que eu vi é realmente o que eu vi.

⁃ Quem é? eu conheço?

⁃ Sim, você conhece. É… eu vi seu pai e minha mãe se beijando!

⁃ Como assim Giovana?

⁃ Ele beijou minha mãe amiga. – Ela dizia é aquilo entrou como uma faca no meu peito.

Eu não sabia como reagir, meus olhos ardiam, minhas mãos suavam frio, eu queria estar dentro de um pesadelo. Isso não é verdade, meu pai ama minha mãe.

⁃ Julie, julie! Amiga me responde.

Ela me chamava e a voz estava tão longe.

⁃ Onde? que dia? Porque você me contou só hoje? Você não é minha amiga?

⁃ Eu não sabia como contar isso pra você Julie, não era da minha conta. Ela também é minha mãe. Não envolve só você. – Ela se desesperou. – foi na semana passada, eu estava voltando da casa da Jessica da nossa sala, e eu vi, eles não me viram. Eu não queria mesmo dizer a você, pois vocês são tão felizes!

⁃ Mas não passa tudo de uma farsa! Eu não consigo acreditar.

Comecei a chorar desesperadamente, como o meu pai poderia estar enganando a minha mãe assim? Ele diz tanto que a ama. Eu não sei o que fazer…

Depois que Giovana me contou, acabou toda graça. Eu só queria que ela fosse embora, e me deixasse sozinha, mas era tarde então acabamos nos deitando e eu fingir dormir para que ele não ficasse me chamando.

Demorei a pegar no sono e quando acordei sábado de manhã no outro dia Giovana já não estava mais no quarto. Olhei no relógio 10h30 da manhã. Na tela uma mensagem de Giovana, dizia.

Me perdoe Julie, eu sinto muito eu não queria que fosse assim, mas eu precisava te contar. Talvez eu esteja errada, mas você precisava saber eu só não sabia como contar. Eu também não direi a ninguém, você pode confiar em mim. Se você precisar de mim, eu estarei aqui. Me perdoe, eu te amo amiga!

⁃ Julie você não irá tomar café?

⁃ Não, estou com fome Theo.

⁃ Você recusando café da manhã? O que tá acontecendo?

⁃ Nada eu só não quero, tá ok.

⁃ Meu Deus que tpm, quando não é uma é outra. Aff! – Ele saiu irritado pela porta.

Com certeza Laura também não estaria num bom dia. Quem me dera se fosse somente uma TPM, a causa de eu estar assim. Meu celular tocou, na tela apareceu “mãe ❤️”, deixei tocar até cair. Outra vez, outra, outra.. é ela desistiu.

⁃ Julie levanta, preciso arrumar esse quarto.

Isa disse.

⁃ OK.

Me levantei fui ao banheiro tomei um banho, me vestir. Eu só queria ficar sozinha, então peguei minha mochila e sair pelo condomínio, e ali então me sentei debaixo de uma árvore e fuçava no meu celular. Eu teria que ver isso com os meus próprios olhos.

Comecei a pensar uma forma de seguir meu pai, tinha que ter um jeito.

Uma semana se passou…

⁃ Chegamos!

⁃ Mãe, você voltou! Que saudade.- a abracei.

Voltei a sentar no sofá e ele meu pai logo entrou em seguida.

⁃ Cadê a princesinha do papai?

Eu não poderia simplesmente ignora-lo, não agora. Se esforce Julie, se esforce!

⁃ Colé! – fiz um sinal na mão. – Tudo bem?

⁃ É estamos mortos de cansados, mas estou bem filhona. – ele beijou o alto da minha cabeça. – vou tomar um banho e ir na casa dos meus pais.

⁃ Hoje ainda? – perguntei.

⁃ Sim! Preciso vê-los.

⁃ Posso ir?

⁃ Ann.. acho que sim. – ele pensou e riu.

⁃ Ah me esqueci, vou passar nas casa do Ian já já, aliás me dá uma carona até lá.

⁃ Claro, só vou tomar um banho.

⁃ OK!

Ian era meu melhor amigo.

⁃ Como foi os dias minha linda?

⁃ Mãe normais. – Disse. – Nada de interessante. – nada acontece! e a viagem?

⁃ Perfeita! Renovada e pronta pra voltar as cirurgias.

⁃ Certeza que sim, vai pra casa da vovó com meu pai?

⁃ Não eu irei tomar um banho e dormir um pouco.

⁃ Ótimo, descansa mesmo.

Theo logo desceu.

⁃ Mãe você chegou maravilhosa! – ele beijou o rosto da mamãe.

⁃ Voltei meu filho. Está tudo bem?

⁃ Tudo ótimo, a viagem como foi? Nada de irmãozinhos não né?

⁃ Deus me livre menino, claro que não! Viagem foi ótima. Você não aprontou não né?

⁃ Vish vem netinho por aí….!

⁃ Theo você nem brinca com uma coisas dessas. – Ela gargalha.

⁃ Daqui uns anos né? – nós rimos.

⁃ Vou subir meus amores.

⁃ Eu to indo jogar bola com os meninos, fuuui!

Então minha mãe subiu e meu pai desceu logo em seguida. Pegou a chave do carro e eu meu celular, ele me deixou na casa da Giovana e seguiu. Só que dali eu nem vi ninguém, eu só continuei a minha ida até onde ele iria. Fui andando até a casa da vó Marizete, e o carro não estava estacionado lá.

De repente me esconde atrás da árvore, lá está meu pai com a Katie! Mãe da minha melhor amiga. Ele vai entrar na casa dela, que putaaa! Peguei meu celular e tirei algumas fotos.

Era verdade, o que a Giovana contou era tudo verdade! Meu pai estar traindo a minha mãe. Como eu iria contar isso? Como? Eu tinha que contar? Eu sair dali chorando muito, não sabia o que fazer. No caminho de volta pra casa, encontrei Theo e ele voltava do futebol. Já se passava das 20h30.

⁃ Ju o que você tá chorando? O que tá acontecendo com você, desde quando a Giovana ficou aqui em casa você está assim.

⁃ Não é nada. – Disse enxugando as lágrimas. – eu só não estou nos meus bons dias ok?

⁃ Você não me engana. Você tá vindo da casa do Ian, o que aquele menino fez?

⁃ Ian não fez nada! Ele é meu amigo. – Suspirei. – Por favor, não me pergunte nada Theo, só isso.

Fui andando na frente e ele logo atrás. Ao entrarmos na sala de casa, minha mãe estava sentada no sofá colocando alguns papéis em ordem. A TV ligada ela me olhou por cima dos óculos de grau.

⁃ Filha você tá bem?

⁃ Estou. – Disse sem olhá-la e fui direto para cima, entrando no meu quarto.

⁃ O que aconteceu com ela Theo?

⁃ Mãe eu não sei, ela tá assim tem uma semana já.

Escutei eles falarem, passei a chave na porta e me joguei na cama. Onde chorei, chorei, chorei era só isso nada mais eu não sabia o que fazer. O meu pai estava traindo a minha mãe com a mãe da minha melhor amiga, que ainda mais, dizia ser amiga de minha mãe.

Eu só não queria acreditar nisso, era só isso.

Os dias foram passando e eu tentava focar o máximo nos meus estudos, nas minhas provas. E tentava esquecer toda aquela história. Me sentei no pátio da escola sozinha e logo Jonas se sentou do meu lado, ele era um guri que estávamos ficando. Uma gracinha, aliás.

⁃ Você quer conversar um pouquinho. Talvez eu possa te ajudar, você tristinha assim todas as aulas eu não gosto. – Ele disse.

⁃ Eu estou só cansada Jonas. Só isso.

⁃ Ju, se eu não te conhecesse ok! Mas eu te conheço.

⁃ Eu to bem.

⁃ Oi a gente pode conversar? – Giovana apareceu bem na minha frente.

⁃ Não desculpa, eu não posso.

⁃ Julie até quando você irá me ignorar! Para com isso, eu não sabia de nada ok? Estou igual você nessa.

⁃ Aqui não é lugar Giovana!

Me levantei e sair dali, Jonas veio atrás.

⁃ Ok, não vou te perguntar nada tá bom? Só vem aqui.

Ele então me abraçou fortemente, e beijou o alto da minha cabeça.

⁃ Seja lá o que for o que você está passando, logo passará. E você irá resolver. Calma.

Voltamos para aula e assim que acabou, encontrei Theo e voltamos pra casa. Meu pai estava há três dias viajando pros shows, minha mãe de volta ao hospital. Theo nas suas aulas de piano e voz. Eu no meu quarto, estudando. Ouvir a campainha tocar, deixei para Isa atender e quanto menos espero ela estava dentro do meu quarto.

⁃ Eu vou pedir para minha mãe para de encontrar com ele. – ela disse. – Só que por favor, não conte nada a sua mãe.

⁃ Ah você quer que eu minta para minha mãe, a única vítima de tudo isso? Giovana você é como sua mãe mesmo. Vai embora eu não quero te ouvir!

⁃ Para Julie, para com isso. Você não está vendo que a única que pessoa que irá sair machucados são vocês. Na hora que eles descobrirem, sua família vai se despedaçar. Eu só to tentando te ajudar.

⁃ Ah, claro! Com certeza. Eu só quero que você vai embora, o que eu vou fazer não é da sua conta e por favor, não volte mais na minha casa. Nunca mais!

⁃ Você não pode fazer isso com a gente.

⁃ Eu não posso ser sua amiga, não depois disso.

Ela então saiu do quarto chorando e eu também chorava no meu canto.

Duas semanas depois…

Eu estava decidida a contar para minha mãe , dizer o que estava acontecendo. Hoje domingo 17h estou no meu quarto, andando de um lado pro outros, lágrimas descendo em minha face. Meu celular com as fotos, minha mãe no hospital. Eu só iria esperar ela chegar.

Fui disposta, quando abrir a porta do meu quarto meu pai entrou no mesmo.

⁃ Filha precisamos conversar… – Ele viu que eu chorava. – princesa o que você tanto chora e está assim há meses.

⁃ Até parece que você não sabe né? – Soltei o que tava entalado na garganta. – é exatamente por causa disso aqui! – joguei o celular com as fotos em cima da minha cama. – Como você teve a coragem?

⁃ Quem te deu isso? Como conseguiu?

⁃ O que é vai dizer que é mentira? Que isso é montagem? Pai eu vi com meus próprios olhos, como você teve a coragem? por que? você não ama tanto a minha mãe, por que você fez isso com a gente?

⁃ Julie isso não é mais um problema, isso já está resolvido. Não existe mais.

⁃ Não existe mais, ok! Pai você traiu minha mãe com a Katie, mãe da Giovana minha amiga. – Respirei fundo. – Eu conto ou você conta.

⁃ Contar pra quem?

⁃ Pra minha mãe ela merece saber.

⁃ Julie filha, não tem que ser assim, como eu disse acabou não tem mais nada.

⁃ Sim acabou, mas minha mãe precisa saber. E se você não contar eu irei contar. Eu sempre confiei em você pai, sempre e você só magoou! – sair do quarto batendo à porta e desci correndo para fora de casa.

Eu corri, corri, corri tanto que não vi e um pouco mais pra frente de casa um carro vinha numa certa velocidade me acertou me jogando longe para o outro lado da calçada. Apaguei.

Julie OF.

⁃ Eu atropelei minha filha! – Falava com o resgate.

Capítulo 118° — Acontece

Julie On.

Por causa do que houve na escola hoje nossos pais está indo pra escola com a gente. Meu pai foi o caminho todo dizendo ninguém mexe com a princesinha do papai. Eu ria, pois ele fazia isso só pra nos fazer rir mesmo, não é por nada não, mas eu sei que o melhor pai do mundo é meu, sempre foi.

— Papai, posso te pedir uma coisinha só? — ele me olhou ao parar no sinal e concordou. — Só não fica falando isso na escola. — referir ao princesinha de papai. — pois eu e o Theo já somos considerados filhinhos de papai e mamãe nessa escola, muitos nos odeiam só por isso. — ri.

— E por que vocês nunca falaram isso pra gente? Mudaríamos vocês de escola. — minha mãe falou.

— Mãe vocês sabem que pra qualquer escola que a gente for, será assim. — Theo falou. — Pois somos os filhos de Luan Santana e Helena Mitchell. São milhares de cochichos quando chegamos a escola, reparem só.

Julie OF.

Luan sempre me dizia que o medo dele quando tivesse filhos fossem esses. E ele só me lançou um olhar e eu o entendi, ele estava chateado, mas nós sabíamos que isso iria sim acontecer. Só alisei sua mão que estava em cima da perna e dei um sorriso.

— Vocês querem que eu entre com vocês ou somente a mãe de vocês? — Luan parou o carro em frente a escola.

— Você vai descer sem o Well? — Julie perguntou. — Não é arriscado?

— Não, não é. — ele falou.

— Certeza? — o olhei. 

Ele apenas concordou e colocou seu boné e um óculos de sol, as crianças desceram do carro e eu logo em seguida, Luan também desceu e segurou minha mão. E na nossa frente as crianças, realmente todos comentavam e reparavam, mas o Luan Santana estava ali.

Luan On.

Ninguém veio pra cima pegou celular para tirar foto, mas éramos a atração ali no corredor da entrada. Assim que chegamos na diretoria da escola a diretora nos recebeu e nos pediu para entrar em sua sala. Então ela começou a falar o que aconteceu e como ela ficou sabendo. Disse também que entendia a raiva de Theo, mas que ele nunca havia tido uma confusão tão grande na escola.

— Mas queremos saber o que houve com o garoto que estava bulindo com a Julie?

— Ele tomou uma advertência Luan, e está por fora das salas por três dias.

Luan Of.

— Lúcia nós sabemos que eles sempre vão ser alvos, mas confiamos na escola. Eu saio pra trabalhar, Luan também e o mínimo que queremos quando eles chegam em casa é que não voltem machucados. Theo nunca foi disso, mas ele foi proteger a irmã,mas eu disse  à ele que de forma errada. — olhei Theo. — Só que eles me falam que sempre são zoados por várias coisas, bom eu no mínimo espero que isso se resolva. —falei.

— Helena você pode ficar tranquila, tudo irá se acertar! Theo e Julie são dois alunos exemplares, Theo como vocês sabem é presidente do clube do ensino médio notas sempre altas.

— Eu agradeço e peço desculpas Lúcia pelo acontecido. — sorrir.

— Theo e Julie podem ir pra sala, os professores deixaram vocês entrar.

— Ok, tchau mãe, tchau pai. — Theo disse e saiu.

— Tchau mamãe. — julie abraçou e beijou o pai. — Tchau papai.

— Boa aula. — falei.

— Lúcia os desempenhos deles está tudo certo? — Luan perguntou.

— Sim Luan está, como eu disse seus filhos são ótimos alunos, educados e é somente notas boas.— ela sorriu.

— Ótimo! — sorrimos. 

— Qualquer coisa vocês podem estar ligando pra gente. — Lúcia disse.

— Obrigado.


Nos levantamos para ir embora e o pátio da escola já estava vazio, pois estavam todos em horário de aula. Saímos e logo estávamos dentro do carro.

— Ai Helena me sinto tão culpado. — ele disse cabisbaixo.

— Luan isso não é culpa sua. — disse. — você sabe que iria ser assim, já preparamos as crianças pra isso. — segurei sua mão que estava na perna, sorrir para confortá-lo. — as crianças ama você, como elas mesmo dizem é o melhor pai do mundo, e isso não acontece somente com os nossos filhos Luan, não mesmo. 

— Mas você viu como todos olham pra eles e comentam?

— Com sua irmã com certeza não foi diferente. — sorrir. — ei, olha pra mim. — disse enquanto ele já estacionava em frente de casa. — isso é normal ta bom? Nós pagamos a melhor escola para eles, a filha do Fernando estuda lá também e ele já falou que acontece o mesmo. 

— Tudo bem. — ele sorriu fraco.

Entramos em casa e fomos tomar café mais tranquilos, já que antes de sair apenas tomei uma xícara de café, ao Julie gritar feito louca dizendo que estava atrasada para a prova. Tomamos café da manhã tranquilos.

 

Julie On.

— Juuu, pensei que você não iria vir depois do que aconteceu ontem com o Matheus. — Giovanna minha melhor amiga disse. — pensei em passar na porta da sua casa, mas meu pai estava atrasado pro trabalho. 

— Gio eu vir com os meus pais, eles vieram conversar com a Lúcia.

— Os dois?

— Ahãm. — disse. — O Matheus ta suspenso por três dias.

— Cara seu irmão acabou com ele. —  João Miguel disse.

— Ér… — suspirei, o assunto na escola era só esse. A professora entrou na sala e começou a aula.

— Formem grupo de quatro pessoas. — ela disse.

Então juntei com Giovanna, João Miguel e Benício, e prestamos atenção no que a professora explicava.

Julie Of.

Dois dias depois…

— Só peço juízo pros dois, por favor! — disse antes de sair para o aeroporto. — A Isa está autorizada a arrancar as orelhas se precisar! A avó de vocês depois vem também ver vocês.

— Mãe relaxa é só uma semana. — ele riu.

— Uma semana que sei lá que estrago vocês podem fazer. Você são filhos do Luan meu amor e são iguais. 

Luan gritou. 

— EII! — e riu.

— Theo sabe aqueles filmes os pais viajam e fazemos uma festa de arromba, nuu! — Julie riu.

— Vai mesmo, tô até vendo já. — ri. — vem da um beijo na mãe de vocês anda!

— Mamis relaxa só a Gio vem dormir aqui comigo, que eu chamei. — ela disse me abraçando. — curta demais a viagem de vocês para descansar, pois merecem.

— E eu vou chamar a Laura. 

— Oi?

— Mãe ela é minha namorada! — ele me abraçou e me beijou na testa como sempre fazia, ele já estava maior que eu.

— Vocês são duas crianças! 

— Amor deixa esses meninos, vamo embora. — Luan riu. — Parem de atormentar a mãe de vocês anda.

— Ô meu véi sem mais criança para essa casa beleza? — Theo disse rindo.— não da mais.

— Vocês sabem que se eu quiser gêmeos eu vou ter né? Não me irritem! — disse rindo. — Tchau Isa.

— Eu também topo Helena. — Luan riu.

— Deus me dibre! — Julie disse fazendo todos rirem.

— Tchau Isa. 

— Tchau casal vão com Deus. — ela disse. — descansem e aproveitem muito. 

— Obrigado Isa. 

Fomos direto pro aeroporto com o Well que nos levou. Chegando lá pegamos o jatinho mesmo. E estamos indo para Jericoacoara. Dessa vez seria no Brasil mesmo, mas em um dos lugares mais lindos do mundo.

— Uma semana só pra nós. — ele me beijou. — como era antes.

— Isso é maravilhoso. — sorrir. 

 

Capítulo 117° — Protegendo

Eles amavam zoar com a cara do pai, aliás não perdiam uma se quer! Nos sentamos na cozinha e tomávamos um suco natural que Isa acabara de fazer pra gente. 

Me sentei conversando com eles, e postei uma foto.

“Ás vezes eu e o @luansantana nos perguntamos. Por quanto tempo dormimos? Gente é inacreditável que Julie já tem seus 12 anos  Theo seus 16 anos. E eu me sinto honrada de ser mãe de duas crianças incríveis (eles vão me xingar kkk). Hoje percebi que o tempo passa, passa tão rápido que mal percebemos, e é por isso que estou escrevendo, reservo um tempo para pensar e voltar atrás. Eu só tenho a agradecer, pela minha família que Deus tanto me abençoa. E só tenho a amar vocês meus bens mais preciosos. Nunca se esqueçam que vocês podem contar comigo pro que precisarem. Eu amo vocês! @theomsantana @juliemsantana”

 

A campainha tocou e Julie foi abrir.

 Oi tio Rober, tudo bem? — ela sorriu.

— Oi Juju estou sim e você?

— Estou ótima, entra!

— Não da tempo avisa seus pais que já chegamos. — ele sorriu.

— Ótimo! Pai, mãe o tio Rober chegou vamos? — ela pegou o celular e a bolsa.

— Vamos! Com Deus Isa!

— Vão com ele também.

Chegamos na porta da van lá estavam Nandinho e Lisa dentro da van, entrei cumprimentando todos e me sentei no canto, Julie do meu lado e Luan do dela.

— Oi Ju! — Lisa sorriu.

— Oi tia Lisa, tudo bem? Oi Nando!

— Estou sim, cada dia mais linda! — Lisa disse e Julie corou de vergonha.

— Oi Juju! — Nando disse e sorriu.

Enquanto Luan ia conversando com Rober e Wellington fui conversando com Lisa. Paramos na casa da namoradinha do Theo, era muito linda e educada. Se sentou ao lado dele e é claro que Rober e Well não poderiam deixar de zoar o Theo, aliás eles carregaram essas crianças no colo. Ao chegarmos no local do show descemos e dentro do camarim eu fui oficialmente apresentada à minha nora.

— Mãe essa é a Laura, amor essa é a Helena minha mãe. — sorriu.

— Oi Laura é um prazer te conhecer. — sorrir abraçando-a. 

— O prazer é todo meu Helena, Theo me diz só coisas boa da senhora e do Luan! — ela sorriu.

— Ah é muito bom ouvir isso. — risos, olhei Theo. — Torço por vocês.

— Ela é só um pouquinho ciumenta Laura, mas é tranquilo. — Luan zoou com a nora. — Prazer conhecer você, é bom saber que meu garoto tá namorando.

— Ô pai tá bom né? — ele riu. — Tio Rober a pulseira da gente, por favor, antes que meu pai comece. 

Todos no camarim riram, e eu apenas ri e me sentei no sofá ali do camarim.

— Mãe vou pro camarote com a Laura, me manda mensagem qualquer coisa. — ele disse.

— Ok Theo, cuidado hein! — disse.

Fernando sentado ao lado da mãe e Julie ao meu lado. Resolvi ajudar, é claro!

— Por que vocês dois não vão dar uma volta, só não ir muito longe? — olhei pra Nandinho e Julie. 

Ela me deu uma cutucada e eu ri.

— Vão mesmo, só ter cuidado e não vão lá pra fora.

— Vamos andar então Nandinho. — Julie sorriu ele também.

— Vamos Ju.

— Você sabia que as crianças estão apaixonadas? — olhei Lisa.

— Quem? Nandinho e Ju?

— É!

— Não eu sempre sou a última a saber das coisas Helena. — ri.

— Pois é miga estão, ela me disse que gosta dele e bom parece que ele o mesmo. — sorrir. — fico feliz por ser o Nandinho.

— Quem diria não? — ela disse. — Que tal irmos pro camarote também?

— Vamos.

— Onde? — Luan me olhou.

— Curtir o Dj! — ri. — vou pro camarote com a Lisa.

— Minha mãe chegou lá agora.

— Ótimo vou ficar com eles. — dei um selinho. — bom show. 

— Obrigado Lê, cadê Ju?

— Com Nandinho. — ri.

— Como que pode? — ele cruzou os braços. — é Rober esse filho seu pegando minha princesinha, oiá oiá!

— Como é? — Rober riu. — é sério isso?

— É, mas… 

Julie e Fernando entrou no camarim.

— Mãe estamos subindo pro camarote.

— Espera filha, vamos com vocês.

— Quem disse que seria fácil, quem? — Rober riu.

— Quem? — ri. — bom show meu amor.

— Obrigado minha linda.

Saímos do camarim e fomos pro camarote junto com as crianças. Onde curtimos o show do Luan, que continuava lotando arenas, exposições, rodeios. Muitas fãs realmente cumpriram o pra sempre com você. Breno e Laura estavam na frente no camarote algumas garotas mexiam com ele, era galã igual o pai sempre foi, dali de longe reparava a Laura o reempreendendo. Quando o show acabou era hora de irmos e resolvemos passar no Paris6 para jantarmos. 

….

Hoje estávamos comemorando hoje mais um ano juntos. E todos esses anos junto com o Luan foi mágico, foi de muito amor, companheirismo. Um pai incrível, amigo, parceiro de todas as horas. E hoje era início das minhas férias e Luan estava de folga.

— Ô mãe a gente não pode ficar aqui?

— Theo só se a Isa ficasse com vocês. 

— Não vejo problema nenhum. — ela sorriu.

— Mãe quando vocês voltarem da lua de mel de vocês. — julia revirou os olhos rindo. — tragam presente ta?

— Ah claro Ju não irei esquecer! Isa então você sabe qualquer coisa pode puxar orelha, dos dois!

— Sabe que eu puxo quando é necessário Helena, mas essas crianças são uns anjinhos.

— Anjinhos? Uhum. — Eu disse.

— Ei mãe! — ele riu.

— Mãe pelo amor de Deus eu não quero mais irmãos já basta o Theo, então por favor!

— Ah sua pirralha, eu quem nasci primeiro não vem não. — Ele retrucou.

Ela riu.

— Ô porque vocês dois não vão logo pra aula de vocês hein? — eu disse rindo. 

— Porque hoje é o dia do papai levar e ele não levantou até agora.

— Então vamos peguem o material de vocês. — disse me levantando e peguei a chave do carro. — E vamos. Isa, volto já!

— Ok Helena!

— Tchau Isa. — eles disseram.

— Tchau crianças até mais tarde.

 Ao deixar eles na escola, voltei pra casa e Luan estava saindo. 

— Posso saber onde vai? — sorrir. — bom dia. — o beijei.

— Bom dia minha linda, dormiu bem? Feliz mais um ano pra nós meu amor, que Deus continue nos abençoando muito. — ele me abraçou e me beijou outra vez.

— Dormi. Feliz mais um ano amorzinho, você sabe o quanto eu amo isso em você em lembrar dos pequenos detalhes. Eu te amo. — sorrir. 

— Eu que te amo. — ele segurou minha mão e beijou. — respondendo sua pergunta, vou correr vamos?

—Hm.. — pensei. — tenho que arrumar nossas malas.

— Vamos correr um pouquinho comigo, quando chegarmos tomamos um banho e te ajudo com as malas.

— Ok.

Então entrei para me trocar e depois fomos correr juntos. Luan sempre corria pelas manhãs quando estava em casa, e eu quando podia acompanha-lo eu também iria. Depois de quase uma hora de muito exercício, voltamos para casa e um banho delicioso de banheira tomamos. 

Enquanto me vestia no clouset e Luan no dele ele falava sobre como o tempo passou, e os filhos cresceram que ele não estava conseguindo acompanhar. E eu realmente concordei com ele.

— Pra você ter noção nem ir pra casa dos avós eles querem mais. — ri. — A Isa irá ficar com eles.

— Mas ela poderá ficar com eles?

— O que a Isa nega para as crianças Luan?

— Verdade, nem pra mim ela nega. — ele riu.

— Bobo. — dei um beijinho e comecei a separar as coisas para viagem. — separa sua coisas e pega as malas que estão aí do lado. 

— Ta bom.

Então o resto da manhã fiquei por conta das malas para a viagem. Como era apenas uma semana não levaria tanta coisa a não ser o necessário, pois compraria lá também. Já a mala do Luan ele colocou bastante coisa, ele deixou tudo para arrumar, enquanto foi buscar nossos filhos na escola para almoçarmos. Ao terminar a minha comecei a do Luan, o bom que as roupas já estavam tudo dobradas fui só ajeitando as roupas dele.

Logo mais ouvir vozes eles haviam chegado, mas escutei Theo nervoso subindo as escadas discutindo com alguém. Sair do quarto e quando olhei Theo tinha um machucado na boca, o que tinha acontecido?

— O que houve? — perguntei sem entender o motivo de toda gritaria, olhei pro Luan que não estava nada contente e Julie chorava.

— Um babaca mexendo com a Julie! — ele ainda disse alterado e nervoso. 

Ela me abraçou forte.

— Gente vem com mais calma. — ia andando pro meu quarto. — me expliquem o porque o Theo ta machucado, e você Julie alguém te machucou filha?

— Não mãe. — ela soluçava. — O Theo me ajudou, ai tudo saiu fora de controle. O menino estava me chamando de nomes ridículos, e eu fiquei nervosa e bati na cara dele e ele veio com tudo pra cima de mim, se o Theo não aparecesse ele tinha sei lá feito o quê.

Theo estava sentado na minha cama e me olhou.

— Sei que você sempre me pediu pra não arrumar confusão, mas mãe quando eu vi eu não gostei. 

— Filho você fez certo sim em proteger sua irmã, mas vamos começar a tentar resolver as coisas sem violência. — pedi. — olha sua boca Theo sangrando.

— Mas ele também não saiu andando não. — ele sorriu e o Luan riu também, olhei os dois séria.

— Amor ele protegeu a Julie, fez certíssimo!

— Não Luan você sabe que certo não foi. — disse. — Vão se arrumar para almoçarmos anda. 

— Mãe me desculpa ta? — Theo me abraçou e beijou minha testa.

— Tudo bem. — disse. 

Luan saiu junto do quarto com o Theo.

— E você Ju, tá tudo bem mesmo? Não se machucou?

— Não mãe, eu só não queria ficar com o menino que estava forçando a barra. — ela disse tristinha. — desculpa.

— Você quer que eu vou à escola antes e ir viajar?

— Sim mandaram um bilhete pedindo que você ou o papai vá amanhã. — ela disse pegando na mochila. 

— Ok. Vai tomar seu banho te espero pra almoçar.

Ela saiu e logo Luan entrou.

— Theo nunca foi de briga Luan. — disse.

— Helena o menino estava levantando a mão para bater na Julie, é de tirar do sério mesmo. — ele falou. — amanhã vamos na escola, vem vamos descer.

— Ok.

Desci junto com o Luan e ele se sentou na sala, e Isa veio me perguntar o que houve. Expliquei para ela toda a confusão, e em questão de minutos estava tudo pronto, ela já colocava a mesa do almoço. 

Theo On.

— Princesa. — Entrei no quarto da minha irmã, ela penteava seus longos cabelos. — Desculpa ta quando gritei com você dentro do carro, eu só estava muito nervoso. — a abracei.

— Eu sei Theo, eu te desculpo e te agradeço. Se você não tivesse ali eu nem sei o que teria acontecido, aquele Matheus é ridículo. — ela falou. — vamos descer.

— Vamos.

Nós descemos e o papai estava sentado na sala nos sentamos com ele para poder conversar.

— Vem almoçar gente. — minha mãe chamou.

O almoço foi muito bom, pois havia um tempo que não conseguíamos estar todos juntos. Ou é a mamãe no hospital e meu pai na estrada ou outra coisa. 

Theo Of.

Capítulo 116° — 12 anos…

Ao chegarmos na casa dos meus pais, assim que soltei Theo da cadeirinha ele deu um salto e pulou do carro. Foi correndo até a porta e de longe eu vi ele batendo na porta. Peguei Julie e a bolsa deles e fechei a porta do carro.

— Esse menino ele é ligado nos duzentos e vinte, não é possível! — Luan riu pegando as bolsas.

— Filho de quem? — ri.

Rimos e fomos entrando atrás de Theo que já corria para perto da Larissa.

— Oooi! — eu disse ao entrar, estava Caio, Larissa e meu pai sentados conversando.

— Olá Helena, oi Luan! — eles disseram.

— E aí gente! — Luan disse indo até eles apertando as mãos e se sentou no sofá.

— Como tá a nossa princesa? — meu pai brincou com Julie que já esticava os braços para que ele pegasse.

— Tamo aí né vovô, sapeca que só! — sorrir. — e como vocês estão?

— Estamos bem Lê. — Larissa sorriu. — Deixa eu contar a novidade.

— Conte! — disse.

— Eu e o Caio marcarmos o noivado.— ela disse animada.

— Ah que lindo!

— Que show cara, e boa sorte! — Luan riu.

— Foi o que eu disse. — Meu pai rindo.

— Nossa gente! — Larissa riu.  — sou tão amorzinho.

— Sempre? — meu pai olhou rindo.

— Não, mas quase sempre tá.

E todos riram. Deixei eles na sala e fui pela busca da minha mãe. 

— Oi mãe bença! — a abracei. — oi Célia!

— Oi Lê! 

— Que bom que chegaram filha, cadê as crianças?

— Estão na sala, quanto tempo não venho aqui hein! — disse.

— Tem tempo mesmo. — Célia disse.

— Ô Amélia! — meu pai apareceu com minha princesa no colo e Luan atrás. — Olha como nossa netinha tá linda!

— Ela é a coisa mais linda da vovó! — minha mãe tava paparicando a neta. — Oi Luan!

— Oi Amélia, tudo bem? — ele se sentou.

— Ôooo papaiii! — Theo veio arrastando alguns brinquedos.— Vamos brincar!

— Oi será que o netinho dormiu com a vovó hoje? — minha mãe riu.

— Eu não vovó eu dormir na minha casa. — ele riu.

— Cadê a bença da vovó Theo? — Luan perguntou. — Só pensa em brincar né?

— Mas é isso aí mesmo, só brincar é festa né Theo.  meu pai disse.

— Ai ele ganhou uma bicicleta do Rober, fica com ela pra cima e pra baixo.

— Rob pra ajudar que é bom nada! — Larissa falou.

— Eu não digo é nada.

Passamos o dia na casa dos meus pais, as crianças amavam os avôs. Depois do almoço, conseguir fazer Julie dormir e Theo foi com o avô e o Luan andar pelo condomínio, me sentei com minha mãe para conversamos. Quando fomos embora já era noite, as crianças dormiam no carro e fomos para casa. Tomaram banho e foram assistir TV Luan e Theo. Eu fui olhar alguns papéis do hospital, trabalhar um pouco adiantar os serviços.

(…)

 

12 anos depois…

— Ô mãe avisa meu pai que hoje eu vou dormir na casa do Cauã! — Theo disse enquanto tomava café da manhã.

— Pra quê Theo? 

— Uai pra gente fazer um trabalho que temos que apresentar na escola. 

— Ok, então depois da aula quem vai te buscar é a mãe dele?

—Sim.

— Ô mãe que dia eu vou poder dormir na casa da Helô? — Julie me olhou.

— A mocinha eu não sei, já arrumou suas coisas, vai pegar seu material para irmos.

É 12 anos haviam se passado, Theo com seus 16 anos já mostrava suas asinhas e arrasava corações por onde passava. Tava seguindo carreira do pai, tocava e contava que era uma beleza. Julie com seus 12 anos e era a xodózinha de Luan, que voz essa menina têm! Luan desde quando eles eram pequenos sempre os mimaram, agora não é diferente. Eu falo não, eles vão no pai fala com ele e ele vem me pedir pra liberar, conseguiam tudo! Larissa se casou com Caio e estavam com a filhinha deles de 5 anos Estela, Bruna casou com Breno, é depois de algum tempos eles se reconciliaram e tiveram gêmeas que já estavam com três anos.

Lisa e Rober além de ter nos dado um afilhado Fernando Gabriel 14 anos, éramos também padrinhos de casamento. Já Luan continuava a fazer sucesso, já eram 22 anos de carreira é incrível o tempo passa e nada muda! Era só alegria.

— Mãe amanhã é o show do papai aqui em São Paulo, nós vamos né?

— Sim nós vamos, mas um lançamento do seu pai. — sorrir entrando no carro. 

— Você acompanhou o pai desde quando mãe? — Theo se sentou no banco de carona colocou o cinto.

— Nossa filho, eu já contei a vocês que eu conheci o pai de vocês no hospital né? — risos. — eu ainda estava na minha residência, sua vó me chamou pedindo ajuda com um paciente vip e quando vi era o pai de vocês. Fui super profissional, já ele… — ri.

— Agradeço meu pai por isso, imagina se ele não dar em cima de você? — Julie disse rindo. — Deus me livre!

Eu gargalhei com a Julie.

— Então continue…. — Theo riu.

— Eu atendi seu pai só naquele lugar, desviando de todas as cantadas que ele me dava. Como eu também fazia trabalho como modelo, tirando fotos, fazendo campanhas. Tive uma e o modelo masculino era quem?

— Ele mesmo o Luan Santana! 

— Sim ele mesmo, ai ele conseguiu meu número começamos a conversar, namorar, depois engravidei do Theo, casamos aí veio Julie e agora somos nós quatro, mas já passamos por muitas coisas nem tudo foi mil maravilhas não.

— Mas o  amor de vocês venceram. — Theo disse sorrindo, olhei meu filho e sorri também ele beijou minha testa. — Te amo mãe, até amanhã.

—Te amo filho, até, toma cuidado viu? Até!

— Pode deixar. Beijo Julie, até!

— Beijo Theo! 

Deixei Theo na escola onde encontrou com os amigos na porta.

— Vai mocinha desce também. — sorrir. — Cadê meu beijo?

— Ô mãe rapidinho eu preciso te perguntar uma coisa.

— Ihh, o que foi? — ri.

— Mãe quando é que eu sei se estou ou não preparada pro meu primeiro beijo? — ela me olhou.

Uma filme passou em minha mente, aquela bebêzinha já estava me perguntando sobre o primeiro beijo?

— Como assim Ju? — me virei pra ela, eu estava atrasada, mas isso não importaria. — você está gostando de alguém?

— Mãe é Nandinho sabe? 

— Hmm, o filho da Lisa e do Rober?

— É mãe.

— Filha o primeiro beijo você tem que está preparada e querer, não basta só querer e não está preparada por aquele momento. Se você gosta do Nandinho e ele gosta de você, arrisque! — Falei. — você só é muito novinha né?

— Ai mãe não sou, todas as meninas já tiveram o primeiro beijo, menos eu!

— Você não está querendo beijar o Nandinho, por pressão não né Ju?

— Não, eu gosto dele. — ela sorriu. — bença, — me abraçou. — bom trabalho, a gente conversa depois ta? 

— Tudo bem, precisando de mim você sabe? 

— Ta bom mãe, eu sei, — ela riu e desceu do carro.

— Boa aula, te amo!

—Também te amo.

Deixei que ela entrasse na escola e sair dali logo em seguida direto pro hospital. No caminho Luan me ligou dizendo está em casa, que buscaria os meninos na escola , falei que Theo iria pra casa do Cauã, mas que Júlie ele poderia buscar.

Trabalhei como todos os dias, duas cirurgias, muita correria. Na hora do café da tarde me sentei com Laura, Lisa e Thomas.

— Gente agora eu realmente estou ficando muito velha, não sei se me assusto agora ou depois. 

— O que aconteceu?

— Ju apaixonada gente. — eles riram.

— Por quem? — Thomas riu.

— Pelo Gabriel, filho de Lisa e Rober.

— AAAAA que lindo! — Lisa disse sorrindo. — Você sabe que eu já aprovo né?

— Eu também, mas ela só tem 12 anos gente.

— É minha amiga, tudo passa muito rápido mesmo, ainda mais hoje em dia. — Laura riu.

— Imagina só quando Luan souber.

— Vai pirar!— ri. — Princesinha dele apaixonada?

Continuamos a conversar, e no final do expediente  fomos pra casa. Eu já estava exausta, precisava apenas de um descanso na minha casa. Ao chegar, encontrei Julie sentadinha na porta de casa lendo como todos finais de tarde. 

— Tudo bem por aqui? — Perguntei.

— Sim mãe, que bom que você chegou eu e tia Isadora estávamos te esperando, vem! — ela foi me puxando pra dentro de casa.

— Seu pai onde está?

— Tocando violão na sala, acho que compondo.

 

—Oi amor! — disse ao passar pela sala, sem parar, pois Julie me puxou,

— Oi princesa! — ele disse rindo, acho que vinha atrás.

— Oi Isa. — sorrir. — boa tarde, como está as coisas?

— Ainda bem que chegou Helena, Ju estava a ponto de ficar louca.

— O que aconteceu gente?

— Mamãe eu fiz um bolo maravilhoso, com a ajuda da tia Isa e você vai provar!

— Hm, primo bolo da Ju. — disse sorrindo. — vai colocando nos pratinhos que vou lavar minha mão.

—Ta bom.

Me virei e dei de cara com o Luan, o abracei o beijando. 

— Que saudades.

— Também estava, ainda bem que você chegou que eu tô doido pra comer esse bolo da juju que ela não deixou eu comer, até que você chegasse.

— Ahh é? — eu ri.

Lavei minhas mãos e sentei com os três na mesa. Ju fez questão de tirar foto do bolo e mandar no grupo da família no wpp, e todos a elogiavam, ela claro que amava! 

— Como foi na aula hoje?

— Foi legal mãe, só uma garota lá que fica fazendo graça.

— Como assim?

— Bulindo comigo, dizendo que eu sou filhinha de papai e tals.

— Vira e fala minha filha, sou mesmo, aliás o melhor pai do mundo.

— Nem se acha esse pai seu né? — eu ri. — filha procure não se importar ta bom? 

— O Theo não deixa elas ficarem fazendo graça, ele me defende.

— Isso ai, e olha esse seu bolo está muito bom, uma delícia.

— Com a ajuda da tia Isa, tudo ficou ótimo!

— Para juju, que eu só liguei o forno pra você. — ela disse. — você é ótima!

— Chegou aqui dizendo que queria cozinhar.— Luan riu.

— E já posso até casar né pai?

— O dó de você Julie, o dó! — ele falou sério, e logo em seguida riu muito.

(…)

No outro dia a tarde, sábado iríamos para o show do Luan no City. Theo voltou para casa e disse que iria se arrumar pro show, Julie também foi.

— Julie ta apaixonada sabia?

— Você ta falando da minha Julie?

— Aham, pelo nandinho.

— Mas amor ela só tem doze anos cara.

— É Luan, mas ela gosta dele, ela vai te contar ainda só está sem coragem. — disse.

— Pelo menos é o Nandinho né? Nosso afilhado, filho de amigos.

— Exatamente. — sorrir, — duas crianças.

Nos arrumamos para irmos ao show. 

— Ô pai. — Theo entrou no quarto. — me empresta aquela jaqueta sua.

— Pega lá! 

— E as namoradas filhão?

— A namorada né pai? Só uma. — ele riu. — você vai conhecê-la hoje, a pulseirinha a mais pra mim lá hein?

— Namorando? — eu olhei pra Theo.

— É mãe, ela é linda, você vai gostar dela.

— Esse é o meu garoto!

— Quero ver se quando eu começar a namorar, também serei sua garota papai. — Julie apareceu na porta do quarta, arrumada, toda linda.

— Ô mocinha nem idade pra isso você tem.

— Ahh, tenho sim senhor! — ela disse. — né mãe?

Eu só ria da conversas deles.

— Quem é o garoto Juju? — Theo saiu do clouset com a jaqueta.

— Ninguém. — ela me olhou. — mãe meu cabelo tá precisando cortar?

— Não minha linda seu cabelo está lindo.

— Vejo que terei dor de cabeça? — Luan negou rindo.

— Que nada papai. — ela riu saindo. — Tô pronta mamãe, vou esperar na sala.

— Ta bom filha.

— É você todinha quando mais nova Helena! 

— Minha filha né Luan! — eu ri, enquanto colocava os brincos.

Terminamos de nos arrumar e Luan mandou mensagem pro Rober, dizendo que já estávamos prontos.

— Pai da pra passar e pegar a Laura na casa dela? — Theo perguntou.

— Onde ela mora Theo?

— Duas quadras daqui, perto da academia.

— Posso saber onde a conheceu?— perguntei.

— No Inglês. — ele disse. — mamãe ela é um amor, você irá amá-la.

— Pedimos o Rober pra passar lá. — Luan disse.

— Tia Lisa e Nandinho vão hoje? — Julie perguntou.

Luan me olhou e segurou o riso.

— Devem ir né Juju, SP geralmente todo mundo vai. — Luan falou.

— Ah sim! — ela voltou a colocar seu fone de ouvido, e Luan veio comigo pra cozinha.

— Ah eu tô ficando véio mesmo, viu? — ele se sentou rindo. — meus filho tudo caçando namorar, vê se pode?

— Eu não digo é nada! — falei. 

— Vocês são é novos isso sim, quando sai os quatro parecem quatro irmãos. — Isa riu. 

— Ah Isa, você um amor! — disse rindo, — mas irmãos? 

— Os meninos até xingam a gente?

— Ah Helena, quem te da 36 anos? me diz? — ela riu. —vocês são novos.

— Verdade, até meus amigos ficam de olho na minha mãe. — Theo revirou os olhos, ao abrir a geladeira. 

Eu ri e Luan, negou rindo também.

— Ainda bem que aqui é tudo meu. — Luan disse.

— Eita trem! Fica de olho, Sr. Luan! — Theo riu.

 

 

Capítulo 115° — Abrindo os presentes

No outro dia cedo, acordei com o chorinho da Julie eram seis da manhã. Deixei Luan dormindo e sair do quarto. 

— Oi mãe, porque esse bebê chora tanto? Por que hein? — assim que ela ouviu minha voz, ela calou. — bom dia meu amorzinho. — Pegando-a e beijei sua cabeça, me sentando na poltrona do quarto. — tá com fome é amor? 

Ela era a mesma coisa do Theo quando pequeno, todo cabeluda, branquinha, olhos azuis feito azul do céu. Comecei a amamentá-la, e fiquei ali pensando o quanto minha vida tinha mudado por esses anos. Até uma voz manhosa veio chorando pelo corredor. 

— O que foi hein? — perguntei sem gritar, para evitar acordar o Luan.

— Mamãe. — ele entrou no quarto arrastando uma mini coberta pelo chão, subiu no braço da poltrona e me abraçou no pescoço. Manha pura, logo cedo. 

— Bom dia meu amor, você ta bem? Dormiu bem? — segurando Julie com um braço e ele com o outro pra evitar de cair.

— Sim, eu tô com fome mamãe.

— A tia Rafa e a tia Isa já estão lá em baixo preparando o café, vamos escovar os dentinhos e descemos tá bom? Logo Julie ficou satisfeita, fui até o quarto com o Theo e ajudei a escovar os dentinhos.

— Cadê meu papai?

— Ta dormindo, não vai lá não ta? Hoje ele tem show e ele precisa descansar. — falei.

— E nós vamos também no show do papai?

— Olha se for perto nós vamos ta bom? — sorrir. — agora calça seu chinelo e vamos tomar café.

— Ta bom mamãe. 

Peguei a Julie e desci com os dois indo para a cozinha.

— Bom dia Isa e Rafa! — sorrir. 

— Bom dia Helena! — elas disseram.

— Bom tia Theo! — Rafa disse. — tá com fome?

— Sim, sim tia Rafa! — ele disse sorridente. 

— Então vamos tomar café. 

Amava a forma que Rafa cuidava das crianças, era muito lindo. Eu poderia sair tranquilamente deixando eles em casa com ela. Theo ama quando ela prepara as refeições, era legumes com rostinhos, biscoitinhos com rostinhos. E ele ficava maravilhado com tudo! 

— Hoje é dia de abrir os presentes né mamãe?

— Aham, e quem vai ajudar abrir? Eu tô correndo hein!

— A mamãe é esperta né Theo! — Isa riu.

— Ela é tia Isa. — ele dizia enquanto tomava iogurte. — o papai disse que vai ajudar, mas ele vai demorar acordar, eu vou esperar não. — ele deu uma risada gostosa.

— Mamãe vai filmando você abrir tá? — sorrir. — toma seu café primeiro, a tia Rafa colocou tudo lá no quartinho dos brinquedos.

— Eu vi mamãe, quando eu desci eu fui lá ver, todos tem nome. Tem um da tia Lelê!

— Ah é? E você viu a tia Lelê lá na sua festa?

— Eu vi, hoje eu ou ver ela de novo né? Porque nois vamos com o papai pro show.

— É talvez vamos.

Terminei de tomar café com as crianças e fui pra sala de brinquedos com o Theo e Julie nos braços, falando várias palavrinhas. Me sentei no tapete no chão com Julie do meu lad0 e Theo começou a abrir os presentes e eu fazia estories.

— Filho você vai abrindo falando quem te deu e agradecendo ta bom? — disse.

— Ta bom mamãe, olha esse é da tia Cecí. — ele disse abrindo e eu fui fazendo os vídeos, a reação dele ao ver os presentes era a coisa mais linda.

Ele amou tudo, após abrir todos, quase uma hora ali brincamos um pouco.

— Mamãe será que eu posso brinca de bicicleta?

— Vamos, primeiro você vai lá no seu quarto e coloca o tênis, e sem correr Theo.

— Ta bom mamãe.

Ao sairmos do quarto de brinquedos Rafa pegou a Julie.

— Onde vão que o Theo correu pra pegar o tênis?

— Andar de bicicleta.

— Rober me quebrou com esse presente. — ri.

— E ele sempre irá querer. 

— Não terei dúvidas Rafa.

Logo ele veio gritando montado no pescoço do Luan, “vai cavalinho, vai cavalinho” ri deles. Luan ao chegar perto selou meus lábios.

— Bom dia meu amor. — ele sorriu. 

— Bom dia meu bem.

— Bom dia Rafa, bom dia princesinha do papai. — beijou a cabeça da filha.

— Bom dia Luan!

— Olha você escapou dos presentes, mas a utilidade do presente que o Rober deu você que vai. — eu disse.

Ele gargalhou.

— Eita que sobrou pra mim, deveria fingir que estava dormindo quando você apareceu Theo! — Luan disse.

— Ah seu safado! — ri. — vai tomar seu café, pois a Isa vai tirar a mesa, anda.

— Já vou. — ele desceu Theo.

— Vou tirar esse pijama.

— Vou dar um banho na Julie Helena.

— Ótimo Rafa! — sorrir.

— Ué mamãe eu tô pronto. — ele me olhou tipo, quando vamos?

— Mamãe só vai colocar uma roupa ta bom, espera aí, liga a TV por enquanto.

Então subir para me trocar. Todos os sábados eram assim aproveitava o máximo as crianças durante o fim de semana, pois de segunda a sexta eu estava no hospital de oito da manhãs até às cinco da tarde. Assim que me vestir Luan já pegava a bicicleta do Theo e saiam juntos eu fui atrás. Tirei uma foto dele.

“Tio @roberlelis dá ou presente e ao invés de dar as aulas também, some! Valeu! Hahaha Theo amou todos os presentes. Obrigado a todos que compareceram ontem na festinha e veio comemorar conosco. Ficamos felizes pela presença de cada um. Theo agradece por todos os presentes.” @luansantana

@luanamormaior: ele é um príncipe.

@brusantanareal: a titia ama!

@roberlelis: Aôo Theozin! Dá uma carona aí cara, vamo dar um rolê! Hahaha

@luanvida: Ah a cada dia ele tá mais lindo!

@helenaprincesa: Ahhh menino lindo!

— Mamãe é muito legal.

— É sim meu amor, toma cuidado viu? — sorrir.

Meu celular então começou a tocar, era minha mãe.

— Bom dia minha filha. — ela disse.

— Bom dia mãe, tudo bem? — perguntei.

— Tudo ótimo, como vão as coisas?

— Tudo bom graças a Deus, Theo ta aqui brincando com os presentes. — risos. 

— Ah que delícia! Ligando para chamar vocês para vir almoçar com a gente amanhã.

— Hm, vamos sim! — sorrir. — Amanhã Isa e Rafa estarão de folga, vai ser ótimo!

— Então esperamos por vocês. Beijo filha, vou no mercado com seu pai.

— Beijo mãe fiquem com Deus, até amanhã.

(…)

Domingo às 13hrs. 

— Casa da vovó Amélia, casa da vovó Amélia! — Theo ia repetindo no carro.

— Menino você não cansa não? perguntei rindo.

— Eu não mamãe, eu sou criança e criança não cansa.

— Hm.. a gente percebe. — Luan disse rindo, ele dirigia e eu ia atrás com as crianças.

— Porque a tia Rafa não vai com a gente hoje?

— Hoje é dia da tia Rafa descansar um pouco né filho;

— Ah sim, amanhã eu tenho que ir pra escolinha né?

— Sim amanhã você tem aula.

— E adivinha quem vai te levar?

— PAPAI, êeeeee! — ele gritou.

— Nossa Theo me ajuda aí filho. — disse.

Ele riu.