Capítulo 94° — A funcionaria

A noite foi se aproximando e eu já me arrumava para o show do Luan, me vestir.

— Luan vou amamentar o Theo por enquanto, me chama quando o Rober chegar ta bom?

— Ta bom princesa, vou sair do banho aqui e me vestir.

Fui até o quarto e Theo estava no berço brincando com os brinquedinhos pendurados no berço. Ele ao me ver abriu um sorriso lindão.

— Ei príncipe da mamãe, tá com fominha tá? — o peguei e me sente na poltrona ali no canto, liguei um música de ninar e comecei a amamenta-lo.

Um momento tão nosso. Eu te amo tanto filho. #mãedemenino #mãedepríncipe 

Após uns minutos ele dormiu e Luan apareceu no quarto prontinho. 

— Tô pronto. — disse baixinho e se sentou no braço da poltrona.

— Tá lindo. — sorrir. — Testa chegou?

— Você que está princesa. — ele beijou o alto da minha cabeça. — não, disse que está chegando.

— Ta bom. — sorrir. 

Coloquei Theo para arrotar e logo coloquei no berço coloquei a cobertinha por cima dele, dei um beijinho de boa noite, Luan também fez o mesmo. Fui no nosso quarto passei meu perfume, peguei um casaco e uma bolsa pequena coloquei documentos, carregador, celular, chaves.

— Vamos? — ele apareceu na porta do quarto.

— Agora. — sorrir, antes passei no quarto do Theo ele dormia feito um anjinho, passei uns recados para Rafa e dei boa noite para ela e Isa. Descemos para encontrar Rober.

— Olá Lena.

— Oi Rober.

— Testa hoje sem atrasos?

— Tô até surpreso. — Rober zoou.

— Bestas. — entramos na van e fomos em direção ao local do show. — Hoje vai estar todo mundo? 

— Sim, lançamento de música nova né? — Luan me olhou.

— Mais um sucesso! — deitei a cabeça no seu ombro. 

Ele foi me fazendo carinho até chegarmos no local, quando descemos da van que gritaria imensa era aquela? Rober e Wellington desceram primeiro, depois Luan e logo eu atrás com a ajuda dele. Como tinham muitas fãs Luan não pode parar, a não ser acenar, mandar beijos. Então seguimos para o camarim, pelo percurso até lá encontramos muita gente da equipe que nos cumprimentaram. Ao entrar no camarim estavam Arleyde, Carol, Ju, Jéssica.

— Oi meninas! — sorrir indo até elas e cumprimentando. — tudo bom?

— Tudo bem Helena, que bom que você veio.

—Ai gente estava com saudades de acompanhar. — disse. — vou curtir hoje.

— Isso aí, música nova tem que ta todo mundo. — Carol sorriu.

— Luan! — Ju o chamou. — deixa eu apresentar a você a Thais que estará estagiando com a gente.

— Oi Thais tudo bem? — Luan a abraçou cumprimentando. — seja bem vinda viu muié, de verdade.

— Oi Luan, tudo e você? — ela sorriu tímida. — obrigado!

— Essa é a noiva do Luan Thaisa, Helena um amor! 

— Oi Helena, tudo bem? — me cumprimentou com dois beijinhos na bochecha. — um prazer.

— O prazer é meu Thais, bem vinda, vai amar a galera! — sorrir. 

Me sentei no sofá ao lado da Jéssica e da Arleyde onde conversávamos sobre o Theo, casamento. Logo Carol e Juliana se juntou com a gente. Depois Marizete e Amarildo entraram no camarim, abraçaram o filho. Ficamos ali conversando, enquanto Luan atendia os fãs, contratantes e o público que eram muitos.

— Lê, vem cá. — Luan me chamou.

Fui até ele.

— Oi?

— Uma entrevista com nós dois agora, topa?

— Sobre?

— Nós mesmo amor.

— Pode ser. — sorrir.

Então entrou a imprensa, primeiro quem começou foi o Léo Dias.

— Luan Santana como é bom te encontrar mais uma vez, e agora acompanhado da Noiva Helena Mitchell! —ele disse. — Tudo bem com vocês?

— Tudo tranquilo graças a Deus. — respondemos juntos.

— Luan você se importa se eu fizer umas perguntas para Helena?

— Claro que não. — ele riu. 

— Ótimo se o patrão liberou ta liberado. — risos. — Helena você quase não acompanha o Luan nos shows, hoje é um dia especial?

— Bom Léo todos os shows são especiais. — sorrir. — hoje é um dia que terá lançamento de música que é linda viu? Vocês vão amar! Eu quase não acompanho o Luan por causa do nosso filho, ele ainda é muito pequenininho pra ficar nesse barulho todo. Então quando consigo uma folguinha tento marcar presença sim com o Luan,

— Entendo. E o casamento de vocês Luan?

— Daqui um mês nós casa né amor? — Luan sorriu ao me olhar. Concordei. — dia doze de dezembro, vai ser uma cerimônia linda.

— Ah felicidades pra vocês. Luan enquanto a música de hoje o que o público deve esperar, ou o que você espera do público?

— Lançar música nova é sempre muito bom, e ao mesmo tempo da um medo né? Vai que as pessoas não gostam? Mas eu tenho a certeza que a Check-in muita gente irá gostar e vocês irão curtir logo mais!

— Ótimo, certeza que a galera vai amar! Luan vou deixando você aqui e você descer pro meio da galera pra acompanhar o show todo de lá, e aguardar a música nova. Helena foi um prazer conversar com você e boa sorte pro casal.

— Obrigado. — falamos e eles saíram.

Juju Thomé é minha companhia de show do amor hoje. Lindeza, estava com saudades! 

Meia hora depois Luan foi chamado ao palco, fomos todos juntos para a lateral do palco. Show rolando e a gente cantava, dançava, a galera indo a loucura. Tinha esquecido o celular no camarim, fui buscar. Ao chegar na porta do camarim fui entrar,  a Thais saiu com tudo lá de dentro derramando uma garrafinha de água em mim. Que susto!

— Ai Helena me desculpe pelo amor de Deus! — ela disse desesperada. — Por favor, ai me perdoa.

— Calma Thais, não foi sua culpa. — disse, passando a mão onde havia caído água.

— Você está toda molhada, meu Deus que vergonha.

— Menina relaxa essas coisas acontecem. — disse sorrindo. — Relaxa. 

Entrei no camarim e peguei uma das toalhas do Luan me secando ela me olhava toda preocupada, peguei meu celular e já ia voltando pro palco. 

— Você não vem?

— Já já, vou pegar a camisa do Luan. — ela disse e eu concordei.

 

Thais On.

Ah! Como eu queria dizer que eu derramei porque eu quis, essa Helena eu não a suporto, se faz de amorzinho!

Thais Of.

Anúncios

Capítulo 93° — Realmente na sua!

Luan conversava com os meninos em um canto, pegaram o violão para fazer umas modas, assim disse eles. Me sentei com as meninas e começamos a olhar os vestidos que Léo tinha trago uns catálogos. 

— Gente o que eu falei pro Léo, eu só escolhi a cor do vestido, pois eu quero que vocês estejam todas iguais. — sorrir. — E o vestido vocês irão entrar em um acordo e escolher apenas um modelo.

— Ai eu trouxe esse catálogo para vocês verem os modelos que tem no ateliê, ou que vocês querem que façam. — Léo disse. — escolhem ainda por esses dias amores.

— Deixa a gente ver então! — Lisa pegou a revista.

— Qualquer um Lê? — Bruna me olhou.

— Aham de preferência longo né meninas? Acho mais bonito, mas aí vai de vocês.. — ri.

Enquanto elas iam procurando um modelo de vestido me sentei com minha mãe e minha sogra que também falavam sobre o casamento. 

— Já mandou os convites?

— Não. — ri. — Peguei ontem com a sogra, né Mari? Temos que enviar.

— Me entrega os dos seus tios que eu entrego para eles, amanhã vou na casa da sua vó verei todo mundo. — ela disse.

— Tudo bem mãe, vou pegar e separar, aliás, tenho que levar alguns no hospital. — fui até o quarto e peguei os convites.

— Quem serão os noivinhos? — Bruna perguntou.

— Davi filho do Matheus e a Alice filha do Fernandim. — Luan disse.

— Theo vai entrar? — Amarildo me olhou.

— Sim. — sorrir. 

Depois de conversarmos muito, as meninas acabaram decidindo o modelo do vestido e logo todo mundo também se despediu, indo embora só ficando eu e Luan. Me deitei no sofá e Luan me olhou sorrindo. Acabamos subindo pro quarto para descansarmos, antes que Theo acordasse e não deixasse ninguém dormir.

(…)

Sábado às 10h da manhã.

— Bom dia meu amor. — Luan disse saindo do banho, enquanto eu acordava.

— Bom dia meu bem. — ainda sonolenta. — que horas são?

— Dez! — Luan disse.

— Meu Deus o Theo! — disse me sentando rapidamente.

— Relaxa. — ele riu. — Rafaela ta com ele, você precisava dormir um pouquinho mais amor.

Ele sorriu e eu me levantei indo ao banheiro fiz minhas higienes, tomei um banho e quando sair de lá. Luan brincava na cama com o Theo. Dei um selinho em Luan, e depois um beijinho no meu bebê.

— Hoje vamos no show comigo?

— Vamos. — disse. —tempinho que não te acompanho, saudades.

— Eu também. Deixa o Theo com a Rafa e tudo certo. Ah! Hoje tem uma menina nova na equipe.

— No lugar de quem? — o olhei enquanto arrumava meu cabelo.

— De ninguém, é estágio, tá junto com a Jessica, Ju e Carol. — ele disse. — Ainda não a conheci.

— Hm! Irá conhecer. — sorrir. — já tomou café?

— Não, estou te esperando.

— Então vem, deixa eu pegar o bebê da mamãe. — peguei ele com o Luan e ele dava lindos sorrisos. 

Descemos e tomamos nosso café da manhã, amassei algumas frutinhas e dei pro bebê comer. Luan queria uma foto nossa juntos e pediu para que Rafa que tirasse para gente, ela que estava passando a roupa do pequeno tirou a foto e ele postou logo em seguida.

“Alegria de toda manhã. A razão de tudo na minha vida, amo vocês! @helenamitchell”

Logo mais a foto foi bombardeada de comentários e curtidas, sem contar que já estava em todos os sites de notícias né? Depois do momento família, Theo acabou se cansando e dormindo. Fui me trocar, junto com Luan decidir ir entregar os convites de casamento que faltavam. Me vestir.

 

— Rafa qualquer coisa você liga pra mim ou pro Luan ta? 

— Tudo bem, podem ficar tranquilos.

— Isa, vamos almoçar na rua mesmo ta?

— Ta bom Lena. — ela sorriu.

— Amor vamos!

— Isa a chave do meu carro você viu? 

— Onde o senhor sempre deixa Luan.

— Senhor não né Isa! — Luan riu.

Eu comecei a rir dele e a Isa toda desconcertada me olhando pedindo ajuda.

— Aí cê quebra minhas perna uai. — ele riu. — Brincadeirinha Isinha! Tchau.

— Tchau crianças. — ela disse.

— Isso gostei assim.

— Vamos logo Luan! — ri.

Saímos do apartamento rindo até, ao chegar no Hall Luan encontrou com uns vizinhos que só se faziam de bons vizinhos, apenas interesses! Respirei fundo, pela demora. Luan vendo minha impaciência, despediu do vizinho e fomos pro estacionamento.

— As caras que você faz Helena! — ele riu.

— Ai eu não aguento tanta falsidades desses que se fazem!

— Você ta muito impaciente amorzinho. — ele riu. 

Entramos no carro e ele ligou o mesmo já ligando o som.

— Quem primeiro?

— Paula e Matheus, vamos começar aqui dentro do condomínio primeiro. 

— Ta bom.

Assim que chegamos na casa de Matheus e Paula os dois voltavam da escola com o pequeno Davi. Luan deu uma buzinada e eles olharam.

— E ai cara! — Matheus disse sorrindo e cumprimentando o Luan.

Luan parou o carro e descemos para entrega-los.

— Oi Paulinha tudo bem? — sorrir. — Ei Davi! 

— Oi Helena, tudo sim e você? — Nos abraçamos.

— Estou ótima. — sorrir. — Olá Matheus!

— Oi Helena.

— E ai Davi ta voltando da escolinha cara? — Luan disse brincando com ele. — Toca aqui.

— Vamos entrar gente.

— Não Paula hoje não. — risos. — hoje estamos entregando os convites do casamento.

— Ah que lindo! Que dia vão olhar a roupinha do Theo vou com você pra olhar a do Davi.

— Então acho que semana que vem, pois vou olhar meu vestido que estão fazendo, te ligo pode ser?

— Claro, parte da tarde Davi ta comigo. — ela sorriu. — Liga sim, que vamos.

— Ótimo! — sorrir, entregando o convite. — Bom nós já vamos, temos muito que entregar ainda.

— Imagino. Depois voltem pra gente conversar.

— Voltaremos sim Paulinha. — Luan disse. — Ah, Matheus tem uma moda que tenho que te mostrar cara, vê se vai lá no estúdio depois pra gente ver.

— Borá só me chamar você sabe.

Despedimos deles e fomos pro carro, Luan disse que iria levar na casa do Fernando Zor, Faro, rodamos aquele condomínio inteiro. Quando eram 13h da tarde estava exausta e com fome.

— Vamos almoçar Lu?

— Vamos Lê, deu fome cara. — ele fez um bico.

— Então bora, qual restaurante?

— Onde cê quer ir?

Bom fui guiando o Luan para o restaurante e quando chegamos lá como sempre, fomos muito bem recepcionados. Nos arrumaram uma mesa rapidinho.

— Amor, não faltam tantos agora. — ele disse. — Do pessoal da minha família Max levou para Campo Grande, sua mãe da sua família. Nossos amigos todos mundo também uai.

— Sim falta mais as meninas do hospital e alguns doutores.

— Quais? Aquele cara lá também?

— Leonan?

— Uhum. — ele disse tomando um suco e me olhando.

— Como chama o Carlos e não chama ele? — perguntei.

— Simples! Não mandando convite.

— Deixa de ser bobo Luan. 

Se ele soubesse que não só Leonan era apaixonado comigo, mas Carlos também era. Carlos tem uma corda pelo fato de ter feito meu parto, só por isso.

— Não gosto dele, não me desce. — ele fez uma careta e o garçom deixou nossos pratos na mesa.

— Mas no dia estarei casando com você, relaxa! — ri. — obrigado.

Ele saiu nos deixando sozinhos.

— Minha esposa, é anos realmente passaram!

— Quem diria, que por conta da sua dor de cabeça iríamos estar hoje onde estamos?

— Nossa Lê verdade cara, melhor dia da minha vida foi aquele. — sorriu. — quando eu te vi eu apaixonei de verdade amor. Cara eu falei com o Testa olha que loira linda, ele ainda falando que você não era mulher pra mim.

— Uai porque? — ri.

— Porque antes de você eu saia pegando todo mundo sabe?

— Eu imagino. — risos. — Não vou falar que no começo também pensei que seria só mais uma pra você.

— Conte-me mais sobre isso.

— Uai Luan, pensa comigo! — diz ao tomar um gole de suco. — eu atendo várias pessoas por dia, famoso não foi o primeiro que atendi, e nem que fui cantada por algum.

— Hm, algum amigo meu?

— Não, atendia mais ator. — risos. — cantor além de você foi o Gusttavo Lima, Leonardo e Michel Teló.

— Hm, deram em cima de você também? — ele riu.

— Não, eles não. Todos já eram comprometidos na época. —risos. — mas enfim voltando, ai você chegou e quem estava te atendendo era minha mãe, e ela me chamou dizendo que precisava de uma mãozinha com um paciente vip, eu ainda no estágio não poderia dizer que não podia. Ela disse que era o Luan Santana fiquei pensando, nossa o Luan! — ri.

— Tô gostando, continua.

— Besta! Além de ter sido julgada como a queridinha da chefe da neurologia, por ser filha da minha mãe e ela ser a chefe e ela ter me escolhido para ajudar a cuidar de você, sofri bullying, durante um tempo. E quando começou a sair notícias de nós dois, passei ser a maria cantorzinho. Pois é acontece! Bom, quando entrei na sala e meus olhos encontraram com os seus foi algo muito louco, não sei dizer o que, mas foi. Aí você começou a me cantar e tals, pensei, ele deve estar achando que eu sou trouxa e vou cair na dele.

Ele gargalhou enquanto eu contava e ele se deliciava do almoço.

— Trouxa não fui, mas cair realmente na sua né? Olha aí um filho, noiva, pra casar… é realmente na sua!

— Graças a Deus que cê caiu na minha né meu anjinho? — ele alisou minha mão e me deu um selinho rápido.

— Graças a Deus, pois hoje eu sou feliz demais com você. — risos.

— Maria cantorzinho, vou aderir! 

— Aderir para aquelas vagabundas que dão em cima de você no camarim na cara dura! — disse baixinho para que ninguém escutasse.

— Nossa amorzinho. — ele riu alto.

— Luan! — ri olhando em volta todos nos reparavam.

— O que é hein? — ele me olhou rindo. — te amo muito cara!

— Eu também te amo. — sorrir e o abracei de ladinho colocando minha cabeça em seu ombro. — temos que voltar Theo deve estar inquieto.

— Ou não, ele fica tão calmo com Rafaela.

— Você gostou mais da Rafa né?

— Ela já é mais velha mais experiente né amor? E ainda psicóloga. A Manuela é muito nova, sabe das coisas, mas ainda prefiro a Rafa.

— Então será ela?

— Não depende só de mim né? De você também, ainda mais que você que convive mais com elas do que eu.

— Bom a Manuela é muito boa, mas acho a Rafa melhor também mais experiente como você mesmo disse.

— Então… Acho que temos uma babá fixa! 

— Aham. — risos. — vamos?

— Não quer nenhuma sobremesa?

— Não meu amor, estou satisfeita! Tenho que arrumar minha roupa pro show de hoje.

— Vou amar você comigo hoje. — selou meus lábios outra vez e chamou o garçom que iria trazer a conta.

Logo Luan pagou a conta e fomos pro carro, até em casa gastamos uns dez minutinhos. Ao chegar na sala de casa Theo estava no colo da Babá no sofá conversando com ela, ou pelo menos tentando. Fui até o banheiro lavar as mãos e quando voltei Luan já estava brincando com o Theo.

— Oi amor da mamãe. — beijei seu rostinho. — ele deu algum trabalho?

— Que nada Helena! — Rafaela sorriu. — Esse menino é um anjo eu já disse.

— Nem sentiu falta da mamãe né anjinho, foi tão rapidinho. — alisei o seu rostinho. — Rafa pode ficar durante a noite hoje?

— Claro. — ela disse.

— Ótimo, vou acompanhar o Luan no show hoje.

— Vão tranquilos. — sorriu.

— Ele é muito novinho para todo barulho né? — Luan ficou olhando o filho.

— Isso é verdade, ainda mais pra ele que vive nesse silêncio todo o dia todo.

— Sim, um ambiente totalmente diferente. 

 

Capítulo 92° — Madrinhas e Padrinhos?

— Finalmente em casa! — disse vestindo uma camisola. — É tão bom meu Deus!

— Verdade amor. — ele sorriu. — deixa eu ver os convites dos padrinhos.

(finjam que a gravata é rose)

— Olha amor que amor que ficou! — sorrir. 

— Ficou muito criativo Lê! 

— Sabe o que eu pensei em fazer? Um jantar com nossa família e os padrinhos, tipo até amanhã daria, pois você só tem reunião não é?

— Sim Lê!

— Ótimo! Vou mandar no grupo. — ri. — Um jantar para anunciar os padrinhos, amei.

Olhei na agenda de Caio e Breno não tinham nada. Então criei um grupo com Luan, Bruna, Larissa, Caio, Breno, Rober, Cecília, Rafael e Léo, Lisa, Cauã, Thomas e Laura.

E mandei uma seguinte mensagem.

PARA TUDO!

Você amanhã tem um compromisso super importante. Gostaria muito da presença de todos vocês na nossa casa, ás 20hrs para um jantar. Sua presença é muito importante! Esperamos por todos vocês. Beijos da amiga mais linda que vocês tem! Hahaha. 😘😘

As mensagens que mandavam no grupo era muito engraçadas, além do mais da desconfianças deles. E então todos confirmaram presença, da família pais de Luan e meus pais também toparam.  

— Você é engraçada amor! — ele riu se deitando ao meu lado. — deixaram todos eles curiosos.

— Por que se eu falar acaba com a surpresa, entendeu? Tenho que acordar amanhã e fala com Isaura do jantar, eu quero decorar tudo. Vai ficar lindo! — ri abraçando o Luan e deitei minha cabeça em seu peito.

— Eu sou feliz demais por ter você meu Deus. — beijou o alto da minha cabeça.

— Eu também sabia? Grata a Deus. — passei a mão sobre o rosto dele. 

Escutei um chorinho pela babá eletrônica. Luan me olhou sorrindo, selou meus lábios.

— Mas já? — ele riu. — vou pegar ele amor.

— Tá bom Lu. — fui até o clouset pegar um casaco fininho estava friozinho, voltei pro quarto. — O que foi bebê? O que o meu neném tá chorando hein? 

Beijei o rostinho dele e ele realmente conversava como se fosse gente grande, querendo contar alguma coisa e Luan ficava bobo olhando o filho. 

— Amor é a fralda por isso ele tá chorando.

— Vou buscar as coisas pra trocá-lo. 

Fui no quarto e peguei tudo. 

—Vamos tirar esse fedô fora, vamos mamãe? — disse beijando seu rostinho.

— Tem um neném que não tá com cara que vai dormir por agora não hein. — Luan deitou na cama do lado do filho, enquanto eu trocava a fralda.  

— Fala com o seu pai que você tá com saudade da gente né? Que você ficou o dia inteirinho longe da mamãe e do papai, que o neném sentiu saudade. Né amor?  

Ele tentando falar era a coisa mais linda, era muito amor transbordando. Não sabia me conter! 

— Ai Luan que vontade de morder. 

— Da né? Ele tentando conversar. Acha que é gente grande né papai. 

Fui até o banheiro jogar a fralda fora, lavei as mãos. Voltei pro quarto me sentei na cama.

— E então nós vamos dormir sim ou não hein? — olhei pro Theo que sorriu.

— Brincar né filhão! Ele tá é com fome.

— Vou dar mamãe pra ele Lu, pois aí ele dorme. 

Peguei ele o ajeitei nos meus braços e ele começou a mamar.

— Indo na cozinha quer algumas coisa? 

— Traga a mamadeira de água do Theo e um copo de água pra mim?

— Ok!

Enquanto Theo mamava eu via o filme que passava na TV. Logo Luan voltou com a mamadeira de água e minha água. Theo demorou, mas pegou no sono esperei um pouco para levá-lo para o quarto, e quando voltei conversei mais um pouco com o Luan até dormimos.

(…)

— Qual jogo de pratos você quer utilizar Helena? — Isa me ajudava com os preparativos do jantar.

Já estávamos arrumando a mesa.

— Os brancos mesmo, que são quadrados. Isa aqueles guardanapos que eu ganhei, pega pra mim, por favor.

— Aqueles de pano bordado? 

—Sim!

Comprei uns aneizinhos para enfeitar a o guardanapo. Luan veio para ame ajudar, e preparamos toda mesa quando terminou estava assim.


— Amei!

— Ficou lindo. — Luan disse. — será que você pode me dar uma ajudinha rápida? 

— No que amor? 

— No meu look de hoje. Vem!

— Mas Luan….

— Vai Helena eu termino o resto, aproveita pra se arrumar também, pois já são seis horas. — Isaura disse. 

— Obrigao Isa, vamos o nenê meu.

— Vamos. 

Subimos e preparamos nossos looks para receber nossa família, amigos e padrinhos. Ajudei Luan e depois separei minha roupa, logo depois fui separar a roupa de Theo e pedi Rafaela que o arrumasse ele pra mim, é que já estaria liberada. 

Luan tomou banho se arrumou e eu também fui, lavei cabelo? Sequei, fiz make, vestir minha roupa quando terminei de arrumar, faltavam 15 para oito da noite, e a campainha já tocava. Luan estava com Theo brincando na cama, escutei a voz da minha mãe lá em baixo.
— Temos que descer. — disse enquanto colocava um brinco.

— Uai né mamãe, a gente já está pronto há horas! — Luan riu.

— Calma só o perfume! — ri. 

Estava assim.


Theo estava assim.

Luan assim.

— Vamos! — ele disse.

— Sim, vamos. — falei pegando os convites dos padrinhos e madrinhas e descemos os três.

Na sala encontrei meus pais que conversavam com a Isaura.

— Boa noite pai, mãe.

— Boa noite Amélia, João! — Luan disse.

— Boa noite, como vocês estão lindos. — minha mãe nos abraçou e já pegou o neto. — Deixa eu mimá-lo, enquanto o restante da família não chega e começa a disputa. — ela riu. — Eu tô muito lindo vovó! 

— E aí Luanzão! Oi minha filha. — beijou minha testa.

— Oi papai, bença. — sorrir.

Meu pai cumprimentou Luan e sentaram juntos para conversar. Eu conversava com minha mãe enquanto ela brincava com o Theo em seu colo. Coloquei os convites em cima da mesa cada caixinha tinha o nome da madrinha e do padrinho.

— Helena você viu as fotos de como será a decoração? — minha mãe me olhou.

— Da igreja? 

— Isso.

— Vi e amei, bom já esta tudo pronto na verdade né? Só falta mesmo os vestidos e o dia! 

— E você ficou louca dizendo que não daria tempo.

— Mas isso p0r que todo mundo ajudou né Luan?

— Sim amor. — ele riu.

Os minutos foram passando e os convidados chegando, pais de Luan chegaram e logo se juntaram com os meus para conversar. Bruna e Breno, Larissa e Caio, Lisa e Cauã, Rafael e Leonardo, Laura e Thomas e Rober e Cecília. Todos haviam chegados e estavam lindos arrumados. Curiosos querendo saber o porque do jantar. 

— Não é Helena se não deixar todo mundo curioso né? — Bruna riu. — A mesa está linda!

— Obrigado Bru. — ri. — relaxem, podem vir pra mesa o jantar está pronto.

— Cada um tem sua própria cadeira, até com os nomes olha só! — Rober disse. 

— Caixinha verde para vocês meninos e a branca para as meninas não abrem agora. —risos. — Bom eu e o Luan achamos legal essa ideia de fazer um jantar para esse momento que é tão importante para nós. Foi de uma hora pra outra, mas vocês são testemunhos do nosso amor, e por isso que hoje nós decidimos chamar vocês para esse jantar, para revelar uma coisas a vocês. Bom eu espero que vocês gostem, pois foi feito tudo com muito carinho e amor. — sorrir. — Podem abrir a caixinha de vocês e bom espero que vocês digam sim!

Todos ao abrir a caixinha ficaram encantados com tanta criatividade. O sorriso no rosto de cada um era a coisa mais gratificante, e eles nos olharam e disseram um: SIM coletivo. Luan tinha pegado o vinho e servido todos para um brinde.

— Ah Helena! — Bruna sorriu. — Isso é lindo demais.

— Que bom que vocês gostaram, pra vocês usarem no dia do casamento. — sorrir.

— Então já que sou um dos padrinhos. — Rober começou a falar. — Vamos propôr um brinde a esse casal a essa família que é tão querida e amada por todos. Para que sempre continuem sendo pessoas maravilhosas que são. Ao Luan que é um amigo e tanto, convivemos mais tempo juntos do que a própria Helena. — ele riu e todos os acompanhou. — Mas é isso um brinde a vocês, pois vocês são maravilhosos vocês merecem toda felicidade da vida! Muitas crianças correndo pela casa junto com o Theo, fazendo a farra junto com  gente pra que no futuro seja orgulho de vocês! E que Deus abençoe esse novo começo de vida pra vocês e que ele sempre abençoe a família de vocês. Um brinde a esse casal!

— Um brinde! — todos disseram brindando e sorrindo.

Logo fui me sentando com Luan e Theo em meu colo.

— Vamos um pouquinho com calma em muitas crianças não queremos uma creche né? — Eu comecei a rir. 

— Pra mim ta tudo sob controle! — Luan riu.

— Ah claro, vou nem falar nada Luan.

— Ô amorzinho. — ele riu.

— Eu amei a pulseirinha. — Lisa sorriu. 

— E a gravata meninos? — perguntei.

— Vai combinar com o terno. — Rafael disse.

— Sim meu amor. — Léo disse. — Tudo bem pensado, vai ser o casamento do ano!

— Vai mesmo que vai estar tudo lindo! — Sogra disse. — a decoração…

— Não falem nada, vai ser uma surpresa pra Helena. — Minha mãe riu.

— Então já que vocês não querem falar e nem vão, fiquem calados! — ri. — e vamos comer.

— Hmm comidinha da Isa! — Cecília disse.

— Você Cecí come mais da comida da Isa, do que eu próprio. — Luan riu. 

— Isso é verdade, não podemos negar. — Cecília disse rindo. — Mas o Léo também.

— Vocês moram mais aqui do que o Luan né mores? — ri. — minha companhia.

— Antes só do que mal acompanhado hein! — Cauã disse zoando.

— Cauã que absurdo! — Léo disse rindo.

Durante todo o jantar foi risada, conversas, brincadeiras muita zoação. Coloquei o caldinho da comida na boca de Theo que amou, tão novinho e já louco para comer comida mamãe. Depois do jantar todos nos sentados na sala conversando, tirando fotos com os amigos. O Theo acabou dormindo, levei ele pro quarto troquei de roupa e o coloquei no berço, voltei pra sala para ficar com a galera.

Capítulo 91º — Bazar da Helena

— Será que conseguimos os vestidos tudo no mesmo ateliê? — Bruna me olhou.

— Talvez. — sorrir. — Os vestidos  das madrinhas vão ser Rosê, e as gravatas dos padrinhos também. 

— E quem são os padrinhos? — Larissa perguntou.

— Logo vocês irão saber. — disse.

— Helena os convites ficam prontos quarta, mandei junto com a lista de convidados que você e o Luan me passaram ontem, são só aqueles mesmo?

— Sim são, colocou todo mundo né Luan? — perguntei.

— Sim amor!

A hora passou tão rápido que nem vimos. Isaura preparou um jantar para todo mundo, antes de jantarmos amamentei o meu pequeno primeiro que logo ficou quietinho deitadinho no carrinho. Logo após o jantar dispensei a Emanuella que tinha me ajudado bastante com o Theo, ela me disse que teria amado trabalhar com a gente e que esperaria passar no teste. Depois de um tempo todos foram indo embora ficando somente Luan, eu, Theo que já dormia e Isaura que terminara de limpar cozinha.

— Bom amor, até que não estar tão ruim assim né? Ta em andamento. — ele riu.

— Você me apronta cada uma. — ri. — te amo já te disse isso hoje?

— Hm, não disse não. — ele me abraçou forte selou meus lábios.  — diz!

— Eu amo você, eu te amo muito!

— Não mais que eu minha princesa, pode ter certeza.

Sorrir e ficamos ali abraçados olhando nosso bebê dormir. Logo demos boa noite Isaura e subimos, colocamos o Theo no berço e fomos pro nosso. Precisava muito de um banho!

— O que achou dessa babá? — perguntei.

Ela se deu muito bem amor, pelo menos hoje, cuidou do nosso menino tão bem.— ele disse tirando a camisa.

— É… vamos ver no decorrer da semana. — disse sorrindo e entrei pro banheiro.

Abrir o chuveiro e me coloquei debaixo daquela água morna caindo sobre minha cabeça, quando do nada.

— LUAN!

— Oi amor. — ele fez uma carinha de cachorro sem dono.

— Não poderia esperar? 

— Tô com saudade. — ele sorriu me abraçando.

Logo também me entreguei e nos amamos loucamente ali naquele exato local. 

Uma semana depois…

A babá Rafaela que estava com a gente essa semana, que aliás estava corrida demais. Hoje temos o bazzar, onde conseguimos mais de duas mil peças de roupas. Luan estava viajando pro Rio em gravações de TV.

— Helena vamos! — Cauã gritou da porta.

— Já vou. — disse descendo as escadas. — Vamos Rafa! — chamei a babá.

— Estamos prontos. — ela disse ao chegar com o meu bebê.

— Você realmente irá levar o Theo?

— Não, vamos deixá-los na casa da Mari. — ri. — Luan vai pra lá assim que chegar.

— Então borá, lá pegamos a Bru! — Léo disse.

— Ouvir dizer que temos fila pro bazzar! — Cauã disse ao ir em direção a casa da Marizete.

— Já estou mega animada! — sorrir.

Ao chegarmos na porta da casa Marizete estava na porta conversando com Amarildo que já saia, desci com Theo em meus braços que grudou a mãozinha em minha blusa. Ele sabia que eu iria ficar umas horinhas distantes, meu neném sentia. 

— Oi Mari. — sorrir, cumprimentei com dois beijinhos. — tudo bem?

— Tudo Lê. — sorriu. — oi amor da vovó, oi Rafaela!

— Oi Marizete, Amarildo boa tarde!

— Boa tarde! Vamos entrando. — Mari disse.

— Chama a Bruna pra mim? — pedi, dei um beijinho no meu neném. — mamãe já volta amorzinho.

— Luan vem pra cá? — Amarildo me olhou.

— Sim ele disse que vem direto ver vocês, e que queria conversar com você Amarildo.

— Sobre?

— Ah! — ri. — isso eu não sei.

— Luan e seus mistérios!

— Sempre. — ri.

— Oi tô pronta vamos. — Bruna apareceu me abraçando. — Tchau pai, tchau mamis.

— Tchau pra vocês, boa sorte lá! — eles disseram.

— Obrigado. Me liga qualquer coisa tá Mari? 

— Pode deixar.

Sair dali rápido, pois Cauã já gritava lá do carro. Partimos para o shopping Léo começava a falar e não parava um só segundo, fomos escutando ele falar até chegar lá. Assim que chegamos tive uma surpresa, além de uma mesa enorme de guloseimas, doces e salgadinhos tudo decorada com o nome bazar da Helena, iria acontecer um desfile antes de começar as vendas. Era uma surpresa pra mim quanto para as pessoas que iriam também poder assistir. Eu amei a surpresa, me sentei ao lado da Bruna e assistimos todo o desfile. Logo depois me chamaram para que eu pudesse começar o bazar.

No microfone fiz alguns agradecimentos e desejei boa vindas a todos. Então começou as vendas Bruna e Léo me ajudavam, e estava indo tudo tão bem. Muitas fãs do Luan vieram para comprar também, além de deixar presentes para Luan, pro Theo e até para mim. Quando eram quase cinco horas da tarde meu celular tocou e Bruna que estava no caixa me chamou.

— Helena seu celular!

Pedir licença aos fãs de Luan que conversavam comigo, quando peguei o celular era meu amor.

— Oi amor, tudo bem? — disse entrando para sala de descanso onde estavam Lisa, Laura e Valentina experimentando algumas peças.

— Oi minha linda, estou bem e você? Como está aí?

— Estou bem amor, um sucesso Luan! — disse. — Você já chegou na casa dos seus pais?

— Que lindo meu amor. Sim cheguei agora a pouco.

— E o Theo?

— Tão calminho que nem parece seu filho. — ele disse rindo. — brincadeirinha lindeza, mas ele ta bem.

— Idiota! — ri. — nunca fiquei tanto tempo longe do meu bebê, ele mamou todo leite que deixei? 

Perai deixa eu perguntar a Rafaela. — ele deu um grito no meu ouvido perguntando à babá. — Sim amor. 

— Ótimo, assim que acabar irei embora.

— Estamos te esperando, ah os convites estão aqui minha mãe disse que é só entregar.

— Hm, ótimo! Preciso mesmo conversar com sua mãe e minha mãe. Ah, não esqueça de me lembrar amanhã quando Rober ir te buscar entrega-lo o convite de padrinho chegou lá em casa.

— Ta bom amor, vou brincar um pouquinho com o meu garotão. Beijo, te amo e até mais tarde.

— Até, da um beijinho nele por mim.— sorrir, que saudade do meu filho. — te amo!

Desligamos.

— Ê amor! — Laura riu.— Já escolhi o que eu quero.

— Ah que ótimo! — sorrir. — e como está o hospital, que saudades de trabalhar com vocês.

— Só falta você, a Dra. Luciana que está no seu lugar ela é até boa sabe? Mas cheia dos “não me toque” tem hora que da vontade de voar nela. — Lisa riu.

— Tivemos que segurar Valentina esses dias. — Laura disse.

— Que? — Olhei pra minha amiga rindo. — Você Va? 

— Anjinho eu não aguento ela mais, chegou agora e quer mandar em todo mundo? Ah! Me ajude aí né?

— Daqui uns meses eu volto meus amores. — ri. — enquanto isso não voem em ninguém. Vem vamos lá fora!

Ao sairmos as roupas já tinham sido quase todas vendidas e só ia chegando clientes, meninas que pediam fotos, conversas e risadas. 

— Quase na hora de ir pra casa. — Cauã apareceu ali e abraçou Lisa, nas mãos ele tinha algumas sacolas. — comprei um café pra gente. — ele sorriu.

— Por isso que eu amo esse menino gente! 

— Para de falsidade Helena, você ama é a comida. — Cauã riu.

— Olha eu tento ser fofa..

— Mas ninguém te deixa ser né Lê? — Bruna riu.

— Pois é, depois não reclamam. — ri. 

Um cliente chamo fui atendê-lo.

Quando deu seis e meia estávamos todos mortos de cansados e com fome, fechamos a loja e fomos comer, conversamos. Com a ajuda de Cauã fechei o caixa e estava feliz com o resultado, seria uma ótima doação. Ao terminarmos para Léo, Bruna e Cauã dei um presente pela ajuda deles. Algumas peças que sobraram Bruna, Laura, Valentina e Lisa dividiram e ficaram com elas. Separei um presentinho para a sogra antes, pra minha mãe e Larissa que não pode vir, por causa dos shows dos meninos.

— Mores vamos embora tenho meu filho no meu aguardo. — disse.

— O dó do Theozinho. — Laura disse.

— O dia todo sem a mamãe. 

— Mas está em ótimas mãos. — sorrir. — Isso me deixa tranquila.

Despedi das meninas e fomos para o carro levando algumas sacolas, no carro foi Bruna, Léo e eu atrás e na frente Lisa. 

— Gente obrigado de verdade pela ajuda de vocês, se não fosse vocês nada tinha saído tão perfeito. Foi lindo a surpresa do desfile que eu não esperava, estou muito feliz! Arrecadamos muito mais do que eu imaginei, e isso é muito bom, logo Cauã vai entrar com os papéis para doação e vai ser só realizações. Obrigado de verdade!

Todos me agradeceram também e então chegamos na casa dos sogros, fui correndo com Bruna estava morta de saudades do Theo. Quando entrei pra dentro ouvir o chorinho do meu bebê.

— Eu cheguei! — disse.

Fui direto pro banheiro lavei as mãos enxuguei.

— Cadê o neném da mamãe? — Perguntei indo atrás do choro.

— Estamos aqui Lena! — Sogra disse da sala de estar.

Cheguei estava Theo no colo de Luan, Marizete conversando com Rafaela.

— Ai que saudade. — disse pegando meu bebê dei um beijinho nele e ele parou de chorar. — a mamãe chegou meu bebê.

— Oi mamãe o marido também tem saudade.  — Luan disse do sofá sorrindo.

Ele era o meu outro bebê de vinte e seis anos. Me sentei perto dele e dei um selinho demorado.

— Oi meu amor. — o abracei.

— Lindeza! Pronto Theo agora que sua mãe chegou você cala né? 

— Chegou quem faltava né Theo! — Mari disse rindo. — Vou terminar o jantar pra gente.

— Ajuda Mari?

— Não querida a Rafaela tá me ensinando um prato hoje. — ela sorriu.

— Ah que ótimo! E o Theo Rafa, deu trabalho?

— Nada ele é um anjo Helena, você sabe, brincou dando gargalhadas com o Luan né?

— deixa eu te mostrar os vídeos amor.  — Luan disse pegando o celular.

Rafaela foi para a cozinha ajudar a sogra, e Luan me mostrava um vídeo lindo de Theo que dava lindas gargalhadas. Não tem mais fofo que meu filho.

— Esse neném da mamãe e a coisa mais lindo do mundo, né Papai?

— Vocês são as coisa mais linda desse mundo todo , amo vocês.

Theo procurava meu peito para mamar e Luan disse rindo.

— Tem neném com fome mamãe. 

— Também só mamou mamadeira hoje né filho? — Me encostei no sofá e comecei a amamentar meu filho e contei pro Luan como foi todo bazar. Depois de Theo mamar, ele arrotou e logo estava dormindo feito um anjinho. Coloquei ele no carrinho e fomos todos para mesa de jantar que estava pronto, jantamos com os sogros e Bruna contava pra todo mundo como foi o bazar, sobre as brincadeirinhas só dia, do desfile surpresa pra mim. Foi incrível!

O jantar estava maravilhoso como sempre, conta a novidade né? Marizete sempre arrasa. Após o jantar um bolo de chocolate foi servido, pensa no tanto que eu comi? Ao terminar sogra trouxe meus convites de casamentos que eu já mandaria amanhã para os meus convidados. Todos os convites tinha o nome dos próprios convidados gravados neles já, eu amei tanta criatividade do Léo! Deixei os dos sogros e logo despedimos, pois eu estava exausta por ficar o dia inteiro fora de casa. Ao chegarmos em casa liberei Rafaela e coloquei Theo no berço. Enquanto o Luan foi tomar um banho, fui conversar um pouco com Isa e depois subir para o banheiro e tomei um banho também.

Capítulo 90° — Organizando

— Bom dia Helena! — Isaura sorriu ao nos ver, desci com o Theo assim que tomei um banho e também dei um banho nele.

— Bom dia Isa! — sorrir. 

— Bom dia principezinho. — ela sorriu alisando o rosto do meu bebê.

— A babá chegou? — perguntei, e a campainha tocou.

— Deve ser ela! — ela sorriu. — vou abrir.

— Por favor Isa. — sorrir, me sentando na mesa para tomar café da manhã.

Era a babá Emanuella que ao nos ver sorriu.

— Bom dia Dra. Helena. — ela disse.

— Bom dia Emanuella, tudo bem? — sorrir. — pode me chamar só de Helena mesmo. senta e toma um café com a gente.

— Não muito obrigado, acabo de vir da padaria do condomínio. — ela sorriu. — Esse é o Theo. — ela disse com a voz doce e alisou o rostinho dele, que levou a mãozinha na mão dela.

— Sim esse é o Theo nosso bebê. — sorrir.

— Posso segurá-lo é bom que você toma seu café.

— Sim, claro. Ele acabou de mamar.

— Sim, tomarei cuidado. —ela disse enquanto pegava meu bebê e se sentou na cadeira.

— Bom Emanuella, hoje vamos ficar por aqui mesmo irei te observar durante essa semana. E bom a noite você só fica se eu precisar sair ou algo parecido, vou tomar meu café e te levar no quarto do Theo, mostrar onde fica  as coisas, pra você não ficar tão perdida. — Sorrir.

— Ótimo. Ele é tão amável!

— Ele é sim, não dar trabalho nenhum. — ouvir a campainha tocar outra vez.

— Eu atendo Lê. — Isa disse.

— EU CHEGUEI! — Léo chegou como sempre chegava fazendo a festa.

— O Luan ta dormindo não grita, ou! — ri.

— Ah esqueci que o patrão ta em casa hoje. — ele riu. — Olá Emanuella, oi amorzinho do tio! — ele beijou o rosto de Emanuella e a cabeça do Theo.

— Olá, é Léo né? — ela sorriu gentilmente.

— Isso! — ele sorriu. — Parece que Theo gostou de você.

— E isso é muito bom né?— ela disse olhando nós dois e em seguida pro Theo.

— Tome café Léo. — falei.

— Ah eu quero mesmo.

— Que dia que você não quer! — Luan descia as escadas rindo. — Por que você chega na casa das pessoas de madrugada gritando?

— Bom dia Luan, que bom você estar em casa. — ele riu. — temos coisas demais para ser resolvidas.

— Bom dia. — Luan disse ao chegar próximo da gente me deu um selinho.

Emanuella ficou sem graça ao ver que Luan desceu, aliás, ela ainda não tinha sido apresentada ao Luan. Todas as pessoas que não o conhecia pessoalmente quando o via o nervosismo tomava conta. Eu entendo ela. Quando atendi o Luan pela primeira vez naquele hospital, não sei o que passou pela minha cabeça, não imaginaria estar com ele hoje, não mesmo. 

— Bom dia amor. — sorrir. — deixa eu te apresentar a Emanuella, que irá nos ajudar com o Theo.

— Emanuella tudo bom? Prazer! — ele sorriu abraçando-a e dando um beijo no rosto dela. — espero que goste de trabalhar com a gente!

— O prazer é meu Luan! — ela sorriu ainsa sem graça. — espero passar no teste!

Nós sorrimos Luan brincou com o Theo e se sentou ao meu lado para tomar café.

— Então quer dizer que deu a louca em você Luan. — ele e Luan riram.

— Ué Léo fiz certo não fiz? 

— Claro, só nos pegou de surpresa! — ele riu. — Aliás temos que olhar o vestido essa semana Helena.

— Sim o mias rápido possível, que eu nem sei se terá que fazer.

— Faça o mais lindo do jeito que você quiser. — Luan sorriu.

— Helena será a noiva mais linda do desse mundo, aguarde Luanzin! — Léo disse.

Bom eles tomaram café e Luan conversava com Emanuella sobre o Theo, ele queria saber das experiências dela e tudo certinho. Quem via aquele Luan super sério nem imaginaria que é o mesmo que passa horas tentando irritar, fazendo gracinhas. Depois de passar algumas instruções, peguei o Theo e fui mostrar a casa para ela, mostrei cada cantinho para que quando necessitarmos da ajuda ela realizar com facilidade. Fomos ao quarto do Theo mostrei onde fica cada acessório, roupas, sapatos, os cremes, fraldas tudo que ela fosse precisar para cuidar do Theo.

— Bom posso te chamar de Manu? — perguntei.

— Claro. — ela sorriu. 

— Ótimo Manu, faremos assim e qualquer dúvida me chame ou se quiser algo fique á vontade!

— Obrigado Helena.

Ela estava se esforçando o máximo trocou as fraldas, cuidou. Depois de amamentar o Theo ele dormiu e eu o deixei no berço, ela disse que iria até a cozinha para perguntar das roupas a Isaura. Todos tinham gostado dela, e ela estava se dando bem por ser o primeiro dia dela. Logo após o almoço me sentei no sofá com Léo e Luan e começamos a pesquisar por ideias de convites, era um mais lindo que o outro e os dois tentavam me ajudar escolher. Até que falei mais ou menos como queria meu convite e Léo disse:

— Deixa eu desenhar, acho melhor e levamos na gráfica pode ser? — ele me olhou.

— Ótimo! 

Então foi o que fizemos e saiu do jeitinho que eu queria.

— Os padrinhos? —ele me olhou.

— São três pra cada né? —Luan olhou pensando. — Bom os meus serão Bruna e Breno, Caio e Larissa, Rober e Cecília.

— E os seus Helena?

— Ai, não sei!— ri. — Vamos lá, você e o Rafa, Lisa e Cauã, Thomas e Laura.

— Ah eu amei! — ele disse sorrindo. — obrigado. Olha como ficou, gostaram?

— Ficou show! — Luan disse.

— Que tal umas cores mais rústicas? — olhei os dois.

— Olha é bom hein! 

Resolvemos as cores que seria compostas no convite e estava pronto, dei ideia de antes de entregar o convite para os padrinhos entregaria uma caixinha com a cor da gravata dos meninos que cada um usaria e para as meninas uma pulseira para que usassem no dia. Um convite para ser os padrinhos e madrinhas.

— Adorei a ideia!

— Vocês são criativos. — Emanuella sorriu.

— A gente tenta. — ri.

— Pra quem estava desesperada ontem. — Luan riu.

— Ué né Luan! Você não me deu escolha.

Bom o restante do dia foi tranquilo Léo me ajudou com algumas coisinhas pro Bazar que já é semana que vem. Tínhamos que ir no local amanhã começar a arrumar tudo e isso tudo em uma hora, pois era o tempo que Theo iria estar dormindo. Vida de mamãe! Era muita coisa acumulada meu Deus! Luan a tarde foi para o estúdio resolver umas coisas com o Dudu, mas isso foi após Rober subir para tomar um café e encher o saco. Mentira! Rober era um amor, mas as vezes, rs.

Durante o dia acompanhei o primeiro dia com o Léo a babá, ela estava se saindo muito bem. O único problema para ela era só quando o Luan estava em casa, tínhamos reparado nisso. Quando deu umas seis e meia ela deu um banho no Theo e eu o amamentei, logo ela se sentou na sala com ele.

— Tem certeza que você pode ficar por mais um tempo? — perguntei.

— Claro Helena. — ela sorriu. — estou livre!

— Ótimo! Semana bem cheia, juro que não é sempre assim.

— Não mesmo. — Léo disse rindo.

A campainha tocou e chegaram todas juntas Marizete, Bruna, Larissa, mãe, Lisa e Cecília. Elas entraram todas animadas para ajudar, apresentei elas a Emanuella que ficou um pouco sem jeito, mas logo se acostumou. 

— Já se adaptando Emanuella? — Bruna perguntou.

— Hm..— ela pensou sorrindo olhando de mim para Theo. — por ser o meu primeiro dia, acho que sim.

— Isso é ótimo. — Larissa sorriu. — e então no que começamos?

— Vestido! — Léo disse. — Passei num ateliê que tem vestidos maravilhosos e quem faz os vestidos é a estilista Camila Chain é perfeita pra noiva super detalhista que aliás, sabemos que você é Helena! Além do estilo elegante dos vestidos, ela é preocupada com os mínimos detalhes, como o forro do vestido e tudo! Passei nessa ateliê e são lindos!

— Deixa eu ver a revista! — Pedi.

— Os convites? — Marizete perguntou. 

— Léo mandou pra gráfica ontem mesmo. — sorrir. — ficou lindo gente, nós mesmo criamos.

— Deixa eu ver. — Bruna pediu.

Enquanto Léo mostrava á elas o convite, estava apreciando os vestidos um mais lindo que o outro. 

— Eu preciso ir nesse Ateliê! — disse.

— E nós vamos. — Léo disse.

— Decoração filha? — minha mãe olhou. 

— Ai mãe queria algo mais simples, mas algo muito bonito. Flores brancas, copo de leite talvez? — olhei para elas.

— Helena decoração da festa e igreja deixa comigo e sua mãe. — Marizete sorriu. — pode ser Amélia?

— Pode! — ela sorriu. — Confia na gente!

— Sempre. — sorrir.

— O que será servido na festa? — Bruna perguntou e a porta se abriu.

— Pensei no Paris6. — Luan disse ao passar pela porta com Rober. — Tem pratos maravilhosos, salgadinhos, sobremesas. Quanta mulher nessa casa, mamusca! — Lascou um beijo na bochecha da mãe abraçando-a.

— Oi meu filho, tudo bem? — ela o abraçou.

— Bem demais. Oi sogra! — ele foi puxar o saco da minha mãe como sempre fazia.

— Oi meu genro querido, deu a louca? — ela riu. — Amei viu?

— Ô sogrinha tô loco pra casar logo com essa muié! — Luan riu.

— Oi gente boa noite! — Rober sorriu.

Depois de cumprimentar os meninos Luan pegou o telefone  e ligou para Isaac Azar para conversar com ele, escutei Luan dizendo para que ele mandasse os nomes dos pratos no e-mail para que pudéssemos escolher alguns. 

 

Capítulo 89° — Deu a louca

  Ao chegar em casa o cheiro do jantar que Isaura estava preparando estava divino! Como pode ser tão puxa saco do Luan assim? E ela realmente era demais! E o Luan quase que não gosta né? Passei na cozinha cumprimentando-a e subir para dar um banho no Theo. Assim que terminei, dei mamar e ele acabou dormindo, aliás nem dormiu o dia todo, só ficou brincando no colo dos avós. Meu coração cortava de dor com ele resmungando por causa das dores que ele estava sentindo. Ao deixar ele no berço fui tomar um banho, antes do Luan chegar.

  Demorei quase nada no banheiro, quando sair fui surpreendida por Luan entrando no quarto jogando a mochila pro lado do quarto.

— Boa noite meu amor. — disse e ele me olhou, deu um meio sorriso.

— Boa noite princesa. — veio até mim, selou nossos lábios. Algo ele tinha.

— Está tudo bem?

— Aham, é só cansaço. — ele disse enquanto tirava os sapatos. — vou tomar um banho, tenho uma coisa pra te mostrar. 

— Coisa boa?

— É sim. — ele sorriu. — Ei não fica preocupada comigo é só o cansaço mesmo. — me beijou outra vez. — Tá tudo bem com você e o Theo? Não vi ele cadê?

— No quarto amor, bom eu estou bem. — disse. — Theo anda sentindo muita cólica. — disse enquanto me vestia e Luan que ia entrando no banheiro. — Então dormir não estou dormindo. — risos. — mas é normal.

— Certeza? Porque não me ligou Le?

— Não era necessário Luan, é apenas cólicas é normal bebê ter. — disse. — estou fazendo massagens na barriguinha dele sabe? Ajuda bastante.

Acabei de me vestir, olhei pro Luan ele veio até mim. 

— Por isso está com essa carinha tão cansada. — ele veio passando os dedos sobre minhas olheiras. 

— Não mais que você, pode ter certeza. — disse, estava com tanta saudades dele, tanta saudade do seu abraço.

— Não venha querer comparar e dizer que estou mais cansado que você. — Luan disse me olhando sério. — Sei o quanto é difícil cuidar de um bebê ainda mais que tem que ser uma atenção dobrada, mas com a babá isso vai se resolver.

— Mas eu não quero deixar tudo por conta de babá não Luan. — disse. — Eu enquanto eu puder eu quero poder cuidar do Theo!

— Eu sei meu amor, isso é claro. — Luan sorriu e me abraçou. — você é uma mãezona, sei que não deixará isso acontecer.

O abracei tão forte que se eu fosse um pouquinho mais forte, talvez quebrasse o Luan. Ele alisava minhas costas e beijou minha testa.

— Eu te amo muito, tá? Senti tanta sua falta.

— Eu também senti todos os dias. Eu amo você.

Então ele me beijou, agora sim um beijo de muita saudade, amor, cumplicidade o que eu queria desde o momento que vi ele entrando no quarto. Ele finalizou aquele longo beijo com vários selinhos, e dizendo eu amo você.

— Vou tomar um banho pra jantarmos, que o cheiro está maravilhoso e pra conversarmos tá?

Ele sorriu e eu concordei. Ele entrou pro banho e eu fui pro quarto do Theo me sentei lá e fiquei namorando meu filho dormir, ainda com alguns resmunguinhos, mas menos do que antes. Ali fiquei até Luan vir ver o filho.

— Como meu garotão tá gordinho e crescendo. — Luan disse baixinho ao parar do lado do berço, alisou o rosto do filho.

— Ele tá né amor? — sorrir, e continuei sentada no mesmo lugar observando a semelhança entre os dois. — mas também é como o pai dele, só mama e dorme. — brinquei.

— Ei! — ele riu baixo para não acordar. — Ele ta dormindo tão profundamente.

— Isso se chama cansaço brincou com seus pais hoje o dia todinho, soltando sorrisinhos você tinha que ver!

— Vem! — ele me puxou pela mão e saímos do quarto. — como foi seu dia hoje?

— Foi muito bom fiquei com seus pais, conversamos, precisava sair um pouquinho de casa. — ri. — e agora estou ótima, já que você voltou!

— Você tem que passear mesmo, tentar ir na sua mãe também. — ele falou.

— Com a babá será mais fácil fazer esses passeios. — disse. — sozinha é complicado.

— Eu sei. — ele disse, enquanto se sentou na mesa onde o jantar já nos esperava.

— Boa noite Luan! — Isaura sorriu, enquanto colocava o suco sobre a mesa.

— Boa noite Isaurinha, o cheiro está divino!

— Bom espero que vocês gostem, bom vou estar lá dentro, qualquer coisa me chamem tá? Bom jantar pra vocês.

— Obrigado. — respondemos juntos.

— Bom o que você tem pra me falar. — perguntei animada.

— Bom amor então… — ele disse sem jeito. — é que cê sabe que eu te amo demais né?

— O que você aprontou? — o olhei.

— Nossa Helena, credo! — ele me olhou fazendo um bico.

— Uai! — rindo. — então fala logo.

Ele riu e foi tirando do bolso da bermuda um papel e me entregou sorrindo, eu peguei rápido e o desdobrei. Quando passei o olho sobre o que dizia no papel, eu o olhei, ele me olhava apreensivo ele sorria com medo do que eu poderia responder.

— Vo … Você marcou o casamento? — eu o olhei.

— É… — ele disse parecia ter medo de eu pegar um copo e tacar nele. — Tem algum problema? 

— Não Luan, mas você marcou para daqui um mês e meio e não temos nada planejado ainda, vestido, decoração, padrinhos, tudo. — disse começando a me desesperar.

— Ah, mas a gente olha isso direitinho amor, podemos começar essa semana, você e as meninas vão olhar o vestido e a decoração. As bebidas, comidas.

— Os convites?

— Nossa tem isso! — Ele riu.

— Luan a cada dia que passa tenho a certeza que você é louco.

— Por você sem dúvidas. — ele sorriu. — Ei, vamos olhar tudo amanhã, sairemos pra olhar isso, já chama a Bruna e a Cecília e o Léo.

— Luan você é doido amor!

— Mas você quer?

— É claro que sim, aliás, seu já te disse sim há tempos. — ri. — só não sei se dará tempo de arrumar festa, convite, lua de mel sem chances sem o Theo. — disse.

— Tem como sim! — ele disse. — uai e a babá?

— Legal vamos pra Lua de Mel eu, você, Theo e a babá que lindo! — ri.

— Ai amor isso a gente resolve depois. — ele riu, e continuamos comendo e falando sobre a data que ele havia escolhido. 

Dia 12 de Dezembro era a data escolhida, o que aquele menino tinha na cabeça? Estávamos no mês de outubro e tínhamos muito o que pensar agora. Depois do jantar Luan disse que ia pegar o filho que estava chorando, eu ajudei a Isaura a retirar toda mesa de jantar e contei pra ela sobre o casamento. A felicidade dela era algo fora do comum. Ela disse que iria me ajudar em tudo que fosse preciso, em qualquer momento. 

Ao terminarmos de arrumar a cozinha, Isaura foi descansar e eu fui pro quarto onde Luan brincava com o Theo. Falando com aquela voz que falamos com bebê. Não tem jeito, sempre usaremos ela.

— Oi mamãe, você nem dormiu direito filho. — alisei seu rostinho.

— Troquei a fraldinha dele amor. — Luan sorriu.

— Sem nenhum brinde?

— Sem nenhum brinde dessa vez. — ele riu.

Liguei a TV e me sentei do lado deles na cama, peguei meu celular e montei um grupo com o seguinte nome DEU A LOUCA NO LUAN. Nele estavam Bruna, Lisa, Cecília, Larissa, Marizete, Léo, mãe.

Então mandei a seguinte mensagem antes que elas mandassem algo, que realmente já não estavam entendendo nada.

— Ou elas vão pensar que eu fiz algo com você com o nome desse grupo. — ele riu olhando o meu celular.

— Vou explicar. — ri.

Luan voltou hoje de viagem como vocês sabem, dizendo que tinha algo muito importante para conversar comigo. Bom na hora do jantar ele me entregou um papel que consta a data de 12 de dezembro desse ano, uma data marcada pro nosso casamento. Como vocês sabem ele é louco e nem pensou em tudo que temos que arrumar, convites, festa, vestido, decoração, Lua de Mel e entre outras coisas. Vocês serão minha salvação! Então estou marcando com vocês amanhã aqui em casa às 19h para me ajudar a decidir. Tenho algumas ideias em mente, mas preciso muito da ajuda de vocês. Beijo, aguardo! 

Todas foram respondendo super animadas, achando o máximo, dizendo que Luan era maravilhoso que amava surpreender. Todos puxavam real o saco do Luan, mas ele é tão perfeito que nem tem como não puxar, meu Deus! 

— Amor, o que elas disseram?

— Amaram né? — sorrir. — Vão vir todas amanhã às 19h.

— Ótimo, vou estar presente, irei ajudar!

— Mas é claro que vai. — disse séria.

— Linda, eu amo você. Tira uma foto minha e do Theo, preciso postar.

Tirei uma foto tão linda e ele postou, enquanto eu brincava com o Theo que já formava um biquinho.

@luansantana: Tem coisas que o coração só fala para quem sabe escutar. 💗 @helenamitchell

@luanjo: Um paizão desse e um príncipe 💗

@luanamormeu: EU AMO MUITO 💗💗

@luanego: meu Deus quanta perfeição.

@helenaprincesa: Ah que lindos! Faltou a mamãe.

@roberlelis: Aeee macaco matou a saudade né? Haha 💗

@brusantanareal: 💗 

 

Capítulo 88° — O fim de semana

   No outro dia acordei cedo com o choro do Theo, que já havia chorado quase a noite toda com cólica deixei ele na minha cama a noite inteira. Léo disse que me abandonaria por esse fim de semana e Isaura ficaria com a gente. 

— Helena bom dia! —  Léo entrou no quarto. —  dormiu bem?

— Na verdade? — ri. — nem um pouquinho, o bebê ta com dor.

— Temos que levá-lo pro hospital?

— Não, tá tudo bem. — sorrir. — é apenas cólica! 

— Esqueço que você é médica ás vezes. — ele riu. — você quer ajuda?

— Não vai se trocar para tomarmos café. — sorrir. — vou dar um banho no Theo.

Ele assentiu e saiu do quarto, primeiro resolvi amamentá-lo. Liguei a TV e enquanto amamentava o meu bebê ele me olhava fixamente. 

— Mamãe vai cuidar de você meu anjinho. — beijei sua cabeça.

— Helena licença. — Isaura disse batendo na porta.

— Entra Isa, bom dia! — Sorrir.

— Bom dia! Luan ligou mais há pouco querendo falar com você, pediu que assim que acordasse, se você poderia ligar.

— Ele disse algo a mais? 

— Nada Lê. — ela sorriu.

— Muito obrigado Isa, já desço pro café. 

E então enquanto ainda Theo mamava liguei para Luan. Quem atendeu não foi ele.

— Oi Helena! — Rober disse do outro lado.

— Oi Rober, tudo bem?

— Tudo e vocês?

— Estamos bem. Luan ta por aí?

— Ele está gravando um comercial pra jequiti.

— AH! foi que ele pediu para eu ligar assim que eu acordasse, será…

— Calma ele está vindo. — ele disse. — Tchau Lê!

— Tchau Rob, obrigado!

Esperei por um tempinho e então ouvir a voz dele.

— Oi minha linda, bom dia!

— Bom dia meu amor, tudo bem? — sorrir, que saudades que eu estava.

— Eu estou e você? Theozin?

— Estamos bem e mortos de saudades. — ri.

— Ai não fala que eu também tô. — ele disse.

— Isa falou que você pediu pra te ligar, estranhei você acordado tão cedo. 

— Ei! — ele riu. — realmente eu não queria ter acordado tão cedo, mas fui obrigado.

— Pelo menos não está de mau humor. — ri, Theo não queria mais mamar, levantei para que ele arrotasse.

— E a babá? — ele perguntou.

— Não vai te atrasar?

— Intervalo de quinze minutos.

— Ótimo, bom vieram quatro. — disse. — dessas quatro gostamos de duas, uma é enfermeira e a outra psicologa.

— Bonita?

— Af LUAN! — disse e Theo deu um pulo no meu colo e começou a chorar.

Ele ria do outro lado da linha.

— Oiá aí você assustando meu filho. — ria. — você é boba demais Helena!

— Não sou boba não, você vem com gracinha pra você ver!

— Te amo ciumenta mais linda da minha vida.

— Aiai, então… — segurei o riso. — na semana que vem virá a Emanuella vermos quem se adapta mais ao cargo, e na outra semana a Rafaela. Achei melhor assim, pois você estará com a gente durante a semana e também opinará.

— Fez certo. Amanhã vou pra casa logo quando acabar o show. Nos vemos a noite!

— Que maravilha, já estou com saudades amorzinho.

— Eu também, olha vou voltar a gravar o comercial, depois te ligo, te amo meu amor. Da um beijinho no Theo.

— Vai lá, pode deixar meu bem. Com Deus, beijo, te amo!

Fui pro quarto do Theo dei um banho nele rapidinho, vestir meu bebê e me troquei vestindo um shorts jeans, uma blusa e desci para tomar café.

— É café da manhã ou almoço? — Léo me olhou enquanto mexia no celular, e a outra mão uma xícara de café.

— Luan ligou, sorry! — ri, colocando Theo no carrinho e me sentei de frente pro Léo.

Tomamos nosso café da manhã conversas e risadas era liberado com o Léo. E ele tinha novidades!

— Daqui quinze dias adivinha só que esta com data marcada?

— O que?

— O Bazar meu amor! E ganhamos mais de duas mil peças novinhas de lojas.

— Ah meu Deus! — sorrir. — vamos conseguir muitas arrecadações, já pensei para onde irá todo esse dinheiro.

— Onde?

— Para as crianças de um instituto do câncer que temos em SP. — disse feliz. — eles estão precisando tanto no momento!

— Que maravilha! — ele sorriu. — olha já passei tudo pro Cauã ele disse que virá aqui na segunda, e daqui três semanas teremos o bazar.

— Bruna quer ajudar!

— Óbvio, ela vai mesmo. — ele riu. — já ligou para a babá.

— Vou ligar agora. — disse pegando o celular, Theo resmungou no carrinho.

Léo ficou brincando com o bebê.

— Alô? Emanuella? Oi, sou eu Helena tudo bem?… Ah que ótimo! Bom eu estou te ligando pra saber se você tem disponibilidade para vir fazer um teste com a gente durante semana que vem inteira… Ah, maravilha!… Te aguardo segunda-feira de manhã… Obrigado, tchau!

— Vem?

— Aham. E você vai onde?

— Que dia?

— Hoje?

— Rafa me chamou para passarmos o fim de semana numa pousada.

 — Ah que delícia! — disse. 

— Sim estou mega animado! Mas triste por deixar vocês dois sozinhos.

— Daqui a pouco tia Larissa vem ficar com a gente. — sorrir. — e também temos a Isa.

— Você sabe que eu cuido delas Léo! — ela sorriu. — só volte semana que vem pra ajudar na escolha da babá, todos temos que estar presentes. 

— Sim verdade, ele tem que tá aqui segunda. Nem é louco!

— Mas Luan estará em casa. — ele riu.

— Não precisa vir todos os dias da semana migo, mas tem que me ajudar a escolher a melhor. — sorrir.

— Ótimo, estarei aqui. — ele sorriu, beijou a cabeça do Theo. — beijo pra vocês, fiquem com Deus, e até semana que vem.

— Beijo, e juízo hein! 

— É o que mais tenho! 

Eu ri e ele seguiu indo pra fora do apartamento. Terminei de tomar meu café, e que saudade me deu de trabalhar no hospital ao ver as fotos dos meus amigos logo cedo. Subir pro terraço com o Theo para tomarmos um banho de sol pela manhã.  Fiquei uns minutinhos e logo entramos e Theo dormiu de novo.

— Tem alguém nessa casa? — Larissa chegou com a mochila nas mãos. — a tia chegou!

— Shiu! — Disse rindo. — não faça barulho tia Lari!

— Ah que pena que ele dormiu. — saímos do quarto do Theo e nos abraçamos. — como você está?

— Estou bem, e você?

— Cansada cheguei essa madrugada bem morta. — ela riu.

— Então vai tomar um banho e descansar, enquanto o almoço não fica pronto.

— Ai eu posso?

— Claro né Larissa. — ela riu. — Vem! — a puxei para o quarto de hospedes. — toma um banho e descansa, eu vou estar lá em baixo junto com a Isa.

— Obrigado Lê.

Desci depois que deixei os dois no quarto fui ajudar a Isaura, pois eu já não aguentava mais não fazer nada.

— Deixa que eu lavo essas louças, se não eu irei ficar louca. — ri.

— Não Helena, eu lavo.

— Isa eu estou sem nada pra fazer o Theo dormiu.

— Vai conversar com Larissa, ela chegou.

— Eu vi, mas chegou cansada e foi descansar. — ri. — não adianta irei te ajudar! 

Ela se deu por vencida e começou a preparar o almoço depois de colocar as roupas para lavar. Conversamos sobre muitas coisas, sobre o Luan, Theo. Isa também contou de seus filhos que hoje já são casados. Meu celular logo tocou e dessa vez era Lisa.

— Oi que falta faz você, será que você não pode trazer o Theo e voltar a trabalhar?

— Ô Lisa, não faz isso que eu já estou morta de saudades de vocês, das minhas cirurgias. — ri. — Vamos marcar um dia pra vocês vir pra cá e a gente fazer umas coisinhas pra comer, beber.

— Acho bom hein! — ela disse animada. — vamos marcar sim!

— Ótimo sexta-feira da semana que vem o que acha?

— Bom demais, vou avisar a galera. Ah! E como você está, o Theo e o Luan?

— Estamos bem graças a Deus, Theo é um anjo!

— Ele é mesmo. — ela disse rindo. — olha estou indo almoçar, pois minha agendar está lotada depois do almoço. Beijo!

— Beijo, bom trabalho!

 

 — Oi mamãe olha quem acordou! — Larissa veio com Theo nos braços. — acabei de trocar a fralda ta?

— Ótimo, obrigado. Oi meu amorzinho! — disse.

— O almoço está quase pronto. — Isa disse.

— Enquanto isso vou amamentar o Theo e aí almoçamos Lari.

— Ok! E o Luan?

— Amanhã ta aqui. — disse. — Segunda vem uma das babás.

— Já escolheu?

— Ficamos entre duas, uma semana de teste para cada uma.

— Isso é bom. 

— Sim, você sabe como sou desconfiada né Lari?

— Ó se sei! — ela riu ligando a TV. — mas a mulher já é mais velha.

— Uma tem 29 e a outra 38. — disse. — com ajuda da Mari e do Léo escolhemos as duas.

— Hm, quero até ver quem é… — ela fez uma careta.

Eu ri.

  Após Theo mamar o almoço ficou pronto logo em seguida. Me sentei na sala de jatar com Larissa e almoçamos, conversando, ela contando como estava com a carreira dos meninos. Contando também que as vezes tinha ciúmes dos fãs do Caio, que algumas exageravam. Disso eu também tinha alguns problemas, prefiro até ignorar para não ficar pensando sobre.

  O fim de semana com Larissa e meus pais que vieram nos ver foi delicioso. Theo chorou bastante na madrugada de sábado para domingo com cólicas, passei a noite quase toda acordada. No domingo fui para casa da Marizete que nos chamou para o almoço. Hoje como Luan teria show a tarde em Santa Catarina ele chegaria a noite, pedi Isaura que preparasse um jantar para que ele comesse, que com certeza chegaria com fome e cansado.

— Mari obrigado pelo dia maravilhoso que passamos aqui hoje. — sorrir. — mas já vamos, o Theo está tão chatinho por conta das cólicas.

— Ô Helena você está tão cansada minha linda, você não quer que eu vou com vocês hoje, aí você dorme.

— Não Mari, não é necessário. Aliás, sou eu quem vai ter que amamentar de todo jeito. — sorrir em forma de agradecimento. — Essa noite ele vai ficar mais calminho, se Deus quiser. — beijei meu pequeno.

— Quer carona Lena? — Bruna me olhou toda arrumada. — Estou indo na casa do Breno, te deixo em casa.

— Eu quero Bru. — sorrir. — Bom Mari, beijo fica com Deus. Te espero lá, amanhã a babá vai.

— Vou ver se apareço por lá amanhã, nem que seja pelo menos um pouco.

— OK! — sorrir. — Tchau Amarildo, depois aparece lá.

— Pode deixar Helena! Deixa eu dar um beijo no neném do vovô. 

Nos despedimos e fomos no carro da Bruna que nos deixou na porta do prédio, e seguiu seu caminho até a casa do namorado.