Capítulo 78° — Vem Théo!

Ao entrar na sala confetes foram jogados pro alto, tinha uma faixa escrito. VAMOS SENTIR SUA FALTA HELENA, BOA SORTE! #VEMTHEO! Eu sorria surpresa com todo amor sobre mim, na sala estava Lisa, Thomas, Laura, Heitor, Valentina, Leonan, Carlos Eduardo, chefe Hernandez, meus residentes e minha mãe também estava.

— Eu não acredito! — foi a primeira coisa que eu falei.

— Não poderíamos deixar de fazer uma festinha de despedida e chá de bebê pro Theozinho né amiga? — Laura sorriu e me abraçou.

— Ah! Traz o Theo quando ele nascer e trabalha com a gente. — Lisa fez um bico enorme, me abraçando também.  

— O meus amores se pudesse! — eu ri. — Tô feliz demais, obrigado de verdade a todos vocês! 

A decoração tinha vários bebês pelas paredes, um bolo de fralda a decoração toda fofa. Alguns balões de ar azuis amarrados pela sala, docinhos, salgados, sanduichinhos. Sucos, refrigerantes. Num canto tinha algumas fraldas, roupinhas, presentinho para o Theo. Abracei todos ali dentro agradecendo a cada um pela linda surpresa. Eu e Léo como havíamos acabado de tomar café não comemos tanto, até por que logo estaria no horário de almoço. E se eu trocasse o almoço por salgadinhos seria uma pessoa xingada.

— Helena, você é muito querida nesse hospital. Estaremos te esperando quando acabar sua licença maternidade. Você é uma profissional é tanto! Tantos pacientes já vieram aqui atras de você só nessa semana que você saiu, procurando por você. Isso é gratificante, você é espelho para seus residentes.. — Hernandez apontou meus residentes. — que eles tornem profissionais assim como você!

— Obrigado Hernandez! É com muita felicidade que vou saindo de licença para ganhar meu bebê. Mas com um aperto no peito em sair por alguns meses e deixar todos vocês, que aliás, vou sentir saudades! Mas é por uma boa razão, quanto menos esperarmos estarei de volta. Obrigado, obrigado mais uma vez. E vocês! — apontei meus residentes. — Não me decepcionem hein!

— Nunca Dra Helena! — todos cinco vieram me abraçar.

Depois de um tempinho ali com eles, alguns voltaram aos trabalhos. Carlos Eduardo antes de ir se despediu. Despedir de todos os meus amigos que logo veria, ainda mais que iriam nos visitar em casa. 

Minha mãe, Lisa e Léo pegaram as coisinhas que eu havia ganhado e levamos tudo para o carro. Agradeci eles pela ajuda, e junto com o Léo entramos no carro voltando pro Alphaville.

No caminho postei foto com alguns que tinham tirado.

@helenamitchell: Olha só a linda surpresa que ganhei dessa família linda no hospital! Muito amor por todos vocês, o Theozinho já ama cada um. Muito obrigado aos meus amigos, chefes, residentes por toda calma que tiveram com a gente durante esses meses. Logo estarei de volta pra trabalharmos juntos como sempre fazemos. Amo muito vocês! #chadebebesupresa #amigosdoTheo #amomuito 💗🤰🏼🙌🏻

Ao chegarmos em casa entramos com todos presentes colocando no sofá.

— Vocês demoraram.

— Isaurinha ganhei um chá de bebê surpresa lá. — sorrir. 

— Ah que lindo Helena, você merece.

— Luan ligou pra vocês dois e não conseguiu falar.

— Sério? — Léo olhou o celular dele, tinham duas ligações.

Peguei o meu olhando tinham três, já discando o número e ligando pro meu menino.

 — Oi Helena, tá tudo bem? Onde você estava?

— Oi amor desculpa não ter atendido, a gente foi no hospital acabou se entretendo com o chá de bebê surpresa que fizeram lá e nem vimos o celular tocar. Estamos bem e você?

— Agora melhor, não precisa se desculpar meu amor. Isaura me disse que cê tinha ido lá buscar suas coisas. Mas que legal, ganhou mais presentes?

— Sim, roupinhas, fraldas. — sorrir.

— Que legal amor. Tô vendo se amanhã depois do show vou pra casa ficar com vocês.

— Vem sim, tô com saudade. — sorrir. — Mais tarde vou lá na sua mãe.

— Isso vai sim, ela ama quando você vai lá. 

— Tudo bem… quando você quiser ligar pode tá? Celular vai tá perto.

— Tá bom, beijo e eu amo você.

— Também, beijo, com Deus.

Ele desligou.

— O almoço está pronto! — Isaura disse.

— Obrigado Isa. — sorrir. — vamos almoçar Léo!

— Estou indo Lena! — ele disse e continuou a conversar no celular.

Fui até a sala de jantar me sentei e como sempre o almoço estava divino, me servi um pouco de cada e comecei almoçar antes de Léo. 

— Essa barriguda nem me espera! — ele disse fazendo eu e Isaura rimos.

— Ué, eu te chamei. — disse. — Barriguda até uns dias, tá meu anjo?

— Você sabe que você ta linda assim! — ele disse.

— Tô mesmo né? — disse. — ai, vou sentir saudades!

— Terá muitas fotos de recordação Lena. 

— Sim na verdade é o que mais tem. 

— Deixa eu te contar a novidade que demorou, mas saiu. — ele disse animado.

— Conte!

— O bazar da Helena, vai rolar! — ele disse animado.

— Ah, jura? — sorrir animada.

— Sim, era isso que estava conversando no celular. Como você vai entrar de resguarda, combinei o seguinte… depois que o Théo nascer, passar dois meses a gente faz. Pro final de novembro começo de dezembro. 

— Ótimo! Mas será onde? 

— Conseguir junto com Cauã um espaço no Shopping JK Iguatemi. 

— Hm! Amei. 

— Bom vamos reunir depois para resolvermos tudo direitinho. — sorrir. 

— Ótimo.

Terminamos nosso almoço nos deitamos no sofá e começamos a conversar, até que dei ideia de arrumar minha mala e a mala de Theo para irmos para o hospital. Ele amou, claro! Me ajudou escolher algumas roupinhas para Theo e as minhas também. Depois de pronto me deitei um pouco para descansar e acabei adormecendo.

(…)

Larissa on.

— Léo cadê Helena? — entrei no apartamento da Helena

— Está dormindo Lari. — ele disse.

— Tem muito tempo?

— Desde às três. — ele riu. — senta aí, logo ela acorda. — é urgente?

— Não, eu só passei mesmo pra ver ela.  — sentei.

— Oi Larissa, aceita alguma coisa. Água, suco, café? — Isaura veio lá de fora.

— Um suco Isaura! — sorrir.

— Já trago!

— Luan tá a quanto tempo fora?

— Duas semanas.

— Deve ta doido querendo ficar pelo da Lê! Ainda mais por agora, que Theo pode nascer a qualquer momento!

— Sim, ele liga de minuto em minuto. — Léo riu. — brincadeira! Eles serão ótimos como pais.

— Não tenho dúvida. — sorrir. — Helena sempre sonhou em ser mãe, e Luan também em ser pai. Esse menino será muito mimado,  tem gente demais que já quer!

— Ai vou mimá-lo mesmo!

Larissa of.

Nossa como eu dormir, meu Deus! Já eram cinco e meia da tarde, me levantei tomei um banho, pois quero ir na casa da sogra passear um pouquinho. Me arrumei e ao sair do quarto escutei vozes vindo da sala. Uma delas era da Larissa, que saudade da minha irmãzinha. Enquanto eu descia a escada Léo dizia que iria mimar alguém, já imagino que seria o Théo. Iriam estragar meu filho disso eu não teria dúvidas!

— Via mimar quem? — perguntei enquanto descia a escada.

— O nosso pequeno Theo! — Larissa falou. — Olá dorminhoca!

— Olá Lari! — abracei. — vocês vão estragar meu filho!

— Isso o pai dele já vai fazer, eu só vou ajudar. — Léo riu.

— Preparei um lanche da tarde bem gostoso pra vocês! — Isaura nos chamou.

— Você ta bem com Isaura aqui hein!

— E você com a Célia meu amor. — eu ri.

— Só sei que eu amo comer. — Léo disse rindo.

Tomei café com os dois onde era só gargalhada nada mais. Eles me fazia um bem tão grande ao ficarem comigo, após tomarmos café Larissa ainda ficou por mais um tempo, mas disse que tinha que ir, os meninos tinham algumas fotos para uma revista. 

— Léo! Vou na casa da sogra, você quer ir?

— Tem alguma possibilidade de eu deixar você ir sozinha? — ele me olhou se levantando. — espera vou pegar um casaco.

Queria ir andando, mas Léo ficou na preguiça e pegamos meu carro que ele foi dirigindo. Ao chegarmos na porta da casa dos pais de Luan encontrei Amarildo que chegava com certeza do escritório. Ele descia do carro.

— Helena, minha nora que bom que você veio.

— Amarildo. — sorrir, o abracei. — vim ver vocês!

— Fez bem! Oi Léo!

— Oi Amarildo. — Léo se juntou com a gente e fomos entrando e Amarildo me falava que Luan ligava todos os dias perguntando sobre mim, por isso que Marizete me ligava todos os dias.

— Não é diferente comigo também não. — Léo riu. — mas ele ta fora há duas semanas, é realmente bem puxado né?

— E como, Helena sabe como Luan é.

— Não acredito, minha norinha veio! — Marizete veio me abraçar.

— Oi sogrinha, vim passear um pouco!

— Fez bem. Como vocês estão? Oi Léo!

— Oi Zetinha! — Ele disse.

— Estamos bem. Léo ta cuidando bem da gente!

— Sei que sim! Vocês vieram pra jantar né? — Sogra sorriu. — diz que sim Lena!

— Vamos ficar. — sorrir. — ai Mari tô com saudade do Luan!

— Eu também minha filha, duas semanas já né?

— Aham. — disse. 

— Que tal aparecermos no show de amanhã de surpresa! — Amarildo sugeriu.

— Vamos! — disse animada.

— Eu animo é claro. — Marizete disse animada como eu.

— Ótimo nós vamos! Amanhã o show é em Jaú, quarenta minutos daqui. — Amarildo disse rindo.

— Por isso que ele disse que amanhã depois do show iria pra casa. — sorrir.

Fiquei conversando com eles por um tempo, depois fui ajudar Marizete a preparar o jantar. Alguns minutos mais tarde Bruna chegou.

— Ah, quando vi seu carro na porta dei o grito! — ela entrou rindo na cozinha.

— Louca ela é! — Léo riu. 

— Oi Leonardo, tudo bom lindo?

— Bru, vim ver vocês sair de casa também é bom né?

— Tem que sair mesmo, passear, levar Theozinho mesmo dentro da barriga pra passear.

Ela disse que iria subir e tomar um banho para voltar e conversarmos. Continuei ajudando a Marizete, mas logo meu celular tocou novamente. Sorrir antes mesmo de atender e Léo disse.

— É amoooor! — Gritou rindo.

 

Capítulo 77º — Último mês 

— Me diz como foi sua semana com o Léo? — ele disse colocando o celular de lado, e olhou pra mim alisando meu rosto.

— Léo um amorzinho né Luan. — ri. — me faz rir o tempo inteiro, toda hora vem com alguma coisa pra eu comer, na noite que você não me ligou quase coloquei ele louco, coitado! 

— Ah eu imagino. — ele riu. — isso é ótimo que ele esteja cuidando de você direitinho, assim posso ir fazer meus shows tranquilo. Enquanto aquele dia me desculpe princesa, foi tão corrido que quando me lembrei foi na hora que o Testa me entregou o celular.

— Não tem problema amor, o importante é que você estava bem. — beijei seu rosto.

— E o enxoval? 

— Luan cada coisa mais fofinha que o outro, você irá amar o conjuntinho do timão. — eu contava pra ele animada, como tinha sido no shopping e enquanto eu ia falando ele dava gargalhadas. Ele disse que nós iríamos ser expulsos do shopping. E era verdade, do jeito que aqueles três gritavam e faziam bagunça dentro das lojas, eu juro que fiquei com medo. 

— E os shows como foram? — eu perguntei e ele começou a contar todos os detalhes dos shows do fim de semana. Contou a história de alguns fãs, de algumas loucuras que sempre tinham. Eu prestava atenção em cada detalhe dele, enquanto ele explicava, a forma o jeito dele falar, gesticulando com as mãos tentando explicar era engraçado e fofo ao mesmo tempo. 

Enquanto ele ia dizendo e eu só concordando, eu parei pra prestar atenção nele. Seu rosto, seus olhos, lábios, cabelo, o jeito dele me olhar. É tão grande o que eu sinto por ele que eu não sabia explicar, poder estar perto dele toda vez que ele voltava de deus shows e ouvir ele contar tudo, todas novidades, ideias loucas que surgiam dentro daquela cabecinha. Da felicidade que ele sentia ao falar do Theozinho nos shows, ele contou que havia cartazes até pro nosso menino.

— Que lindo! O que dizia? — sorrir.

— Dizia: vem logo Theo estamos loucas pra te conhecer! — ele sorriu. — o neném do papai já é amado antes mesmo de vir ao mundo. — ele dizia com uma voz fofa, colocando minha barriga à mostra. — esse neném vai ser um garanhão das muie.

— Opa. — eu disse.

— Eita vamos com calma que a mamãe linda, é bem ciumenta. — ele gargalhou e eu junto, logo nossos lábios se aproximaram ainda com um sorriso e nos beijamos. — Te amo.

— Eu também te amo muito Luan.

•••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••••

Já estava no meu último mês de gestação enorme de tão gorda. Meus pés pareciam dois pães de tão gordinhos que estavam. Durante todo o restante da gravidez fiz alguns ensaios a trabalho, outros juntos com o Luan para guardar de recordação e quando Theo fosse maiorzinho a gente mostrar. 

Junto de Luan fizemos uma pequena entrevista com Isaura a moça que passou a trabalhar aqui em casa. Pensa numa mulher fofa? Ela era uma mulher de 48 anos, casada, três filhos. E há três meses estava com a gente, mesmo com ela entrando me ajudando com a casa e cozinhando pedi Luan que Léo permanecesse comigo.  Isaura ela nos tratava cheio de mimos, e além de cozinhar super bem também me ensinou vários pratos. 

Hoje quatro de setembro, tinha que ir até o hospital pegar minhas coisas. Luan disse para Léo não me deixar ir sozinha e ele então no meu pé ficou.

Acordei às dez da manhã com uma preguiça fora do normal, a barriga já pesava bastante, costas doíam, se eu não tivesse grávida poderia dizer que a velhice precoce havia chegado. Tomei um banho bem tranquilamente, coloquei um vestido longo azul turquesa, uma rasteirinha no pé. Me analisei no espelho soltando o meu longo cabelo loiro, que estava divino! Bem que dizeram que na gravidez o cabelo fica bom, o rosto. Eu estava me amando grávida, depois que Theo nascesse com certeza iria sentir falta da barriga, aliás, são nove meses.

Luan estava há uma semana fora de casa, viajando pelos shows, gravando programas de televisão, indo em rádios para entrevista, acústicos. E a saudade do meu amor já estava enorme. Ele me ligava todos os dias como sempre. 

Enquanto colocava meu celular na bolsa, dois toques na porta e ela foi aberta.

— Bom dia gravidinha mais linda do BR! — Léo como todas as manhãs acordava com auto estima lá em cima, nada colocava essa criatura para baixo. E eu amava isso nele, em momento nenhum ele me deixava ficar chateada ou algo parecido.

— Bom dia meu bem. — sorrir, abraçando ele. — tudo pronto?

— Pro nosso café da manhã sim. — ele sorriu. — e você pronta?

— Aham. — disse pegando minha bolsa e ele foi do meu lado contando alguns babados que ele havia visto na internet.

Ao chegarmos na mesa de café da manhã que Isaura tinha preparado me sentei e sorrir para ela.

— Bom dia Isaurinha! — disse a ela que juntava alguns panos da cozinha para serem lavados.

— Bom dia Helena, Léo! Dormiram bem? — ela sorriu gentilmente.

— Muito! — respondemos juntos.

— Que maravilha tomem o café de vocês. — ela sorriu. — vou trocar os forros de cama.

— Ok.

Ela foi para os quartos e eu tomei meu café com Léo. Após o café, peguei a chave do meu carro, mas desanimei.

— Amigo você dirigi?

— Sim, pode ser no meu?

— Qualquer um! — sorrir.

Fui até a lavanderia e disse a Isaura que voltaríamos para almoçar em casa. Só iriamos até o hospital pegar minhas coisas.

E fomos até o hospital. Do Alphaville até o hospital gastamos quase quarenta minutos, assim que chegamos sei de cara com Dr. Paker,

— Bom dia Helena! 

— Bom dia Leonan!

— Você está ótima! — ele sorriu.

— Você estar me zoando por estar gorda ou devo considerar esse elogio? — ri.

— Você está linda como sempre. — ele disse e me deixou sem graça. — oi Léo! 

— Olá Leonan, bom te ver!

— Igualmente. Veio pegar suas coisas? 

— Sim, daqui uns dias Theo nasce, não quero estar no meio de uma consulta. — risos. — acho que já trabalhei o bastante, e Dra. Fernanda cuidará bem de tudo, enquanto eu não estiver.

— Vamos sentir saudades.

— Eu também irei. 

— Bom se eu não te ver antes, boa sorte no nascimento do garotão. Vai dar tudo certo vou estar torcendo por você. Boa sorte Helena!

— Obrigado Leonan! — disse abraçando. 

— Ah antes que eu me esqueça Thomas pediu para que passasse na sala dos médicos.

— Obrigado! 

Ele seguiu para seu consultório. E eu fui para o meu junto com Léo íamos guardando várias coisas em algumas caixas. 

— Luan se tivesse aqui já estaria sem paciência.
— Porque?

— Leonan, com essas conversinhas.

— Se o Luan tivesse aqui nem oi ele tinha dado. — eu ri.

— Como imaginei.

— Faz parte. Bom acho que tá tudo dentro dessa caixa.

— Bom deixa eu levar.

— Ótimo! Vamos só passar na sala dos médicos comigo Léo, só despedir da galera. 

Algumas enfermeiras veio me abraçar pelos corredores do hospital, desejar boa sorte. Quando entrei na sala.

Surpresa!

Capítulo 76° — Um amor desse

 No outro dia acordei tomei um banho me arrumei e desci para preparar o café da manhã. Cecília acordou e tomou junto comigo. Liguei para minha mãe dizendo que iria almoçar lá hoje e ficar o resto do dia com eles, ela super animou e disse que já estaria me esperando. Recebi uma mensagem de Léo.

Vou ficar com você hoje a noite, beijo!

Respondi e fui arrumar meu quarto com a ajuda de Cecília que disse que queria se mudar para cá também junto com o Léo. Esses meus amigos era uma graça, daqui a pouco todos viriam mesmo pra cá! Luan iria ficar louco se isso acontecesse, misericórdia. Ao terminar de arrumar tudo, peguei minhas coisas, chave do carro e descemos. 

— Já é quase meio-dia, que horror! — ela riu. — pensei que ainda era umas dez da manhã.

— Menina aqueles quartos são escuros, se eu não acordo Léo ele dorme o dia todo. — ri. — vamos almoçar na casa da minha mãe?

— Miga hoje vou pra casa da minha tia com meus pais e meus irmãos.

— Ah que pena! — disse enquanto já entrava no condomínio onde meus pais moravam. 

— Deixa pra próxima. — sorriu. 

— Vou cobrar hein!

Estacionei o carro em frente a casa dos meus pais e Cecília se despediu de mim indo para casa. Na porta de casa quando iria bater a mesma se abriu, era Caio junto com a Larissa.

— Bom dia! — Caio disse rindo se desviando da minha mão que quase pegou nele.

—Bom dia Caio. — ri. — desculpa.

— Que nada cunhada. — ele sorriu. 

— Oi maninha!

— Oi Lari, onde vão?

— No mercado buscar umas coisas ali pra mãe, entra lá estão na cozinha. — ela disse.

— Ta bom, beijo. —disse entrando. — Mãe, pai? — gritei.

Fui até a cozinha lá estavam minha mãe, meu pai, Célia. Meu pai mexendo no notebook na bancada, minha mãe e Célia preparando o almoço. Fui até meu pai o abracei forte ele fez umas gracinhas rindo, minha mãe me abraçou num abraço tão gostoso, ai que saudades de casa. 

— Célinha eu cansei de comer congelados. — eu ri.

— Mas já tá assim? — ela riu.

— Brincadeirinha. — ri. — eu e Léo estamos nos virando. Aliás, o Luan ainda não reclamou da minha comida. 

— E nem vai você aprendeu com a gente filha. — minha mãe riu. — e como tá o Theozinho? a casa?

Bom comecei também a ajuda-las, enquanto contava da minha nova vida de como estava sendo, das saudades que também as vezes dava de casa. Da saudade constante de estar sempre perto do Luan que nem sempre era possível. Conversamos sobre tudo, isso porque era apenas uma semana de mudança, nada mais! 

O domingo foi delicioso junto com minha família, aproveitei cada segundo com eles fazendo a bagunça. Larissa e Caio também ficaram o dia todo lá. Estava quase na hora de ir pra casa já estava escurecendo e eu tinha que ir, pois amanhã iria trabalhar. 

— Célia meu anjo, preciso de você! — disse.

— No quê Helena?

— Você não conhece ninguém que esteja precisando trabalhar, para me ajudar com o apartamento não? Por enquanto, não precisa ser todos os dias sabe? Mas quando Théo nascer vai ter que ser. — risos.

— Helena tem sim, sua mãe até conhece ela. — ela disse. — A Isaura ela é toda caprichosa, cozinha super bem e ela estar louca atrás de trabalho.

— A Isaura é como se fosse a Célia Helena, ela é um amor! — minha mãe sorriu. — chama ela e combina tudo!

— Ah eu vou sim! — sorrir. — me passa o número?

— Vou pegar pra você agora!

Ela foi e dentro de alguns minutos voltou com um pedaço de papel em mãos. 

— Aqui.

— Obrigado vou ligar pra ela! — sorrir. — Mãe, pai foi muito bom passar o dia com vocês. Depois vamos marcar um churrascão lá em casa, pra reunir a galera toda. Deixa o Luan estar em casa que combinamos.

— Opa, aí é bom! — meu pai sorriu. — porque não fica Helena?

— Amanhã tenho que ir pro hospital pai. — disse. — ainda estou no trabalho. 

— Porque quer! — minha mãe disse. 

— Porque é necessário! — disse rindo.

— Quem vai ficar com você lá hoje? — Larissa me olhou.

— Léo volta hoje, tenho que ir se não ele fica lá do lado de fora coitado. — abracei meu pai, minha mãe, Lari, Célia e Caio. — Boa noite pra vocês!

Todos me levaram lá fora no carro e logo eu acelerei sumindo no final da rua. Em quarenta minutos estava no alphaville. Antes de entrar em casa escutei som da televisão, mas eu tinha desligado tudo antes de sair de casa. Ao abrir a porta tive uma surpresa lá estava Luan sem camisa só de bermuda vendo televisão e tomando seu tereré de costume. 

— Oi minha princesa. — ele sorriu ao me ver.

— Oi meu amor, tudo bem? — sorrir, trancando a porta e fui até ele.

O abracei forte seu cheiro doce era tão maravilhoso, era tão bom ele estar em casa novamente. Era tão maravilhosos quando ele voltava pra ficar. Beijei bem devagar matando a saudade. 

— Eu tô bem meu amor, e vocês? — ele levantou minha blusa e alisou minha barriga e o Théo chutou, sorrir com o lindo sorriso que brotou em seus lábios.

— Estamos bem. — passei a mão em seu cabelo. — E o show de hoje?

— Foi desmarcado por causa das chuvas, aí eles queriam vir amanhã, mas falei que queria vir pra casa e viemos.

— Você hein!

— Gostou?

— Eu amei, estava morrendo de saudade Luan.

— Eu também estava e ainda estou. — ele riu.

— Vou ligar pro Léo dizendo que ele não precisa vir. — disse.

— Ele já sabia que eu iria voltar. — ele selou meus lábios.

— Hm, tinha tudo preparado? — o abracei. 

— Tudo pra ficar com vocês. 

— Ah eu amo muito esse menino, meu Deus.

— Linda, onde estava?

— Na casa dos meus pais, passei o dia com eles. 

— Muito bom, todo mundo bem por lá? 

— Aham, todos bem. Ah! — disse me lembrando. — Temos alguém pra me ajudar com a casa Dona Isaura é conhecida da minha mãe e da Célia. Disse que ela é muito caprichosa, e cozinha super bem!

— Podemos marcar uma entrevista com ela. 

— Sim e o melhor que ela mora em Bauru mesmo amor. 

— Melhor ainda! — ele disse. — liga pra ela amanhã.

— Ta bom, e você ta com fome?

— Não amor, não se preocupe.

— Que não se preocupe o que, me fazer engordar você quer né? — eu ri da cara que ele fez e depois riu.

— Ah Lê, então borá lá preparar alguma coisa, vamos!

Ele desligou a TV e fomos para cozinha onde preparamos juntos um jantar para nós dois. Luan na cozinha era a negação, ele até tentava ajudar, mas meu Deus era perigoso! Por milagre hoje não estava frio e eu dei ideia e irmos jantarmos na cobertura, explorar um pouquinho nossa casa.

Terminamos de preparar o jantar e subimos para cobertura colocamos na beirada da piscina e nos sentamos juntinhos. 

(só relembrando como é a cobertura)

— Você sabia? 

— O que?

— Que eu sempre sonhei com esse momento… — ele me olhou.

— Jantar aqui em cima?

— Não Helena. — ele riu. — de estar com quem eu amo, formando uma família. 

— Ah é? 

— Aham, e sabia que eu amo demais a mãe do meu filho?

— Ah eu tenho a certeza que sim, e também tenho a certeza que a mãe do seu filho deve ser uma mulher muito sortuda, por ter você e o filho de vocês.

— Ela é sim sabe. — ele respirou olhou o prato depois pra mim. — posso dizer que ela é o meu porto seguro.

— Mulher de sorte essa. — sorrir, chegando mais perto dele.

— Eu também acho. — ele me beijou e foi esquentando, ele logo parou. — não faz isso, porque com esse neném aí não da pra fazer nada. — ele riu.

— Bobinho!

Terminamos de comer e deixamos os pratos num cantinho, fui até o quarto e peguei nosso cobertor e nossos celulares me deitei ao lado dele novamente e ele me puxou pra ele beijando minha cabeça e tirou uma foto. 

— Saudade de postar uma foto com você! — ele disse. — minhas fãs vivem pedindo.

— Ah é? — sorrir.

— Aham. 

Ele editava a foto para postar, e eu me fiquei passando o dedo como se desenhasse no seu peitoral. 

@luansantana: Mais eu. Mais você. Mais sorrisos, beijos e aquela rima grudada na boca. Eu quero nós. Mais nós. Grudados. Enrolados. Amarrados. Jogados no tapete da sala. Nós que não atam nem desatam. Eu quero pouco e quero mais. Quero você. Quero eu. Quero domingos de manhã. Quero cama desarrumada, lençol, café e travesseiro. Quero seu beijo. Quero seu cheiro. Quero aquele olhar que não cansa, o desejo que escorre pela boca e o minuto no segundo seguinte: nada é muito quando é demais. Eu sou quero amar você cada dia mais. @helenamitchell 💘

@luanamor: AAAAAAAAAAAAA eu amo esse casal

@luanvida: um casal é o casal. 💘

@luanmeudestino: O amor de vocês é lindo!

@luanitas: Eu só sei sentir!

@helenaprincesa: Um casal desse bicho! 💘💘💘

 

Capítulo 75° — Companhias

Os dias iam passando tão devagar e eu tentando acostumar com a ideia ainda de morar tão perto e ao mesmo tempo tão longe dos meus pais, nossa que saudades eu estava sentindo deles. Já era sexta-feira sete da noite quando a campainha tocou e seu Zé do condomínio dizendo que Larissa estava lá em baixo, me animei! Logo a campainha tocou e Léo foi abrir.

— Tiver que vir né? Se não, nem lembra mais da irmã. — ela disse, Caio entrou logo atrás.

— Para de mentir, lembro de você todo momento. — a abracei. — Oi Caio!

— Oi Helena! — ele sorriu.

— Léo vem fazendo uma companhia ótima, só risadas o tempo todo.

— Ahh eu imagino! — Larissa riu.

— O que você está querendo dizer Larissa? 

— Nada, nada! — ela riu, fazendo todos rirem.

Larissa ficou com Caio até na hora do jantar, jantaram com a gente, pois eu havia pedido japa, nos deliciamos de tudo. Luan todas as noites antes de entrar no palco me ligava para que pudéssemos conversar. Hoje eram quase meia noite e ele ainda não tinha ligado, já estava ficando preocupada. Resolvi mandar uma mensagem.

Oi meu amor, ta tudo bem? Você ainda não ligou… te amo!

Ele também não tinha visualizado.

— Calme Lê, não aconteceu nada.  — Léo tentava me acalmar.

— Ele sempre liga Léo.

— Ele deve ter se atrasado. — ele disse. — vai descansar, pois amanha será um dia daqueles!

— Tudo bem… — suspirei deixando o celular do meu lado e logo peguei no sono. 

Eram duas e meia da manhã quando meu celular tocou, quando vi o nome do Luan na tela e a nossa foto me despertei rapidamente e atendi.

— Meu amor, perdão por não ter te ligado. — ele dizia.

— O que houve Luan? Porque você não ligou, eu fiquei preocupada poxa. Você sempre me liga.

Amor, a gente acabou atrasando, para o atendimento das fãs, da imprensa que meu celular nem ficou comigo. Agora que estamos indo pro hotel que Rober me entregou o celular e que eu vi suas mensagens e ligações, pensei que tivesse acontecido algo com você. — ele disse tristinho.

— Eu também pensei que tivesse acontecido algo com você. — falei.

— Me desculpa minha princesa, prometo não esquecer mais. — ele disse. — mas foi muito corrido.

— Eu entendo. — disse suspirando aliviada. — como foi o show?

— Foi lindo demais, só faltou você. Como você está? O nosso Theozinho?

— Estamos bem e com saudades do papaizão. — risos.

— Te amo tanto Helena Mitchell! — Ele riu.

— Bobo, não mais que eu! 

Ficamos conversando até ele chegar no hotel e disse que iria cantar até eu pegar no sono, coisa que não demorou muito.

(…)

— Helena essa roupa aqui é para o comercial. — Léo disse saindo do clouset às seis e meia da manhã super animado. —Já vai arrumada ou vestir lá?

— O que você acha melhor? — Eu tomava o meu café da manhã que ele teria trago antes de me acordar, mordi um pedaço do mamão.

— Eu acho que é melhor vestir o figurino lá. — ele disse pensando olhando pra roupa e pra mim.

— Então… lá! — sorrir.

— O Luan deu notícias?

— Sim, ele ligou de madrugada e me explicou o que houve. — disse. — desculpa por ontem a noite amigo.

— Que nada Lena, eu te entendo super. Quando Rafa some eu também sou assim. — ele sorriu todo bobo ao lembrar de Rafa.

— Aliás, cadê ele?

— Chega hoje de Londres!

— Hum, perdi minha companhia do fim de semana. — eu disse rindo.

— Mas é claro que não, Cecí irá ficar com você. — risos. — mas hoje eu sou todo seu meu amor! — ele disse colocando as peças de roupas numa mala que levaríamos para o dia corrido de hoje.

— Gostei de ver! — sorrir. Tomei mais um pouco do meu suco de laranja e me levantei. — Vou tomar um banho!

— Vai lá.

Entrei pro banheiro onde tomei um banho maravilhoso me despertando da preguiça que eu estava, aliás, hoje é sábado e eu estou de pé desde às seis da manhã. Leonardo muito descontrolado, teríamos que trabalhar um pouco nessa questão. Ao sair do banho ele me passou meu look para sair de casa.

— Você está linda! — ele sorriu.

— Obrigado.

Ele parecia ter terminado de colocar tudo dentro da pequena mala que ele arrumava. Fiz minha make mais leve e desci com a bandeja de café da manhã, arrumei toda a cozinha e então era hora de sairmos e encontrar Cauã no shopping na loja C&A onde seria a gravação da campanha dos dias das mães. Eu estava feliz por ser a escolhida, e animada também. Seria meu primeiro dia das mães, sendo mamãe sim era de se emocionar!

Pegamos as coisas e descemos até o estacionamento. Fui dirigindo até o shopping, Léo ligou o som do carro e foi cantando na minha cabeça até chegarmos lá. Como o shopping só abra ás dez da manhã, por isso nos chamaram tão cedo para gravar. Tinham apenas alguns atores que também participaria coadjuvantes. Quando cheguei me juntei a Cauã que nos apresentou toda a equipe que logo foi me explicando como seria tudo! O que eu entendi que seria uma criança sendo minha filha e estaria na loja, eu essa menina, mais uma senhora que iria ser minha mãe. A criança entraria na loja pegaria um vestido e me mostrava dizendo quão lindo ficaria em mim, e seguindo eu falaria algumas coisas. Bom, parecia que iria ficar muito massa!

Começamos a ensaiar não demorou tanto para gravar e ficar como todos queriam, eles me agradeceram bastante. Cauã e Léo disseram que tinha ficado ótimo. Bom no caminho para as fotos do dia, fui postando uma foto.

” @helenamitchell:Hoje gravamos um lindo propaganda para as lojas C&A! Ah! Surtem comigo. Você ainda que não comprou o presente da sua mãe para esse dia das mães ta esperando o que? Corra numa loja C&A mais próxima de você e compre já! Abuse, abuse, abuse C&A. Dia das mãe é na C&A. #Diadasmães #lojasC&A Obrigado a todos envolvidos! “

Chegamos na loja onde seria algumas fotos com os looks da mesma. Depois de várias fotos, saímos dali e fomos direto pro shopping almoçar.

Liguei pra Bruna e Larissa para comprarmos o enxoval do Theozinho.

— Tô esperando você, aham, já liguei pra Bru.

— Tá bom Lena, vou passar na Cecília e chego aí, beijo. — Lari desligou.

— O que vai querer Helena? — Leo me olhou, me despertando do meu celular. 

— O que você pediu pra você? Pode ser o mesmo. — sorrir, e olhei o garçom. — me traga um suco de melancia, por favor!

— Sim, já trago pra você. — ele disse gentilmente.

— Um refrigerante, por favor, Coca! 

O garçom foi para dentro da cozinha, e Léo enquanto mexia no celular me dava atenção.

— As meninas vão vir?

— Sim todas estão vindo, acho que Bru vai almoçar com a gente. 

— Acho que sim, ela chegando aí. —Léo apontou-a atrás de mim. 

— Bru! — disse me virando. 

— Oi Lena! — sorriu, me dando beijinhos no rosto. — Léo! Tudo bem?

— Oi Bruna, tudo sim! — ele sorriu e chamou o garçom.

— Almoça com a gente?

— Sim! Vim direto do salão, estava fazendo as unhas.

— Hm! Toda arrumada. — Léo sorriu. — E o boy?

— Tá em casa, hoje vamos sair pra comemorar mais um mês juntos.

— Que amor. — sorrir. — Breno preparando a surpresa?

— Aham! — ela sorriu.

Então nosso almoço chegou e almoçamos os três juntos, conversando sobre várias coisas. Léo como sempre nos faziam rir. Assim que terminarmos nosso almoço, pagamos  e saímos do restaurante.

— Até que fim! — Bruna disse ao ver Larissa e Cecília aparecerem saltitante.

— Cheguei! — Larissa me abraçou. 

Todos se cumprimentaram e era bagunça só quando juntávamos.

— Vão expulsar vocês se continuarem gritando. — disse rindo, indo até as lojas de bebês.

— Meu amor, não vão nos expulsar. — Léo riu.

— Vão só pensar que é arrastão! 

Larissa disse e todos riram. Como poderiam ser tão bagunceiros? Como eu amava meus amigos!

Eram duas da tarde e estávamos separando várias roupinhas, conjuntinhos. Tudo que ainda não tinha ganhado eu comecei a colocar no cestinho que a moça tinha nos dado.

— Olha essa roupinha Helena! Ah, não! — Bruna me mostrou, era um conjuntinho todo de lã azul marinho e branco. — esse eu vou dar de presente pro meu sobrinho.

— Uma bela roupinha para sair do hospital, não acha? — Larissa me olhou. 

— Sim vai ficar tão amorzinho! Peça uma para recém-nascido Bru.

— Helena encontrei! — Léo e Cecília vieram com um conjuntinho do Corinthians.

— Luan vai amar! — sorrir. — coloquem no cesto.

Depois de comprarmos vários roupinhas, roupas de cama, bicos, mamadeiras. Uma babá eletrônica, um carrinho. Compramos tudo que ainda faltava pagamos e nos sentamos para descansar. Já eram quatro da tarde quando meu celular tocou, atendi e eles ainda estavam rindo alto.

— Oi meu amor! — disse rindo ao atender.

— Oi princesa ta tudo bem? 

— Sim tudo, e você?

— Eu tô bem, acabei de acordar. — ele riu. — onde você tá?

— No shopping com Bru, Lari, Cecí e Léo.— risos. — compramos o enxoval.

— Não esqueceu da roupinha do timão né?

— Não, não esqueci. 

— Linda, tá comendo direitinho?

— O chato do Léo vai me deixar rolar, qualquer momento.

— Gosto do Léo! — ele deu aquela risada.

— Bobo, tô com saudade.

— Eu também estou. — ele disse. — segunda vou pra casa, ficaremos de boa. 

— Alô segunda-feira vem em mim! — ri. — te amo muito.

— Não mais que eu minha princesa, não mais que eu. Amo você e nosso Theozinho. 

— Papai mais lindo.

— Boba. Minha princesa mais tarde eu te ligo tá? Vou comer alguma coisa, e tenho que ir pra cidade do show. Beijo!

— Beijo meu amor, te amo, vai com Deus.

Desliguei e sorrir como uma idiota. Era muito amor por esse menino, não tem como só transborda!

— Bagunceiros vamos pra casa?

— Borá!

Cada um pegou um pouco de sacolas, vi que alguns paparazzis nos seguiam. Apenas sorrir e acenei, logo já porta do shopping esbarramos com alguns fãs que me abraçaram pediram fotos. Logo estávamos dentro do carro em direção ao Alphaville. Larissa tinha ido pra casa, Léo e Ceci comigo pro apartamento e Bruna iria se arrumar para o encontro com Breno.

Ao chegar em casa coloquei as roupinhas novas para serem lavadas, e me sentei no sofá colocando as pernas para cima.

— Hoje você quem vai ficar de babá Cecí? — sorrir.

— Sou eu miga, nosso amigo vai nos abandonar. — ela riu.

— Meu boy já estar chegando, beijo pra vocês, Cecília faça ela comer. — ele disse sério.

— Pai vai com Deus, namora muito tá? 

— Você Helena, você!

Ele riu me fazendo rir.

— Beijo pra vocês, até Helena e Cecília!

— Aí amiga agora somos nós duas, vamos tomar um banho e resolver o que vamos fazer pra comer.

— Ótimo! 

Subimos pro quarto, antes passei no quarto de Cecília com ela. Fui pro meu e tomei um banho de meia hora, precisava muito relaxar. Ao terminar, coloquei minha camisola e rezei para que não chegasse visita nenhuma, pois não iria trocar de roupa.

Saímos juntas do quarto indo para cozinha.

— Amiga preciso de alguém que me ajude com a casa.

— Helena talvez a Célia conheça alguém, você não acha? E por você já conhecer ela seria a até uma pessoa de confiança.

— Isso é verdade, amanhã vou na minha mãe. — sorrir. — aproveitar e almoçar lá!

— Furar boia Lê?

— Tem que ser né? Tem uma semana que estou aqui e ainda não fui lá. — risos. — vou matar a saudade!

— Você não presta! — ela riu.

— Pensei que você iria viajar com o Rober. — disse enquanto preparava uma salada e ela uma lasanha no microondas.

— Menina eu ia até. — ela riu. — mas Léo disse que Rafa iria chegar e você iria ficar aqui, e ele me pediu pra ficar com você. 

— Luan as vezes é exagerado né? — ri. — eu posso ficar sozinha em casa.

— Ele tem medo Lena, aliás, aquele menino te ama demais!

— Eu também amo ele e muito, mas porque? — o olhei ela.

— Quando viajo com eles eu e o Rob ficamos zoando ele, ele fala coisas lindas de você. — ela jogou a caixinha no lixo.

— Awn, sério. — devo ter ficado igual uma retardada ao saber, ela ria da minha cara. 

— Sim, precisa ver. — risos. — ele ta certo em não deixar você sozinha.

— É.. — disse pensativa.

— Quando vem o casamento?

— Se depender do Luan amanhã, de mim daqui uns anos? — ri.

— Ué por que?

— Queria que Théo entrasse na igreja como noivinho, para isso ele tem que ficar mais grandinho né amiga? — alisei minha barriga. — e ele ainda nem nasceu. 

Ela riu.

— É isso é verdade, e iria ficar lindo! 

— Sim sem dúvidas!

Assim que esquentamos a lasanha e a salada pronta nos sentamos e jantamos, colocando nosso papo em dia, aliás, tinha bastante tempo que não conversava com minha amiga. Tirei uma foto e postei.

@helenamitchell: Companheira de hoje a noite veio ficar comigo e com o Theozinho! Alô @roberlelis hoje ela é minha! Hahaha @ceciliaferreira_ te amo 💛

@helenaprincesa: Ahhh vocês são tão maravilhosas!

@luancetopa: lindaas! 

@roberlelis: triste competir com você! hahaha lindas!

@luanguri: Helena você ta linda, a Cecí também. Posta foto da barriga!

@larissamitchell: AMO!

@ceciliaferreira_: PRA VIDA TODA, AMO!

 

Capítulo 74° — Dia a dia

Acordei cedo no outro dia com um dos braços do Luan em cima de mim, sorrir ao acordar com ele do meu lado mais uma vez. Com muito cuidado conseguir sair dos seus apertos sem que o acordasse, me sentei na beirada da cama e fiquei o observando por algum tempo. Antes que meu celular resolvesse despertar, desativei o despertador e me levantei indo até o banheiro. Lavei meu rosto, escovei os dentes e amarrei o cabelo que estava parecendo uma bruxa toda descabelada. 

Fui até o clouset arrumar um look para ir pro trabalho, separei algumas coisas e voltei pro banheiro onde tomei um banho, lavei os cabelos e quando sair me vestir.

Peguei um jaleco limpo e peguei minha bolsa colocando no sofá do quarto. Sair do quarto indo para cozinha, onde comecei a preparar um café da manhã, fiz café coloquei uns pães de queijo no forno e enquanto assava, fui comprar uns pães. Desci fui até o carro e seguir até a padaria do condomínio, comprei o necessários e voltei pra casa colocando tudo na mesa. Até que eu era uma boa dona de casa! Ri do meu pensamento sozinha, e continuei a preparar colocando tudo na mesa. Saberia que os meninos não acordariam agora, pois tinham ido dormir tarde, mas tomei meu café da manhã ali na cozinha, olhando o celular me atualizando das coisas e chegou algumas mensagens, muitas delas eram da Larissa, que dizia.

Muito estranho chegar em casa e não ter você aqui. 

Ri com a mensagem dela, aliás não era ela mesmo que dizia que queria ser filha única, bom não era totalmente, mas agora era quase!

Seria possível o Luan te devolver? 

Eu já estava respondendo ela, sabendo que ela não me responderia também naquele exato momento, pelo motivo também de ter ido dormir tarde pelo horário que teria me mandado a mensagem. As outras mensagens eram da minha mãe.

Bom dia minha filha querida, tudo bom? Espero que esteja bem na sua nova casa. Já estou com saudades!

Se eles pensaram que me mandando mensagens dizendo está com saudades iria me ajudar, não estar ajudando não! Até parecia que eu tinha ido para bem distante, isso porque eram apenas uma hora dali. Respondi ela também e depois os grupos que nunca paravam. 

Ao entrar no instagram ainda chegavam muitas notificações da última foto que havia postado, e junto delas um comentário de Luan.

Meu Deus essa muié pega a gente de surpresa! Eu não estava esperando por isso não senhorita Helena, como você faz isso comigo? Você é a pessoa que Deus separou pra mim, o presente mais lindo que Deus me deu a verdade mais linda da minha vida. De todos os motivos que eu tenho para sorrir, você sempre vai ser o melhor e o principal deles. Depois que você chegou, eu soube que não precisaria esperar por mais ninguém, percebi que os nossos caminhos não haviam se cruzado à toa e que o cargo de amor da minha vida já estava sendo conquistado por aquela garota misteriosa e divertida que veio de entrando por aquela porta de hospital para completar a minha vida. Nada será impossível para nós, juntos vamos unir nossas forças e conquistar nossas coisas e realizar nossos sonhos, sempre juntos. Te amo meu amor @helenamitchell 💘💘 

Ah, o que era isso eu estava chorando ali? Lágrimas desciam pelo meu rosto ao terminar de ler aquele pequeno texto que veio do amor da minha vida para mim mesmo. Eu era apaixonada por cada palavra que eu sabia que ele teria o maior cuidado para usá-la. Eu sorria infinitamente com essas palavras. Acordei dos meus pensamentos com meu celular na tela chamando.

Cauã On.

— Bom dia Helena, te acordei? 

— Bom dia Cauã. — risos. — nada já estou de pé, estou quase indo pro hospital.

— Ótimo preciso te ver hoje. — ele disse. — no almoço?

— No restaurante? Encontro com você.

— Sim são sobre as fotos de sábado a tarde e também sobre o bazar que vocês e Léo querem fazer.

— Tranquilo me espere hoje. — sorrir. —beijo!

— Beijo, até mais.

Cauã Of.

Me levantei colocando a xícara na pia depois de lavá-la. Subir até o quarto sem fazer qualquer barulho que pudesse acordar o Luan, mas assim que peguei minha bolsa e o jaleco ele perguntou.

— Iria sem despedir? — ele disse ainda com os olhos fechados, se espreguiçando.

— Bom dia meu amor. — sorrir indo até a cama. — você estava dormindo num sono tão bom, que achei melhor não te acordar.

— Mas deveria. — ele sorriu e segurou minha mão. — você ta linda! Bom dia neném do papai, bom dia meu amor. — ele selou nossos lábios.

— Continue dormindo amor, tá tão cedo e você dormiu tarde que eu sei. — disse. — descansa, mais tarde nos vemos.

— Ta bom, daqui a pouco vou pra rádio. Entrevista.

— Então descansa, deixei o café na mesa pra você e Marquinhos. Te amo, fica com Deus!

— Vai com ele, que ele proteja vocês. Um ótimo dia, te amo.

Sorrir o abracei antes de sair do quarto e fechar a porta, peguei meu celular chaves do carro e desci para o estacionamento. Em questão de cinco minutos já estava saindo de Alphaville seguindo até o hospital, cheguei lá meia hora mais cedo. Bom que adiantei tudo no máximo no que eu podia, fiz minhas visitas nos quartos dos meus pacientes que teria que dar alta, que me agradeceram por libera-los tão cedo. Hoje quarta-feira tão linda, hoje estava animada o dia parecia que iria render.

Na hora do almoço sair com Lisa que disse que iria almoçar comigo e com o Cauã, chegando lá o Léo e ele já nos esperava.

— Oi meus amores. — sorrir ao cumprimentá-los e me sentei.

— Olá Helena! — Cauã sorriu. — ótimo que você chegou! Oi meu amor.— ele beijou Lisa e se sentaram. — O que vocês vão pedir?

— Algo bem Light por conta da minha dieta! — disse rindo.

 — Gostei de ver, um prato delicioso pra você hoje.— Cauã disse sorrindo ao chamar o garçom que anotou nossos pedidos.

Eles me disseram que tinha um comercial para ser gravado sábado estava tudo muito em cima da hora, mas que era ótimo! Era sobre o dia das mães e como o mês de maio estava se aproximando teria que ser o quanto mais rápido.

—Mas isso é bom?

— É ótimo Lena! — Léo disse.

— Se é bom! Borá uai. — eles riram com minha animação. — Gravação é aqui mesmo?

— Sim, é pra loja C&A.

— Vamos! — sorrir. — me falem a hora.

— Sábado às oito da manhã.

— Puts! — ri.

— Sábado puxado esse hein! — Lisa riu.

— Né amiga? — risos. — Tranquilo, de lá almoçamos e vamos para as fotos certo?

— Sim certíssimo! — Cauã sorriu. 

Nossos pedidos chegaram e começamos a comer. 

— Enquanto ao bazar? — perguntei.

— Nós pensamos em fazer em algum espaço de um shopping Lena, conversar com alguém sabe? Pois é de mais fácil acesso para as pessoas, você tem duas malas cheias de roupas já. — Léo disse. — Se você quiser já começar a divulgar, começar o que quer fazer em suas redes sociais já fica bom. Pois aí, você irá começar a ganhar até roupas para entrar nesse bazar.

— Legal! — sorrir. — pode deixar irei divulgar sim. Gente vocês são o máximo!

— Equipe massa! — Lisa sorriu.

Terminamos nosso almoço e tínhamos que voltar para o hospital antes que chegássemos atrasadas. De volta ao hospital entrando dei de cara com Leonan.

— Precisava tanto de você hoje!

— Mas já deve tá sabendo que estou fora das cirurgias. — disse.

— É Carlos me contou. —disse ele triste. — isso não se faz você sabe né?

— Ué, regras do hospital. — ri. — chama a Daniela.

— Eu não estou aguentando ela mais no meu pé, pelo amor de Deus.

— Nossa, logo vocês o casal vinte do hospital?

— Pra você ver. — ele revirou os olhos pelo comentário. — Bom Helena, foi bom te ver, vou pra minha cirurgia.

— Bom trabalho Leonan! — sorrir, vestindo meu jaleco.

(…)

Quinta-feira, ao meio dia.

— Que ótimo que você conseguiu vir almoçar comigo meu amor. — Luan me abraçou me beijando.

— Aproveitar né? Depois é só segunda de novo. — fiz bico.— já tô morta de saudade. 

— Ô princesa vai passar rapidinho. —ele sorriu.

Estávamos no Paris 6, almoçávamos eu, ele, Rober e o Wellington. Daqui ele já iria pra Santa Catarina para fazer show hoje mais tarde. Conversamos bastante, saberia que a gente não ia quase ter tempo durantes esses dias longe. E meu coração já estava em pedacinhos por isso, queria poder ir junto, passar cada minutinho ao lado dele o protegendo, sabendo que ele estaria bem a todo momento.

— Léo disse que vai lá pra casa hoje. — ele disse. — temos que arrumar alguém que te ajude com a casa.

— Já conversei com minha mãe, ela disse que vai nos ajudar. — sorrir. — enquanto isso eu dou um jeito.

— Você não fica fazendo arte não hein!

— Gravidez não é doença amor. —disse rindo.

— Eu sei, mas não quero receber um notícia desagradável Helena. — ele disse sério. — por favor, eu te conheço bem.

— Fica tranquilo tá? Vou cuidar do nosso bebê. Você acha que depois das instruções que passou pra Léo ele não vai segui-lás?

— Fico preocupado. — ele alisou minha mão. — qualquer coisa me liga ta bom.

— Pode deixar.

Terminamos nosso almoço pedimos uma sobremesa, mas logo ele tinha que ir. Nos despedimos e ele logo foi com os rapazes e eu voltei para mais uma tarde de muito trabalho. No fim da tarde voltei para casa, onde encontrei Léo que preparava algo que cheirava lá da portaria do condomínio.

— Olá meu amor! — disse ao vê-lo animado.

— Preparada para nossa festa do pijama? — ele riu.

— Opa! —risos. meu celular tocou, era Luan conversamos por alguns instantes, mas logo desligamos, pois ele iria jantar com a galera antes de ir pro show. — Vou tomar um banho e já venho amigo.

— Vai lá gata!

Subir e tomei um banho, por fim colocando um pijama. 

Capítulo 73° — Primeiro jantar

— Eu mesmo! — Léo saiu do clouset junto com uma moça, essa eu não conhecia.

— Gente, vocês estão precisando curtir!

— Ainda é terça-feira Helena. — Juliana riu.

— Ô Ju! — ri. 

— Deixa eu te apresentar a Natália, que ajudou arrumar todo o clouset. — Juliana levantou puxando a menina que estava do lado do Léo. 

— Oi Natália, te colocaram pra trabalhar hoje? — sorrir. abraçando-a. — Prazer!

— O prazer é meu Helena, acho que você irá gostar. — risos. — Luan gostou.

— Amor! — Luan saiu do clouset, me abraçou, beijou minha barriga. — Venha ver!

Entrei junto com ele e realmente tinha ficado ótimo, ela tinha separado tudo, tudo! Do jeito que eu realmente queria, fiquei tão feliz ao saber que a partir de hoje esse cantinho era meu e do Luan.

 — Eu adorei! 

— Agora o casal já pode fazer aquele churras naquela área ali fora, e chamar a gente, eu principalmente. — Marquinhos riu.

— Você não acha que eu não sei que você irá quase morar aqui com a gente, Marquinhos. — ri e Luan abraçou o amigo.

— Qual é o meu quarto mesmo? — ele perguntou e todo mundo riu.

Descemos todo mundo e Juliana e Natalia se despediram. Bruna se sentou no sofá com todo mundo, e começou a contar algumas coisas sobre o apartamento. Também falou do bebê. O interfone tocou.

— Ó primeira visita! — Léo riu.

— É uma entrega! — Bruna disse ao desligar o interfone.

— Vou tomar um banho, recebe lá Luan! — disse, me levantando e indo pro meu quarto.

Antes de entrar no banheiro rodei todo o quarto, olhando cada detalhezinhos. Tirei minha roupa e coloquei no cesto de roupa suja, logo entrei no banheiro e tomei meu primeiro banho na casa nova.

Era tão bom pensar assim agora eu e Luan poderíamos aproveitar o máximo nossos momentos juntos, na nossa casa.
Ao terminar meu banho me vestir, e sair do clouset. Dei de cara com o Luan no quarto, com uma caixa.

— Uma entrega pro Theo amor! 

— Nem nasceu e tá ganhando presentes meu amorzinho? — alisei minha barriga.

— Já e o queridão do Brasilzão né filho? — Luan disse sorrindo.

Ao abrirmos a caixa eram muitas roupinhas, sapatinhos, bolsa de bebê. Era cada roupinha mais linda que a outra. Peguei meu celular gravando, mostrando e agradecendo a loja pelos mimos. Depois levei tudo pro quartinho do Theo.
Que paz ao entrar nesse quarto. Toda vez que entrava a vontade de tê-lo em meus braços o mais rápido surgia, era quase inevitável, eu só queria já ter meu bebê comigo mimando, cuidando e amando muito.
Descemos e Bruna se levantou dizendo que teria que ir, pois tinha aula. Minha mãe disse que teria que ir pro plantão, Marquinhos iria ficar, Léo também. 

— Mãe, avisa o papai que espero ele aqui depois. — sorrir, abraçando-a e beijando sua bochecha.

— Aviso sim minha linda. — ela beijou minha testa, sorrindo. — se cuida fica com Deus, tchau gente.

— Tchau sogrinha! — Luan sorriu.

Marizete levantou e disse que também iria pra casa. Pedi a ela que ficasse, mas ela disse que depois voltaria. Eu não sei ao certo se estaria preparada para morar sozinha com o Luan, não por ser com o Luan, mas sim por ser sem meus pais. Tá eu era uma mulher quase uma mãe, mas será que eu daria conta? Será que eu iria conseguir cuidar de tudo? Luan se sentou do meu lado no sofá segurou minhas mãos e disse.

— Acho que poderíamos jantar fora hoje. — ele olhou de mim pros meninos.

— Porque? Tá com medo de comer da minha comida? — eu disse rindo, e os três riram.

— Não amor, claro que não. — ele disse como se tivesse se desculpando.

— Luan se é ruim ou não é a comida dela que você irá comer pelo resto da vida, quando estiver em casa. — Léo riu.

— Helena tem cara que é uma cozinheira de mão cheia. — Marquinhos zoou.

— Vou provar pra vocês que não sou tão ruim assim, só me deixa encontrar onde fica as coisas nessa cozinha. — eu disse rindo e disposta indo até a cozinha.

 — Amor! — Luan ria. — Não precisa.

— Ah! Precisa sim. — disse abrindo os armários. 

— Eu te ajudo amiga! — Léo veio.

— A gente olha. — Marquinhos riu.

Junto com Leonardo comecei a preparar um jantar para gente. Eu já tinha feito comida várias vezes com minha mãe, Célia. Não era primeira vez, e aliás, iria ter que me acostumar muito nessa cozinha até encontrarmos alguém para que pudesse me ajudar. Como eu estava sendo desafiada pelo meu próprio noivo e amigos, resolvi fazer a comida preferida do Luan. Frango com quiabo, eu dei graças a Deus que quem fez as compras, comprou de tudo. Logo Luan apareceu com o celular nas mãos fazendo vídeos e colocando no instagram.

Oi meus amores, mostrando pra vocês que hoje quem está na cozinha é a Helena, minha princesinha. 

Ele ia dizendo e me filmando mandei um beijo pra câmera e ele logo se sentou com Marquinhos e começamos a conversar, os três bebiam cerveja e eu tomava um suco. Foi se passando os minutos o cheiro estava ficando muito bom, eles comentavam sobre. Depois de uma hora e meia estava pronto, eu coloquei a mesa os vinhos e os sucos na mesa.

— Olha não é a comida da Marizete, não chega nem perto. — disse rindo. — mas espero que vocês gostem, e me falem o que achou.

Eles se serviram e nos sentamos na mesa do jantar a primeira garfada de Luan, ele sorria sem mostrar os dentes enquanto mastigava. Eu aflita pela resposta, ele deu mais uma garfada e comia com uma cara muito boa, mas não dizia nada.

 — Para de mastigar e me diz como tá. — disse rindo ao provar da minha própria comida.

— Estar maravilhosamente deliciosa essa comida, que aliás é o meu prato favorito. — ele sorriu. — Está muito bom Lena.

— Realmente Helena está bom demais. — Marquinhos disse, enquanto tomou um pouco do vinho. — Você se deu bem Luan!

— Posso falar, quando posso trazer minhas coisas mesmo? — Léo riu. — Tá muito bom!

 — Ufa! — ri. — não foi tão ruim quanto pensei, que bom que vocês gostaram.

Enquanto jantávamos, conversávamos sobre o apartamento sobre a localização que era muito boa. Também falamos sobre as cirurgias que eu já não poderia realizar mais. Falamos do nosso bebê o Theo. Bom conversamos bastante, quando terminamos o jantar Marquinhos e Luan disseram que iriam lavar as louças, deixei pedindo que pelo amor que não quebrassem nada. Limpamos os quatro juntos a cozinha, depois Léo disse que iria embora e que voltava na quinta-feira quando o Luan fosse viajar.  Também disse que já estava preparando uma campanha dos dias das mães junto com Cauã pra mim. Me animei super com a ideia.

— Luan eu vou deitar um pouco o dia hoje foi bem agitado, meu pé ta parecendo um pão de tão inchado. — disse rindo. — e amanhã ainda tenho que ir trabalhar.

— Mas você ta bem? — ele veio olhando meu pé pra ver se realmente parecia um pão.

Eu ri seguindo o olhar dele, dei um beijinho no rosto dele.

— Aham, fica tranquilo. — sorrir. — boa noite Marquinhos.

— Boa noite Helena! — ele disse pegando um violão que estava no sofá, enquanto dedilhava.

— Boa noite meu amor. — ele beijou minha testa e logo depositou um beijo nos meus lábios, me virei para subir e escutava os dois. — Borá pro estúdio. — ele disse.

Luan nunca dorme cedo, já havia me acostumado com isso. Ele geralmente só iria dormir quando o sol estivesse nascendo. É estranho eu estar acordando e ele indo dormir, mas ele precisava disso, como ele diz as melhores composições vem pela madrugada. Não tinha nada a reclamar, eu o amava do jeitinho que ele é, suas qualidades seus defeitos, era tudo tão perfeito que eu nem me importava. Sabendo que ele está bem, feliz, sorrindo é o que importa o resto nada é importante.

Entrei no clouset escolhi um pijama mais quente já que estava um pouco frio, fui até a sacada do meu quarto e olhei pela varanda a linda noite que estava. Olhei o céu todo estrelado a lua iluminava a cada quatro cantos. Comecei a pensar desde quando conheci o Luan naquele dia no hospital, quem diria que hoje estaríamos aqui? Eu esperando um filho dele, noiva e morando juntos fazendo planos maravilhosos. Eu simplesmente o amo e ele também me ama, é tudo tão recíproco. Um vento bateu em meu rosto me causando arrepios e me despertando dos meus pensamentos, balancei a cabeça sorrindo e entrei pro quarto, fechei a porta de vidro e também as cortinas, ligando a TV  e me deitando naquela cama enorme, macia e confortável.

Fiquei passando os canais por algum instante e logo encontrei um canal onde fiquei assistindo e mexendo no celular vendo redes sociais, conversando com fãs do Luan, vendo notícias que saia sobre ele na mídia. Ficava observando tudo, vi os vídeos que ele e Marquinhos falaram antes de eu ter feito a comida me zoando, ri sozinha ali, mas depois eles dizendo que pagaram língua, ri mais ainda. Era linda a amizade do Luan com Marcos, uma amizade de anos que é muito valorizada.

Fui em minha galeria e estava a procura de uma foto para postar, atualizar aquele instagram era necessário, e eu estava tão por fora, talvez seja o tempo. Então escolhi uma editando e postando em seguida.

“Essa foto não é de hoje não é tirado por esses meses, mas é uma foto que transmite muito mais do que se ver. Ela transmite amor, lealdade, carinho, respeito, confiança, alegria só coisas boas. Hoje eu só queria vir aqui agradecer você mais uma vez como sempre faço, mas nunca é o suficiente. Você é um grande homem que sabe me fazer feliz com as mais simples coisas que possa fazer, você me transmite paz, felicidade. Eu já tento te passar tudo da forma que você me passa, para que possamos viver na mesma intensidade. Você consegue ser o melhor amigo, namorado, noivo com o simples fato de estar sempre ao meu lado quando eu mais preciso. Você é quem eu quero estar pra sempre, até que eu esteja velhinha gagá. Você é amor, é vida, é futuro, é pai e não é um pai qualquer não, é um paizão. Eu só queria vir aqui e expressar meu amor por você, mas acho que falhei, é impossível escrever algo pra você. Eu não consigo expressar em palavras, é algo que eu só sinto. Eu amo você. @luansantana 💘😍👫”

@meuanjoluans: Meu Deus Helena, vocês são maravilhosos 😭😭

@luanjodaguarda: o casal que o mundo respeita 😍

@princesadols: você é maravilhosa, Deus abençoa nosso casal, eu amo vocês! 😭

@lisawilson: Um casal é o casal, amo 😍

@roberlelis: 💟💟

@helenanossaprincesa: Amo muito um casal 💟

A foto foi bombardeada de comentários por minutos, o que era aquilo. Eu sorria com tantos comentários só de amor, que carinho pela gente. Até Theo deu uns chutezinhos de felicidade. Coloquei meu celular para despertar e coloquei o mesmo para carregar ali no criado mudo do lado da cama, passei ainda alguns canais na televisão, mas logo me vi apagando e dormindo.

 

Capítulo 72° — Mudando

— Acho que sábado vou comprar as coisinhas do Theo! — sorrir ao me soltar de Luan, enquanto ele me olhava.

— Só não esqueça de comprar a roupinha do Timão. — ele riu.

— Só? — ri.— pode deixar eu não vou esquecer. 

— E se ele não quiser torcer pro Timão? — eu o olhei segurando o riso, pois sabia que ele iria ficar sério.

— Cê ta louca? Se ele não torcer pro Timão, vai torcer pra quem? São Paulo? Mas é nunca! — ele disse e eu comecei a rir, não conseguia me controlar.

— Nossa! Já entendi.

Ele riu.

— Tô entrando! — Rober entrou em casa junto com Cecília.

— Fica à vontade! — disse.

— Ô gente vamos jantar? — Cecília disse. — temos o restaurante do pai da Lena que é ótimo, mas está mais longe e tem um que abriu a pouco tempo aqui no condomínio e é maravilhoso!

— Vamos aqui mesmo.— disse. — tô exausta, vou só pegar uma blusa de frio, pois está começando a esfriar.

— Borá então! — Luan levantou.

Eu subir até meu quarto e peguei a blusa de frio que havia separado em umas roupas fora das malas. Quando desci todos já me esperavam na porta, sair fechando a porta e fomos andando já que era no quarteirão de trás.

— Cecí sábado vou com a Bru comprar o enxoval, vamos? — a chamei.

— Sim eu animo. — ela disse empolgada.

— Aliás, meu filho tem que andar bonito hein. — Luan disse se gabando.

— Só por ser nosso filho ele vai ser lindo. — eu disse rindo.

— Mais convencida não tem! — Rober disse rindo.

— Ué! — ri.

Chegamos no restaurante que estava cheio, pedimos um lugarzinho mais reservado, nos sentamos e fizemos nossos pedidos. Luan se sentou do meu lado, Cecí de frente pra mim e Rober de pro Luan. Enquanto nossos pedidos não chegavam me deitei no ombro do Luan e conversávamos sobre tudo, mas tudo mesmo era sobre o Theo, aliás, é o centro das atenções.

Logo nosso prato chegou e jantamos numa conversa tranquila de muitas risadas, novidades e gracinhas de Luan e Rober, odiava quando ficava boiando nas piadas internas dos dois, Luan amava! Após o jantar, voltamos pra casa só que já era bem tarde e Luan também disse que iria.

— Amor deixa as coisas fácil amanhã, pois venho aqui pegar. — ele me deu um selinho demorado.

— Posso confiar em você? — ele me olhou com dúvida do que eu estava falando. 

— Ué, no que? — ele riu.

— A pessoa vai arrumar tudo certinho?

— Fala aí Testa a Ju nos prometeu não é? 

— Verdade Juliana disse.

— Ótimo a Ju é ótima, não me decepcionará. — ri. 

— Relaxa que a Bru vai e você e ela são chatas da mesma forma! — ele riu.

— Ou! — disse rindo.

— Beijo Helena, até a próxima!

— Até logo Rober! Amor, me liga amanhã ta?

— Ligo sim princesa. — ele me beijou, e também deu um beijo em minha barriga. — amo vocês, até amanhã e boa noite!

— Pra você também, te amo, me avisa quando chegar em casa. 

Ele assentiu e entrou no carro com Rober e Cecília afastou do carro, e eles logo foram. 

— Vai fazer o que agora?

— Arrumar as coisas pra voltar ao hospital amanhã, parece que tem meses que não vou. — risos.

— Ah é assim mesmo, eu também vou arrumar minhas coisas tenho aula cedo amanhã. Me mantenha informada de sábado Lena, me manda uma mensagem da hora.

— Pode deixar miga, bom beijinhos, boa noite!

— Boa noite, beijo! — ela me abraçou e atravessou a rua entrando em casa.

Entrei também e a casa e subir pro meu quarto, me troquei e me deitei na minha cama. Logo mais chegou uma mensagem do Luan dizendo ter chegado em casa, respondi. 

Fiquei durante um momento mexendo no instagram e logo surgiu estories do Luan com os amigos, Marquinhos, Douglas. Peguei no sono rápido, aliás o dia tinha sido bem cansativo e amanhã iria para o hospital.

— Finalmente Helena como é bom te ver! — Dr. Carlos Eduardo veio.

— Estou de volta. — risos. — pra felicidade de poucos e tristezas de muitos!

— Que horror menina! — ele riu. — como foi esses dias de folga?

— Maravilhosos, não vou mentir estava ótimo ficar em casa. — disse colocando meu jaleco.

— Oi! Chefe Hernan, disse que assim que chegasse fosse à sala dele. — Parker passou do meu lado junto com Daniela.

— Obrigado. — sorrir. — bom Eduardo, nos vemos depois. Beijo!

Sair andando pelos corredores até a sala do chefe da cirurgia. Bati três vezes na porta e abrir.

— Licença Hernan, posso entrar?

— Sim Dra. Helena, estava esperando você.

— No que posso ajudar? — fechei a porta, fui até ele apertamos as mãos, ele sorriu me pedindo para sentar.

— Bom Helena, é sobre sua licença maternidade. — ele disse. — você disse que ficaria aqui até os nove meses certo?

— Isso se Deus quiser. — risos.

— Mas você sabe que as regras aqui no hospital são até os seis meses de gestação realizando cirurgias, certo?

— Aham. — concordei. — Quem ficará no meu lugar Hernan?

— A Dra. Fernanda Arantes mesmo, não contratamos outra, pois serão poucos meses.— ele sorriu. — e logo uma das nossas melhores cirurgiã geral estará de volta! 

— Isso! — sorrir. — bom, tudo certo tenho algumas consultas agora, qualquer coisa me chama. — me levantei.

— Ok Helena, obrigado por vir.

— Por nada. — disse e sair da sala.

Encontrei Lisa, Laura e Valentina nos corredores que saudades das minhas amigas. Elas foram todas junto comigo para meu consultório, me contando algumas novidades. Dizendo também que estávamos precisando e um tempo sozinhas para conversar. Dei ideia de marcarmos para ir num restaurante.

— Pelo amor de Deus sem Boy! — Laura disse rindo.

— Isso sem homens! — Valentina concordou.

— Já avisa o Luan. — Lisa riu.

— Sábado? — perguntei.

— Isso, Luan nem estará em casa. Mas o Léo sim!

— Mas o Léo é um caso a parte né miga, ele pode! — Lisa disse se levantando. — vou trabalhar.

— Almoço juntas hoje? — olhei para todas, antes de saírem.

— Pode ser, encontro vocês no refeitório! — Valentina sorriu e saiu todas juntas.

— Dra. Helena! — a porta do meu consultório se abriu, e a secretária Bárbara entrou. — Suas fichas!

— Obrigado Bárbara!

E assim começou o meu dia de muito trabalho, consultas e mais consultas. Como eu não poderia mais fazer minhas cirurgias passei tudo para Dra. Fernanda, pois ela veio conversar comigo sobre os meus pacientes. Na hora do almoço encontrei as meninas e os meninos no refeitório e de intrusos sentaram com a gente Leonan e Carlos Eduardo. Estava tudo até bom, não estava incomodando até a chata da Daniela aparecer e sentar ao lado do namorado. Não é por nada não, mas quando eles se juntavam eles se tornavam insuportáveis! 

Terminei de almoçar e sair dali da mesa para poupar meus olhos de ver coisas que não era obrigado à ver. Fui pra sala dos médicos e me deitei no sofá aproveitei para ligar pro Luan, que atendeu e no fundo estava uma algazarra!

— Boa tarde Helena! — um coro disse do outro lado.

— Meu Deus. — ri. — boa tarde gente! Luan?

— Oi amor, tô aqui. — ele disse parecia sair de onde estava, o barulho tinha diminuído.

— Onde você está?

— No apartamento.— ele riu. — Ta eu Bru, Ju,  a moça que ela trouxe, Marquinhos e o Léo.

— Só bagunceiros. — eu disse rindo. — está tudo bem?

— Sim tranquilo, estamos tentando entrar num acordo com o clouset. — ele dizia rindo. — quando você chegar estará pronto!

— Espero que inteiro né?

— Vai tá amor, vai tá! — ele deu uma risada gostosa. — você tá bem? Nosso neném?

— Sim, eu estamos bem. — sorrir alisando minha barriga. Já almoçou?

— Sim sua mãe veio pra cá junto com a minha e estrearam a cozinha.

— Se eu soubesse tinha ido almoçar. — ri. — amor, até mais tarde. Beijo!

— Beijo Lê, qualquer coisa me liga. Te amo.

— Amo mais!

Desliguei o celular e Dr. Carlos Eduardo entrou na sala, ele parecia me seguir, não era possível! Ele foi até seu armário ali, e eu continuei deitada mexendo no meu celular. Vi de relance que ele me olhava, e então o olhei. Ele colocou o jaleco e sorriu.

— Seria muito cara de pau de dizer que você ficou ainda mais linda, grávida? — ele disse indo até a máquina de café.

— Sim, seria. — disse. — Mas obrigado.

Ele riu. 

— Estou só brincando com você Helena. — ele tinha um sorriso encantador, não só o sorriso, mas ele inteiro era um Dr. e que Doutor! — você não fará mais cirurgias mesmo?

— Não, até quando voltar da volta da licença maternidade. — fiz bico. — será uma eternidade!

— Mas vai curtir o momento de ser mãe. — ele sorriu. — vai ser maravilhoso.

— Certeza que sim. — sorrir. — Hm, e sua filha Milena?

— Ela tá firme. — sorriu. — sou eternamente grato a você e ao Parker!

— Que isso fizemos o que pudemos. — disse me levantando. — manda um beijo pra ela. Bom, vou voltar ao trabalho, pois já já irei pra casa.

— Eu também. — ele abriu a porta e deu espaço para que eu pudesse passar.

Assim que saímos da sala os residentes fofoqueiros olharam para nós, pois no hospital minha fama não era muito uma das melhores. E as pessoas nem amavam tomar conta da minha vida né? Imagina só. Continuei e seguir até minha sala onde voltei a trabalhar atendendo meus pacientes. 

(…)

—  Helena que bom te ver novamente, seja bem vinda! — O porteiro do Alphaville acenou e deixou que eu passasse.

— Olá Seu Antônio! — buzinei e entrei.

Seguir para casa em minutos estava na frente do condomínio, onde me identifiquei e levei o carro até a torre onde era nosso apartamento. Estacionei e peguei o minhas coisas dentro do carro. Havia esquecido de tirar até o jaleco, só tiraria lá em cima. Ao descer do carro notei o do Luan ao lado do meu. Entrei no elevador e apertei no painel vigésimo quarto andar,  digitei uma senha que Luan havia me passado. 

Então entrei pela porta da sala e na minha sala encontrei minha mãe e sogra conversando.

— Boa tarde. — disse ao entrar, dei um beijo no rosto de cada uma.

— Boa tarde querida. — as duas disseram juntas.

— Cadê o pessoal? 

— Se eu não me engano estão finalizando agora. — minha mãe riu.

— Vou ver! — disse animada, pegando minha bolsa e fui para o segundo andar ao entrar no meu quarto, a cama estava impecável, e todo mundo jogado no chão, a tarde parecia ter sido dura! — Oi, alguém vivo?