Capítulo 94 — O tempo passa

13 anos depois…

Era uma tarde de verão, 16 de abril, estava sentada na sala ao lado de Luan, e Rober. Matando a saudade do velhos tempos. É Hoje, eles não trabalhavam mas juntos, quer dizer.. Dez anos depois, aos 43 anos, ele resolveu pegar uma “férias sem previsão de volta”, precisava de um tempo pra ele mesmo, para os filhos, que as vezes quando não entendiam, cobrava a ausência do pai._Que apesar dele dá o máximo de si, quando se tratava dos filhos, tinha que ser mais e mais..

– Lembra o que eu disse a 10 anos atrás Luan? —

– O que cara? — Ele olhou curioso.

– Que elas ficaria só aço! —  Gargalhamos olhando para Nicole e Clara, tirando fotos  em nossa frente ao celular.
tumblr_mzv25wdvtN1t63r9yo1_500
– Minhas filhas né cara! — Luan ria.
– Ai Luan, bobo!

É treze anos se passaram.. As crianças já estavam enormes, quer dizer não aceitam mais ser chamadas de crianças. Clara com seus dezoito anos  fazendo faculdade de fotografia. Breno e Nicole estavam com 16 anos, lindos, e estavam cursando o 3° ano. Luan com seus 38 anos e eu com 37. Luan não havia mudado nada, além do cabelo que não parava de mudar a cada 5 meses, auhausana’. Filha de Bruna, Ana Luíza estava com 12 anos enorme já, linda!

 Luan sempre fez de tudo que as crianças pedem, as vezes acho que as crianças até manhosas demais. Mas em compensação sempre tiram notas boas nas provas, são estudiosos. Clara descobriu que Luan não era pai dela com 9 anos que sua vó paterna a encontrou e disse tudo, aconteceu uma bagunça.. Mas quando contei toda verdade pra ela que no começo, o Fernando tinha feito. Ela não se importou, e pra ela o Luan é um pai, porque pai não é quem faz e sim quem cria, quem cuida, quem dar amor, carinho. Isso é ser pai! E tudo isso Luan foi pra Clara.

Estava na hora do almoço, sábado Luan não estavam em casa, estava na Central.

– Breno, Nicole e Clara, venham almoçar. 

– O mãe, hoje vamos no show do mu pai né? — Breno se sentou.

– Sim, vamos todos! — Sorrir. — Por que?

– Vou levar o Vitor? 

–  Sua sombra. — Ri.

– O Gui vai mãe! — Clara disse. Era namorado dela.

– Ah ele pode ficar não precisa ir. — Breno tinha ciúmes.

– Ai Bre, acho até graça! — Ela riu.

– E você Nick quem vai levar?  — Perguntei.

A Dani!! — Ela sorriu. Era sua melhor amiga.

– E aí Nick quando você vai me ajudar jogar umas ideias na Dani? — Ele riu.

– Breno você fala igualzinho o seu pai, quando era mais novo. Meu Deus! — Eu ri.

– Uai mãe, Nick tem que ajudar né?

– Sei de nada Breno. — Ri.

Breno era assim.

tumblr_mkclsnvkWr1rapmt8o1_500

Nick

tumblr_n0nft3yJWd1qlpts3o1_500

Clara

tumblr_myfi6bYlTT1s9fu0wo1_500

A tarde inteira sair com a Nick, fomos ao shopping compramos algumas coisinhas. Lá encontramos Bruna e Ana Luíza, nos divertimos o máximo.

– E como ta lá Bru?

– Tranquilo Lice, e Breno e Clara?

– Aqueles ali não sai mais comigo, apenas Nick.

– Cresceram!

– E como, nossa passou rápido demais Bru. 13 anos se passou cara. 

– Estamos ficando velhas.

– Não pensa nisso muié. — Ri. — Estamos bem nova ainda! — Ri.

Depois de mais algum tempo, voltamos pra casa era hora de arrumar pro show. Tomei um banho, me vestir.

BRUU 165

Nicole e Clara também se arrumaram.

2749100_Meu_look_blusa_de_tricô

tumblr_n2v8l5Y6861rhy30yo1_500

Breno

paaaarty look noite

– Vamos então?

– Borá! — Breno me abraçou. — Você ta gata hein mãe, fosse meu pai ficasse de olho.

– Mais? — Ri. — Vai comigo ou vai esperar o Guilherme filha?

– Vou esperar mãe. Beijo!

– Beijos! Vamos Nick, Dani e Vitor.

– Borá!

– E aí Dani, e os namorados? — Tinha que ser Breno.

Caímos na risada. 20 minutos depois chegamos no local do show, logo entramos pelos fundos e fomos pro camarim.

– Meu amor! — Abracei Lu e dei um selinho. — Saudades.

– Também meu amor. 

– E aí Brenão! E as gatinhas? 

– Uai pai tô de olho numa ai, sabe. — Daniele ficou  vermelha. Coitada! 

– Breno tarado! — Nick riu. — Oi papai.

– Oi moça, e as pernas de fora?

– Ta tampado até demais. u-u 

– E aí Vitor?

Rimos.

– Show já vai começar Lu?

– Sim, chegaram na hora! Cadê Clara? 

-Vai vim com o Guilherme, já deve está chegando, vamos pro camarote viu?

– Breno de olho na Nicole! — Luan disse.

– Por favor né Pai! — Nicole já ia saindo do camarim com Dani. — Beijo, espero vocês lá.

– Essa menina é terrível!

– Luan ela tem 16 anos, e terrível é teu filho.. que fica deixando a guria toda envergonhosa. — Ri.

– O começou sobrar pra mim. — Breno riu. — Tô fora, fui, bom show pai. Borá Vitão.

– Vou indo depois.

– É Luan, nossas crianças cresceram!

– Demais amor, saudades do tempo que eles ainda pediam colo.

– Passa rápido. 

Luan me agarrou de uma vez só e me deu um beijo.

– E o nosso amor a cada dia cresce! — Ele sorriu.

– Te amo.

– Te vivo neguinha.

– Ô Luan, na hora! — Marcio disse.

– Tô indo cara! — Luan disse.

– Vou lá amor, beijo. Bom show!

– Obrigado vida.

Deixei Luan no camarim e fui pro camarote. Sogra estava lá e o sogro também.

– Mari! — Sorrir.

– Oi Alice, tudo bem?

– Estou bem graças a Deus. — Sorrir.

– As crianças tão lindas viu.

– Demais né? — Sorrir. — Cadê a Bruna?

– Foi pro show do Breno hoje com a Ana.

– Ah sim!

 O show começou a galera ia a loucura, que adrenalina. Tirei fotos maravilhosas do camarote.  Uma música que está fazendo muito sucesso eram todasEle cantou ela junto com os fãs que dava eco, as vozes dos fãs apareciam mais do que os instrumentos e a voz do próprio Luan. Era uma adrenalina, uma coisa inexplicavelmente.  O show durou umas uma hora e cinquenta minutos. Estava com saudades de ir no show do Lu, era difícil por agora trabalhar como fotografa, e ter meu próprio estúdio.

– Vó!  — Breno a abraçou.

Quando as fãs viu Breno foram a loucura nossa!

– Eita, arrasando os corações das meninas hein!

´- Elas são lindas né? Vou investir! — Eu ri.

– Marizete, você lembra de quem quando Breno fala assim?

– Do Luan, mds! — Caímos na risada.

– Amanhã  vocês vão almoçar lá em casa viu? Vamos comemorar o aniversário do meu casamento.

– Opa vó! Pode deixar! Chama suas amigas viu Nick!

– Breno sossega!

Fomos todos pra casa juntos, rindo de Breno que só dizia merda! Clone de Luan, mds! 

Capítulo 93 — Quem é ela?

– Olha, olha! — Bruna me cutucou.

Breno atrás com um violão pequeno que Luan havia dado, pra ele.

– Awn meu Deus! — Sorrir. — Meu pequeno príncipe ali. — Apontei emocionada já.

Todos olhavam para Luan e Breno, Luan se sentou numa cadeira mais alta e Breno em outra ao lado do pai, estavam de frente pra mim.

– Gente hoje eu e Breno vamos fazer uma pequena homenagem pra nossa muié, não é filho?

– Sim  papai. — Breno sorria.

– Olha essa música eu fiz ela especialmente pra Lice, já cantei ela uma vez no show. E todos amaram a letra, mô é pra você!

 

– Nã nã nã, nã nã nã, nã nã.. Quem é ela? Encostada na porta de vestido cena ideal fotografia, olhando o infinito sem se preocupar. Será uma festa? aonde estou se for ela é dona, converso com outros mas ela é dona do meu olhar eu não consigo evitar. E descongela e se acende e passo a passo, a sala vira passarela ela vem.. Na minha direção como a primeira vez que capturou meu coração. Eu já sei seu nome tatuei na alma ela já é a musa de outras canções que eu fiz, eu já sei seus gostos, manias, desgostos e essa não é a primeira vez, que eu novamente me apaixonarei por ela.. — Ele tocava o solo no violão olhando pra dentro de meus olhos, eu estava encantada, Breno tentava tocar, batia os dedinhos nas cordinhas do violão, rs. Ele continuou. — Quem é ela? Que dorme em meu colo feito a Cinderela, que esfrega os pezinhos coisa bela que quando estressadinha gosta de brigar. — Ele deu um sorriso sapeca. Ri dele.    Quem é ela? Que faz eu esquecer que existe tempo, que faz eu me lembrar que o tempo é curto, me lembra pro que vale a pena trabalhar. E descongela e se acende e passo a passo, a sala vira passarela ela vem.. Na minha direção como a primeira vez que capturou meu coração. Eu já sei seu nome tatuei na alma ela já é a musa de outras canções que eu fiz. Eu já sei seus gostos, manias, desgostos e essa não é a primeira vez… que eu  já sei seu nome tatuei na alma ela já é a musa de outras canções que eu fiz. Eu já sei seus gostos, manias, desgostos e essa não é a primeira vez, e essa não é a última vez, e essa não é a primeira vez que eu novamente me apaixonarei por ela, quem é ela? que bela.. Quem é ela?  — Quando eles terminaram, Luan olhou pro Breno.

– Quem é ela filhão?

– Claro que é a mamãe! — Veio correndo me abraçar.

Eu estava emocionada, chorando.

– Meu amor, obrigado! — Abracei Bre e o beijava. — Amei, que perfeito. Vocês são tudo pra mim.

– E nós mamãe? — Clara e Nick vinham com um porta retrato, com uma foto de nós cinco no pátio todos sujos de tinta.

– Minhas princesas, amo vocês, vocês são essenciais, as pessoas mais importante na minha vida. — Sorrir. — Graças a esse homem! — Puxei Luan. — Que me deu presentes preciosos que são nossas crianças. — Dei um beijo demorado nele.

– Opa, papai parou! — Breno disse. — Porque ela é nossa também!

Todos nós caímos na risada.

A festa continuou.

Postei no insta.

“Grande surpresa dos meus amores, como eu amo! @luansantana e #Bre   Obrigado!”

tumblr_muoq9p1CTp1sanwz4o1_500

– Eu te amo muito sabia? — Sorrir. — Obrigado por me proporcionar momentos maravilhosos como esses Lu, Sabe sem você não dá mais. — O abracei.

– Você merece muito mais minha linda, você é toda perfeita. A mulher que eu me casei, a que eu quero por toda vida! — Ele mexia com meus cabelos. — Saiba que você é meu presente de Deus, eu amo você meu amor.

– Posso te dizer uma coisa?

– Hmm… que coisa? — Ele riu.

– Bobo! — Ri. — Eu te vivo! 

– Eu te respiro! — Então me deu um beijo por tempo suficiente para me tirar o fôlego. Quando recuperei o ar, o olhei sorrindo. — Minha vida.

Estávamos numa mesa perto da piscina, quando Nick chegou com Clara carregando-a.

– Mamãe.

– Oi Clarinha? — Sorrir, pegando Nick.

– Está com sono a Nick.

– Ok amor, obrigado por trazer viu? E seu irmão?

– Ta brincando com o vovô Diego. — Ela sorriu. — Vou na titia Bru.

– Vai lá. — Aconcheguei Nick em meus braços. — Ta cada dia mais linda né Lu?

– Nossos filhos são lindos, nossos amores, nossas vidinhas.

– Papai. — Nick disse.

– Oi meu amor?

– Eu gosto montão de você, sabia? — Ela dizia sorrindo.

– Ah é meu amor? E papai ama você um montão assim. — Disse abrindo os braços. — Muito mais, sabia?

– Eu sabia, sabe porque?

– Porque Nick?

– Porque a mamãe disse que eu, Clarinha e Bre somos essenciais, importantes, somos os amores de vocês. E vocês são nossos amores! 

Awn mds ❤

Sim meus olhos lacrimejavam, os dos Luan também. Ele deu um beijo bem gostoso na filha.

– E o que a mamãe disse é tudo verdade viu? Vocês são nossos anjinhos, as joias mais preciosas nas nossas vida. 

– Eu amo o papai e a mamãe. — Ela disse. Sorriu. — Amo muito também meus irmãozinhos.

– E nós vocês filha. — Sorrir. — Vamos dormir, agora? Vou deitar lá em cima com você.

– Vamos mamãe. — Sorria. — Boa noite papai.

– Boa noite princesinha, te amo.

– Também. 

Luan deu um beijo de boa noite na filha e logo depois em mim. Fui passando pela sala onde estavam todos conversando, subi pro quarto de Nick e fiquei deitada na cama dela até adormecer. Cantava baixinho músicas pra ela dormir,  fazendo carinho nela. Depois de quase meia hora ela finalmente dormiu. Nessa hora, Luan entrou no quarto, sem fazer barulho. Ele deitou do outro lado da Nick.

– Dormiu? — Ele perguntou baixinho.

– Acabou de dormir. — Falei baixinho também.

Luan fez carinho na Nick por um tempo.

– As palavras de Nick, foi lindas!

– Nossa pequena é muito perfeita. — Sorrir. Dei um beijinho me levantando. Luan também se levantou. Peguei cobertor da Nick e a cobrir.

Saímos do quarto e nos sentamos na sala e lá estava Breno conversando com todos, feito um tagarela. uhasuhas, Normal! 

– Eu vou cantar muito com o meu papai nos shows! — Todos prestavam atenção.

– Isso aí filhão, vamos cantar umas modas boa não é rapais? 

– É papai é sim, vamos cantar muito!

– Eita orgulho hein filhão! — Amarildo sorriu.

– Ah eu quero ser fotografa igual a mamãe, e quero ser modelo. — Clara dizia. 

– Família decidida essa hein! — Bruna sorriu.

– Isso é ótimo! — Sorrir.

O restante da noite foi agradável, super divertido.

 

 

 

Aviso!

Amores estou em semana de provas :/ . Assim que tiver um tempinho, posto o próximo aqui! Olha ta acabando, hein!!  E quero saber de vocês.. Depois dessa começo outra? Ou não? Vocês que sabem, deixem a opinião de vocês ai em baixo ↓, claro se quiserem outra quando essa acabar, já tenho mais ou menos uma ideia pra próxima, que irá ficar linda! O próximo capítulo ta muito perfeito, hein!  Hahaha, beijos amo vocês. ❤ – Izabella Miranda

Capítulo 92 — Diversos

– Fala logo Piroca! — Luan disse.

– Então.. eu estou grávida! — Ele disse toda sorridente.

– Awn meu Deus!! — Sorrir. — Parabéns Bru, que venha com muita saúde, que lindo cara! — Abracei ela. — Own!

– Vou ser titio! — Luan quase gritou. — Parabéns Piroca, awn já quero que nasça!

– Calma Pi! — Rindo. — Obrigado.

– E o Breno, seus pais já sabem? — Perguntei.

– Meus pais sim, Breno já deve está em casa. — Sorriu. — Já tenho uma surpresa elaborada.

– Hoje ele morre!! — Rimos.

– Papai. — Breno veio.

– Oi filhão?

– Sabe o que a Clarinha disse?

– Olha o fofoqueiro! — Eu e Bruna rimos.

– O que ela disse? — Luan pegou ele no colo.

– Que tem um namorado na escolinha. — Ele disse super sério.

– Como assim? — Luan o olhou, segurando o riso.

Eu e Bruna ria, entramos no carro.

– Ela disse papai, que ela segura na mão dele na escolinha, que eles se abraçam. — Breno contava tudo!

– Isso é verdade Clara? — Bruna ria.

– É sim tia Bru, ele é lindo sabe? — Eu tive ataque de risos.

O vidro do carro era escuro então não dava pra saber que era a gente saindo do Citi. Sair do estacionamento.

– Ele é gatinho Clarinha? Como ele chama? — Perguntei.

– Ele é viu mamãe. Ele chama Gui. — Luan olhou pra ela.

– Uai mocinha, como assim? Você tem namorado e nem leva ele lá em casa pra conversar comigo? Pra me pedir?

– Precisa não papai, a gente já ta namorando. — Olhamos pra ela e caímos na risada, risada de Nicole era a melhor.

– Mas gente se com cinco anos já está assim, imagina com treze, quinze anos. — Luan disse. — Namorar é só depois dos trinta lá em casa hein!

– Ai meu Deus, como aguentar? — Rimos. — Bruna vamos lá pra casa?

– Não, não fico aqui mesmo. — Sorriu. — Breno já deve ter chegado, vou lá. Beijos e obrigado!

– Beijo Bru!

– Tchau tia Bru.

– Tchau meus amores, Pi.

– Tchau piroca. — Bruna desceu e continuamos.

– E você princesinha porque ta quietinha hein? — Luan conversava com Nick.

– Soninho papai.— Ela coçava os olhinhos.

– Na hora que chegarmos em casa, todo mundo toma banho e dormir ta bom?

– A não! — Clara e Bre disse.

– A não é do tamanho de vocês. — Luan disse. — Chegamos!

Luan me ajudou a tirar as crianças da cadeirinha e Breno e Clara foram correndo na frente Nick em meu colo. Entramos em casa.

– Papai amanhã vamos jogar vídeo-game? — Breno disse.

– Vamos sim filhão, só que agora vamos pro banho?

– Borá papai. — Breno subiu junto com o Luan.

Clara me ajudou com o banho da Nick. Depois dei um banho em Clara e coloquei na cama, cobrindo-a que dormiu rapidinho. Desci na cozinha e Nené tinha deixado as mamadeiras no ponto pra mim. Levei pro quarto do Breno e da Nick que dormiram feito anjos também. Logo tomei meu banho e me deitei ao lado de Luan, que ficamos conversando e mexendo no celular e dormimos.

 

Acordei. Me levantei rapidamente para abrir a porta. Dei de cara com o Lu entrando, com uma bandeja na mão.

– Bom dia gatinha.

– Bom dia amor, deixa eu ir arrumar as crianças e da pra elas o café.

– Eita mô, calma muié. As crianças já estão brincando com D.Nené no parquinho do condomínio. Já tomaram café. — Ele sorriu. Vem tomar seu café vem! — Me puxou e me fez sentar na cama. – A mamãe mais linda do mundo tem que ficar bem fortinha! — Pegou uma colher com mamão, e fez aviãozinho até minha boca.

– Awn meu amor. Sinto falta de te dizer uma coisa… — O olhei.

– O que é? — Ele se aproximou.

– Eu te vivo. — Sorrindo.

– Eu que vivo você minha princesa. — Me deu um beijinho, super demorado.

Conversamos um pouquinho, enquanto tomava-nos café. Depois um banho me vestir.

30df1bc09f4411e3bc1b0e560c5e4f79_6

 

– Vamos nas crianças Lu! — O olhei.

– Vamos Lice.

Fomos até o parquinho e lá estavam eles brincando. Que lindeza, mds! Na hora que eles me viram vieram correndo.

– Ei meus amores. — Sorrir.

– Ei mamãe.

– Estão brincando muito é?

– Sim, vem papai e mamãe brincar com a gente.

Brincamos a manhã inteira com as crianças no parquinho.

– Vem mamãe me ajuda encontrar o papai a Nick e o Bre?

– Bora filha, será onde eles estão hein?

– Não sei.. Vem! — Ela me puxava, subimos a escada quando entramos no quarto quando fomos surpreendidas por travesseiros. Guerra de travesseiro. Que loucura!  uhsauhsaushaus.

– Vocês me pagam! — Ria.

– A mamãe é muito linda né amores? — Luan ria.

– Sim papai. — Breno pulou em mim.

– Eita lindão! — Sorrir. — E aí vamos continuar a brincar ou não?

– Borá! — Luan me abraçou, me dando um selinho. As crianças vieram com a gente.

A tarde foi só de diversão com o papai, a noite iríamos ter um jantar aqui em casa, com todos da família do Lu e da minha também, amigos, pessoal da banda.. todos juntos! Com a ajuda de Marla, Karielle, Bruna e Bia me ajudaram na decoração que ficou perfeito! Luan cuidava das crianças.

 

– Mamãaae! — Breno corria feito doido.

– O que é Bre?

– O papai, ta querendo me pegar, falando que é o bicho papão. — Breno fazia biquinho.

– Tinha que ser o Luan! — Eu olhei pro Breno.

– Eita crianção hein Pi! — Bruna gritou.

– Oque eu fiz?  — Ele ria.

– Ta imitando o bicho papão. — Breno disse.

Luan ria.

– Ô Luan! Vai tomar um banho e da um banho no Bre, ao invés disso!

– Já vou Lice.

Eles subiram.

– Não é fácil meninas. — Eu disse.

– Esse Luan! — Bia riu.

– Acabamos!! — Kari sorriu.

– Ficou tudo maravilhoso meninas, agora é só Nené, minha mãe e sogra terminar o jantar.. E nos arrumar, e tudo pronto. — Sorrir. — Obrigado gatas, não sei o que eu faria sem vocês hein!

– Que isso! — Marla sorriu. — Agora vamos nos arrumar, mas tarde voltamos.

– Espero vocês! — Sorrir, abraçando elas.

– Beijo Lice, vou lá em casa e volto.

– Ta Bru, beijo! — Sorrir.

– Então vamos Bia, nos arrumar amiga!

 

Subimos pro quarto, fui arrumar as meninas primeiro. Nick e Clara estavam em cima da cama de Clara brincando. Primeiro dei um banho na Nick, a vestir.

 

Bebella 5 

Clara

img-thing

Depois deixei elas vendo TV e fui pro banho, depois me vestir. 

5-_MG_2063

Breno   

tumblr_merm8tsapI1rlsypko1_500

Luan

????????

– Ei gatinha! — Luan me agarrou por trás. — Te amo tanto.

– Own meu amor, eu também te amo. — Sorrir. Me virei pra ele.

– Você ta maravilhosa. — Selinho.

– Gostou? — Ajeitando seus fios de cabelos.

– Preferia você fora dela.  

– Luan Rafael! — Ri.— Bobo!

– Vamos descer? Bora meus filhos?

– Vamos papai.

Fomos descendo elá estava sogros,meus pais, Bia e Arthur, Bruna e Breno. Estavam todos lindos! Algumas pessoas já haviam chegado, estava sendo servido champanhe. Estava tudo como eu queria, foi ficando cada vez mais tarde e todos já haviam chegado, estava super divertido.

– Luan mas essa mulher sua ta gostosa, viu. 

– Boa demais né Marla? – Luan sentou do meu lado e passou os braços à minha volta na minha cintura. Colocou a cabeça em meu ombro e olhou Marla do outro lado. Ele levantou as sobrancelhas e deu uma risadinha safada. Eu e Marla tivemos crise de risos. Só conseguimos parar quando Bruna me chamou, dizendo que o jantar seria servido. Virei-me pro Lu.

Me levantei e todos me olhavam, Luan disse em meu ouvido.

– Alguém está me seduzindo… – Ele disse rindo. Segurando o riso, me olhou de modo sedutor. 

– Cala boca Luan. — Falei baixinho rindo.. — Então gente, boa noite! É muito bom reunir a família as vezes assim, poder juntar todos num mesmo lugar e fazer um jantar tipo esse. A família de Luan, a minha família, nossos amigos, é uma coisa que é sempre divertido de fazer, compartilhar esse momento. Eu agradeço a todos vocês que vieram, que possam sempre voltar! — Sorrir. — E fiquem a vontade, o jantar está servido. 

Coloquei comida para as crianças e me sentei para dana boca delas, Bruna me ajudava com o Breno, enquanto eu dava a Nick. Terminando eles foram  brincar, era o que sabiam fazer. uhsuasush. 

Depois fomos jantar também, conversando com todos. Com as primas do Luan, com todos juntos. Estava muito bom tudo! 

Depois de um tempo. Me sentei com a Bruna e ficamos conversando, tiramos uma foto.

tumblr_n2v8bnw93B1ryif63o1_1280

“A irmã que eu não tive @brusantanareal, te amo! <3”

Quando de repente, Luan entrou com um violão e um buquê de rosas.

*O*

Capítulo 91 — Você é minha oxê!

Todos estavam ali com uma faixa escrita:”Bem vinda Alice, nós te amamos!” Estavam meus pais, sogros, banda, meus amigos. Que coisa linda tudo isso! Entrei sorrindo, e cada um veio me abraçando.

– Olha quem voltou! — Marla sorriu.

– Oi Mar, tô de volta! — Sorrir. — Ai gente obrigado viu, por todo esse carinho!!

– Ah que isso, você merece baixinha! — Bia me abraçou.

– Que saudades de você. — Abraçando-a. — Oi Arthur!

– Oi Lice!

– Bruuu! — Sorrir.

– Ah Lice, você minha linda! — Bruna me abraçou tão forte, que pedir ela pra desapertar um pouco, rs.

Depois de todos terem me abraçado me sentei no sofá, as crianças corriam. Luan do meu lado, me segurando, parecia ter medo de me perder, não sei… o dia foi super agradável comemoração da minha volta! Fãs de Luan tinham mandado vários presentes na portaria do condomínio de boas vindas, que fofas!

Peguei tudo e tirei uma foto, postei.

neymar-presentes

“Ameeei! Cada presente, cada cartinha.. obrigado pelo carinho de vocês viu?  Lindezaaas! <3”

Quando chegou a noite Bruna se sentou do meu lado e da Nick e tirou uma foto. Postou.

images (6)

Comemorando a volta da @alicebsantana, graças a Deus ela voltou! Amo demais! Olha a felicidade da Nick! <3″

 

 

Os dias foram passando e eu ficava a cada dia melhor, Luan havia ido viajar e deixou as ordens com D. Nené, eu teria que ficar deitada 24 horas por dia, quem aguenta? Meu Deus! Clara havia mudado de escola, estudava dentro de uma no condomínio mesmo, era melhor! Nicole e Breno brincavam, faziam arte o dia inteiro.

 

 

2 meses e meio depois… 

Eu havia me recuperado totalmente, e hoje iríamos pro show do Luan, sem ele saber! Passei a tarde toda com Bruna que também iria no show com a gente, brincamos muito com as crianças, fizemos a farra a tarde inteira na piscina.

Já era hora de nos arrumar pro show, Dei banho nas crianças.

Clara.

tumblr_medcfhfqfz1rnc639o1_1280_large

Nick

bebes-estilosos-11

Breno

tumblr_mi2au2fFh61rla705o1_500

Depois tomei um banho e me vestir também.

look sapatinha , como usar sapatilha

Logo fomos a caminho do show, como era o show no Citi em SP mesmo, fomos de carro. Chegando lá fomos direto pro camarote que seria em frente o palco, nos sentamos nas cadeiras que tinham ali. Luan não via as crianças por três semanas e também nem pensava ver a gente hoje aqui. Anunciaram o começo do show, Luan entrou cantou.. mas ainda não tinha nos reparado.

– Boa noite São Pauloo!  — Luan gritou. A galera ia a loucura gritando. — Eu quero saber quem ta solteira aqui hoje!? — Eu e Bruna levantamos as mãos rindo. — Opa! Perai, muié porque você ta levantando a mão? Você é minha oxê! O que vocês tão fazendo aqui? Olha ali rapais.

– Oi Lu! — Acenei rindo.

– É D. Alice! — Rindo. — E aí Bru.  Vem cá meus filhos, saudades de vocês. — Coloquei todos eles no palco com a ajuda dos seguranças.

– Ownt que fofos! — As fãs ficaram todas bobas com as crianças. 

– Uai rapais porque vocês não avisaram que viriam? — Luan olhou pra eles.

– Surpresa papai! — Nicole sorria.

– Ah é e essa ideia foi de quem?

– Da mamãe e da tia Bru. — Clara ria.

– E você Breno, ta cuidando dessas muié pra “nóis”?

– Tô papai, é só nossas! — haha.

Todo mundo riu.

– Amores eu tô muito feliz viu? Olha a Alice depois do que aconteceu é o primeiro show que ela vem, e ainda aparece de surpresa, é muita emoção. Vem cá amor! — Luan me puxou e o abracei dando um selinho demorado. — Vou cantar pro cê hoje. — Ele sorriu. — Traz o sofá ai Testa!

Rob trouxe o sofá junto com o Well. Rob me abraçou. Que saudades dessa galerinha.

– Opa rapais, num pega muito não!— Luan riu.

Me sentei no sofá da Donzela e as crianças do meu lado. Rob registrava cada momento, as fãs também.

“Ela é uma mulher menina que precisa urgentemente ser mais forte, ela quer alguém que leia seu sorriso antes de olhar o seu decote. Ela vê suas amigas se entregando ao primeiro que aparecer numa tentativa boba de se preencher. Garotas querem mais amor de verdade mais sinceridade, garotos são todos iguais têm necessidade, não passam vontade, mas tô aqui pra provar. Eu não te deixaria por uma aventura à toa nem te trocaria por qualquer outra pessoa, só pra matar a vontade, o crime não compensa. Garotas inocentes não merecem chorar por garotos que não têm a verdade no olhar… escolhi ser diferente, amor, só pra te amar. Garotas querem mais amor de verdade mais sinceridade, garotos são todos iguais têm necessidade, não passam vontade, mas tô aqui pra provar. Eu não te deixaria por uma aventura à toa nem te trocaria por qualquer outra pessoa, só pra matar a vontade, o crime não compensa. Garotas inocentes não merecem chorar por garotos que não têm a verdade no olhar… escolhi ser diferente, amor, só pra te amar.”

– Eu te amo princesa.

– Eu também te amo, Lu. — O abracei.

Voltamos pros nossos lugares e terminamos de assistir o show, que foi perfeito. Depois do show fomos conversar com  os fãs do Luan. Logo depois fomos pro camarim.

– Lu! — Sorrir.

– Princesa. E aí meus amores! Piroca!

– Oi Pi!

– Borá pra casa?

– Borá,ta de carro?

– Ahãm, borá?

– Borá! — Luan segurou minha mão, e fomos até o estacionamento. As crianças corriam na frente.

– E que história é essa de levantar a mão, quando eu perguntei quem estavam solteira hein?

– Uai — Ria. — Te amo Lu.

– Te amo né? Quero saber se o senhor Breno sabe disso!

– Meu bem, meu marido chega hoje! — Bruna riu. — Vou direto pra casa. Tenho novidades pra vocês.

– Conta pra gente! — Sorrir.

– Será que devo u-u.

Capítulo 90 — Alta

Minha mãe entrou no quarto antes que eu dissesse algo.

– Vou deixar você descansar Lice, vou levar as crianças comigo viu? — Luan falou, eu fiquei olhando ele por um tempo.

– Ah obrigado.. deixa com meu pai. Tchau meus amores. — Eu falei.

– Tchau mamãe, amanhã Luan traz a gente.. — Clara sorriu e me deu um beijo, Breno e Nick também.

– Papai? — Olhei pro Luan.

– Tchau am.. Alice, amanhã vamos voltar viu?

– Ok! beijo.

Luan saiu com meus filhos. Depois entrou minha mãe.

– Mãe. — Falei.

– Filha minha princesa, se lembra de algo?

– Não muito bem.. me diz quem é o Luan? É como se eu conhecesse ele de alguma forma, mas não lembro. Quando ele me olha, o seu olhar é diferente. Meu corpo vibra é como se ele fosse a minha metade.

– Alice, não precisa se esforçar tanto filha.  Você vai lembrando aos poucos das coisas, o que aconteceu? como e porque? — Ela me abraçou. — Ta ok?

– Só me diz.. quem é ele?

– Ele é seu marido filha, vocês são casados há 3 anos. E ele está triste por você não ter lembrado. Mas entende que é por causa do acidente. — Minha mãe disse aquilo e eu fiquei apavorada.

– Mãe chama o Luan!— Minha cabeça doía. — Corre!

Minha mãe correu pra procurá-lo. Quando ela voltou disse que já tinha ido embora, que com certeza voltava no dia seguinte. Com aquilo passei o resto do dia tentando lembrar das coisas.

A noite sentia muitas dores por causa da cirurgia me deram um analgésico e acabei dormindo.

 

Eu não consigo acreditar que Alice não consegue lembrar de mim, não consigo mesmo! Eu a amo demais, não consigo ficar longe, queria poder passar com ela esses dias no hospital, mas ela não consegue se e lembrar; porque tem que ser assim?”

– Papai. — Bre entrou no quarto.

– Oi meu filho, ainda acordado rapais? — Ele me abraçou.

– Deixa eu dormir com você.. — Ele sorria.

– Vem cá vem!

Deitei com o Bre que acabou dormindo rapidinho, rolei algumas vezes na cama. E acabei adormecendo.

 

Uma semana depois… os dias foram passando, eu sempre levava as crianças pra verem Alice no hospital. Hoje ela voltaria pra casa. Acordei cedo e dei um banho gostoso nas crianças com a ajuda de Nené. Terminando o banho vestir eles e me arrumei.

Tomamos café juntos e era hora de irmos pro hospital!

 

Já no hospital.

– Mãe, mãe!! — Chamava minha mãe.

– Oi filha o que é?

– Eu consigo lembrar o que aconteceu. Mãe eu salvei o Luan, eu lembro! O Fernando atirou duas vezes e eu recebi esses tiros pra salvar o homem que eu amo. — Eu sorria. — Mãe eu estou lembrando de tudo!

– Sim é isso Alice, que bom que está lembrando meu amor. — Minha mãe me abraçou.

– Cadê o Luan?  Cadê?

– Está vindo com as crianças, buscar você!

– Não diz a ele que eu lembrei, por favor.

– Ok, vai te entender. — Risos. — Aqui seu remédio, toma!

– Que felicidade.— Sorrir.

– E eu imagino essa felicidade. — Minha mãe sorriu.

– Licencinha. — Luan bateu na porta. — Posso entrar? — Ele sorriu.

– Ah! Claro Luan. — Sorrir.

– Mamãe! — Os três entraram felizes.

– Oi meus amores, que saudades de vocês, como vocês estão hein? — Sentada ali na cadeira com cuidado eles me abraçaram.

– Mamãe é verdade que hoje você vai embora com a gente?  — Nick perguntava.

– Sim princesinha, você quer que a mamãe vai?

– Ahãm. Eu, Clarinha, Breno e papai vamos cuidar de você em casa.

– Ah é? — Olhei pro Luan, que olhava tudo ali distraído.

– É uai. — Breno sorriu.

– Amorzinhos da vovó, venham aqui um pouquinho vem?

Eles foram tudo com a minha mãe pra fora.

– Só tenho a te agradecer viu? — Olhei Luan, ele me olhou sorrindo. — Por esse tempo todo cuidando dos três sozinho, porque não é fácil.. ainda mais três meses né?

– É o meu dever cuidar deles. — Luan sorriu.

– E de mim não meu amor? — Sorrir, Luan me olhou com um sorriso de orelha a orelha.— Sinto falta de você cuidando de mim também sabia? Sinto falta dos seus carinhos, seus beijos, teu abraço, de você!

– Alice você se lembrou de mim? Ai meu Deus! — Ele veio pra me abraçar, de uma forma carinhosa, me deu um selinho, outro e outro! — Eu te amo meu amor, eu te vivo, te respiro! Mulher da minha vida, você não tem noção o quanto eu estou feliz. — Ele me olhou.

– E eu mais ainda saber que vocês estão bem, que nada aconteceu naquele dia!

– É quase nada né.. — Ele me olhou feio.

– Mas Lu, estou bem olha. — Sorrir.

– Então bora pra casa? Todos estão lá te esperando!

– Todos? Quem?

– Banda! — Sorrir.

– Que saudades deles. — Sorrir.

– Oi gente! — Dr. entrava.

– Oi Dr. — Falei super feliz.

– Sua mãe me disse Alice é bom saber que conseguiu recuperar sua memória. Vim te da alta.

– Graças a Deus! — Falou.

– Então está liberada, Luan repouso absoluto pra ela viu? Levantar nem a pau! — Dr. riu.

– Ah não hein!

– Ta escutando né moça? — Luan me deu um beijo. — Pode deixar Dr, se depender de mim ela não levanta tão cedo.

– Isso aí. Melhoras viu Alice?

– Obrigado Dr, por ter salvado minha vida,muito obrigado!

– Que isso. — Ele sorriu. E se despediu saindo do quarto.

 

– Vamos pra casa então filha? 

– Agora mãe! — Sorrir. 

– Calma amor, vou te ajudar.  — Luan me levantou com muito cuidado. E foi me guiando até a porta do hospital. Quando chegamos na porta do hospital estava cheio de reportes, fotógrafos, as fãs do Luan. Rober primeiro levou as crianças pro carro e minha mãe também. 

– Alice como que é viver de novo? — Um  reporte perguntou.

– É uma felicidade imensa, é Deus! Senão fosse ele, eu não estaria aqui. — Sorrir. 

– Agora é curtir muito a família, amigos e todos que esperaram pela sua volta. — Outro disse.

– Isso mesmo, quero aproveitar o máximo possível com todos eles que torceram pra mim sair bem dessa, estou morta de saudades de todos, apesar foram 3 meses em coma, e hoje aqui me recuperando na boa.

– Já super animada pra voltar aos shows?

– Demais, mas isso é com o Luan. Né Lu? — Risos.

– Por agora não será possível. — Ele disse. — O máximo de repouso.

– Alice em nome de todos que te admiram, melhoras e a gente sabe o quanto você é forte e se recuperar rápido!

– Muito obrigado! — Sorrir. —Luan com a ajuda de Well m ajudaram a entrar no carro. Quando sentei meus filhos me abraçavam, que saudades desse carinho todo.

– Eita Lice, vamos melhorar pra fazermos muitas coisas legais hein!

– Ai Rob, vou recuperar rapidinho. — Sorrir. Pegando meu celular, e tirei uma foto com meus amores.

“Matando a saudades dos meus quatro amores, #Nick #Brê @clarabsantana & @luansantana.. Agora é só repouso, obrigado por todo carinho, todos recados pra mim, só tenho agradecer a Deus que me devolveu a vida. Obrigado meu Deus!”

Tirei uma com o Testa.

“Olha aí meu amigo parceiro, veio com o Luan me buscar! @roberlelis Vou melhorar rapidinho, pra bagunçarmos Testinha, te amo!”

“Muito mais que um dia eu sonhei pra mim… @luansantana meu amor eu te amo, com todas as forças que há no mundo inteiro. Nada e ninguém pode separar o que Deus uniu! Te amo. Voltando pra casa com ele! ♥”

tumblr_n2901ueH2D1rcrcdeo1_1280

Chegamos em casa e com a ajuda de Lu, me ajudaram a descer do carro. Fomos andando devagar conversando, quando abrir a porta. Que susto! Oo

Capítulo 89 — Recordando

– Oi gente! — Luan entrou com todos da banda, que também iriam pro hospital. Eu estava super mal.

– Papai Luan! — Clara e Bre e Nick, pularam no Luan.

– Papai que dia vamos ver a mamãe, tô com saudades dela.. Ela não vai voltar mais? — Clara me olhou.

– Vou levar vocês nela hoje. — Eu disse, segurando pra não chorar perto dos três.

– Oba! Vamos ver a mamãe. — Breno gritou, pulando.

=[

– Ei tia Marla. — Clara abraçava a madrinha.

– Vamos então? — Minha sogra disse.

– Não tem outro jeito.. — Bruna me abraçou.

Fomos todos na van, todos em silêncio.. a não ser as crianças que estavam super felizes ao ver a mãe, que há três meses não a viam. Mesmo ela não respondendo, não mexendo eu teria que levá-los, não poderia deixar desligar os aparelhos sem pelo menos eles verem ela pela última vez. Não era fácil nem pra mim, muito menos pros pais da Lice. Chegando no hospital entramos todos por trás. Na sala de recepção ficamos todos ali, até o Dr. Vim. Quando ele apareceu, disse que poderiam entrar de dois em dois. E assim foi, o pessoal da banda primeiro, meus pais, Bruna e Caio, e os pais de Alice. Por último ficou eu e meus filhos, que entraríamos juntos.

 

– Filhos não podem gritar ta bom, a mamãe de vocês estão dormindo e não podemos acordar ela. — Eu chorava quando entrei na sala com os três e vi mais uma vez aquela cena, vê ela encubada é como se tirasse um grande pedaço de mim. — Oi meu amor, princesa nós te amamos. Olha nossos filhos vieram visitar você hoje.

Eu chorava.

– Mamãe você tem que voltar pra casa uai, temos que brincar com meus irmãozinhos. — Clara dizia. — Tô ajudando o papai cuidar do Bre e da Nick, sabia? Por que você não fala comigo mamãe? Eu quero conversar. Mexe a mão, mamaãe! — Ela insistia.

É dolorido ver essa cena.

Fiquei mais um tempo com minha esposa, mas a hora havia chegado…  Porque os pais dela teria autorizado a fazer isso? Eu não vou aguentar viver sem minha esposa. Peguei meus filhos, eles deram um beijo na Alice, dei um beijo demorado.

– Eu te vivo eternamente minha Alice. — Beijei-a.

Me virei.

– Vem Clara.

– Não papai,  eu não vou.. a mamãe mexeu o dedinho olha! — Quando Clara disse isso, me virei novamente para Alice.

– O que?

Uma criança de cinco anos? Só poderia esta falando mentiras, mas meus filhos sempre disseram a verdade.

– Filha vem meu amor, temos que ir. — De repente Alice mexeu uma das mãos, sim era verdade!! — Ai meu Deus! Alice, meu amor , Licinha, se tiver me escutando mova as mãos novamente. — Nada.. — Da algum sinal Licinha. — Mexeu a mão esquerda.

Corri e chamei o Dr. que veio correndo.

– O que foi Luan?

– Dr. a minha esposa moveu as mãos.

– Isso é impossível! — Ele disse.

– Não é, eu vi com meus próprios olhos. — Eu sorria.

– Vou examiná-la.

– Ok! Vem cá meus amores, sentam na cadeira ali e espera.

– Ta papai.

– Alice se você me escuta, mova algo, da um sinal. — Dr. disse.

Nada!

Eu implorava pra tudo aquilo não ser coisa da minha cabeça.

– Alice se estiver me escutando dá algum sinal.. — Eu observava junto com o médico até que… ela movia os dedos das mãos. E acordou bem devagar, abria os olhos piscando várias vezes.

– Isso é inacreditável!

Dr. correu e chamou os outros médicos e enfermeiros. Eu agora chorava de felicidade!! Aquilo era tudo o que eu pedia pra Deus todas as noites antes de dormir.

Todos ficaram admirados com o que viam, começaram a tirar os tubos dela me pediram pra sair da sala junto com meus pequenos. E iriam fazer alguns exames. Fui correndo da notícias a todos que choravam!

– Gente! A Lice, a minha menina, a minha esposa ela acordou!

– Como é Luan? — Sogros me olharam.

– Isso mesmo! Ela acordoou.

Não sabia como esconder essa felicidade, eu estava muito feliz, abraçava meus filhos.

Já na sala onde Alice estava.

 

– Onde eu estou? — Levei a mão na minha cabeça. — Ai! Que dor.. Quem são vocês? — Meu corpo inteiro doía.

– Acalme-se Alice, preciso que você mantenha a calma, pra eu poder te examinar..

– Quem são vocês? Porque eu vim parar aqui?

– Acho melhor comunicar ao marido dela Dr. — Uma mulher disse, com certeza enfermeira.

– Marido? Eu não tenho marido! — O que essas pessoas estavam falando? — Chamem meus pais, quero eles, quero meus filhos. Eu não tenho marido!

– Dr. os batimentos dela estão aumentando, é melhor da um calmante.

Aplicaram um calmante em mim. E vi um deles saindo da sala.

 

– Pais de Alice?

– Somos nós!

– Ela está chamando os pais e os filhos. — Ele disse.

– E eu? — Olhei Dr.

– Luan ela não lembra de você..

– Como assim?

– Ela não se lembra que tem marido, está tudo muito recente, é a batida que ela levou na cabeça.

– Não, não pode ser! Quero ver minha esposa.

– Por favor Sr. Luan.. — Eles saíram.

 

Me sentei no banco ali e me deitei a cabeça sobre minhas pernas, meu mundo desabou.

– Luan… — Marla me abraçou.

– Ela não se lembra de mim Marla, o que eu vou fazer?

– Luan ela acabou de acordar, como o Dr. disse tudo muito recente.. É bom não força ela pensar, pode causar coisas piores. — Marla me acalmava.

– Mas me diz porque lembrou dos pais e das crianças? De mim não? — Eu chorava feito criança.

– Luan ela vai lembrando aos poucos. — Marla disse.

Minha mãe se sentou ao meu lado, disseram que Alice iria ficar em observação. Era a minhaz vez de entrar no quarto.

– Papai. — Nick gritou, quando entrei.

– Oi princesinha. — Sorrir. — Oi Alice.

– Oi? Quem é você? — Ela me olhou.

– Eu sou seu mari… Seu amigo. — Sorrir forçado. — Ta se sentindo melhor?

– Amigo? Ah..  Estou com dores..

– Vai passar princesa. — Beijei sua testa.

– Você é casado? Essa aliança, pera é igual a minha? Como assim?

– É que…

– LUAN NÃO!

Capítulo 88 — Altos e baixos

1 semana depois…

 

– Luan você tem certeza que quer ir ao show? — Rober me olhou.

– Sim, e as crianças também vão comigo, D. Nené vem com a gente! — Falei.

– E a Lice? Como ela está?

– Do mesmo jeito Testa, não acordou, não se mexeu, nada! Tá difícil sem ela cara. — Olhei pro porta retrato em cima da escrivaninha no quarto. Uma foto minha junto com ela e nossos filhos.  — As crianças perguntam sempre dela, isso me doí e sei que também doí neles.. eles sentem falta!

– Como nós também sentimos Luan, mas quanto menos esperar.. você vai ver, ela vai estar com a gente novamente. — Rober segurou em minhas mãos com força. — Amigos são pra essas coisas, pro que precisar! E você já sabe.

– Valeu Testa!

– Papaaai! — Nick gritava.

– Oi princesa!?

– O Breno, não quer deixar eu brincar de massinha também.. — Ela fez biquinho.

– Breno!! — Chamei.

– Oi papai. — Ele apareceu.

– Deixa sua irmã brincar também uai cara, você não disse que vai me ajudar a cuidar das nossas princesas até a mamãe voltar.  — Sorrir.

– Sim ué,vem Nick vem! — Ele riu.

Eles voltaram pra sala de brinquedos.

– Você leva jeito Luan!

– É Testa, até que a gente da um jeito. — Risos. — Tipo hoje Clara foi pro shopping com a Piroca, só estão os dois que brigam toda hora.

– São crianças Luan, normal! — Rimos. — É eu não iria te contar, mas pra te deixar mais calmo, Fernando foi presso ontem, conseguiram achar ele!

– Minha vontade é de fazer sei lá o que com esse cara, viu!

– O que ele fez, já está pagando Luan.

– Mas o que ele fez com minha mulher, não tem explicação.. não tem o porque, sorte vai ser se ele ficar o resto da vida dele na cadeia. Se não…

– Se não nada rapais! — Rober me olhou. — Passo aqui mas tarde, pra irmos pro show.. Não se atrase.

– Não irei Testa, valeu pela ajuda!

Testa foi e eu fui sentar e vê Breno e Nicole brincar. Peguei meu violão e ali continuei sentado, tocando algumas notas.

“É como se um buraco negro morasse dentro do meu peito, desde que ela levou os tiros nada mais faz sentido. Acordar todos os dias e demonstrar felicidade não era fácil, eu só conseguia ser verdadeiro quando estava ao lado dos meus filhos e era isso que eu estava fazendo, ficando ao lado deles o máximo possível. Ela da sentindo em minha vida, o que eu fui fazer? Porque deixei ela entrar na frente? Sinto tanta falta dela, não sei mais o que fazer quando meus filhos perguntam sobre. Isso a cada dia que passa acaba comigo, e eu espero pelo tempo que for, por que ela sim é a minha vida!”

O show a noite foi normal, levei as crianças que na maioria das músicas sentaram no palco e viram tudo de pertinho. Junto com Bruna e Nené que olhavam eles. Marla sempre me ajudando nos momentos que não estão sendo fácil. Músicas em que me emocionei cantando. Sim, não era nada fácil! Não era :c.

No outro dia cedinho fui pro hospital visitar Alice, que continuava o mesmo estado. Fiquei durante uma hora lá, seus pais estavam ali sempre presente. Cantei pra ela, contei coisas sobre nossos pequenos, sim pra mim ela estava realmente me escutando. Os shows estavam sendo só em São Paulo, todos os dias eu visitava Alice e quando voltava pra casa, ficava o dia inteiro com meus amores e a noite o show.

 

 

A cada semana que se passava era mais difícil continuar com essa história, as minhas fãs perguntavam todos os dias sobre o estado de saúde de Lice, porque não postam mais nada sobre ela.

Hoje sábado passeie com as crianças, Bruna, sogra e minha mãe. Fomos num parque não muito movimentado, e brincamos a tarde inteira no parque, fizemos um piqui nique, tiramos fotos foi um dia super divertido. A noite depois de colocar as crianças pra dormir, me deitei na cama me abracei com o travesseiro da Alice, e ali  meus pensamentos começaram a fluir, minhas lágrimas desciam pela minha face facilmente.

“Só em pensar que ela podia ter morrido por algo que não tem nada a vê já me um desespero, eu sou o culpado. Por mais dolorido que seja pensar nisso, e se ela não acordar? Fernando esta acabando com todas as coisas que eu amo, com a minha vida aos poucos. Mas eu vou me vingar, não só por mim, mas por ela.”  pensava sozinho enquanto estava ali deitado.

Dormi em meios esses pensamentos.

No outro dia..

– Bom dia Luan!

– Bom dia Nené.

– Dr. Ligou, pedindo que fosse hoje ao hospital.

– Disse algo?

– Não apenas só pediu, para que fosse.

– Ok! As crianças?

– Comigo! — Bia amiga de Alice entrava na cozinha com os três, bagunceiros. uhsauhsa’

– Bia! — Sorrir. — Que bom que você veio, cadê o Arthur?

– Estou aqui, viemos ajudar você meu irmão. Sabemos o quanto está precisando.

– Obrigado gente, estou precisando mesmo.

Tomamos café todos juntos e depois fui me arrumar pra ir ao hospital. Chegando lá fui logo ver Lice, que ainda respirava por ajuda de aparelhos. Aquilo me doía! Depois de mais ou menos meia hora, Dr. veio me chamar.

 

– Luan, temos uma coisa não muito agradável a falar com você.

– O que é, Dr.? Não me diga..

– Olha já tem um mês e meio que sua esposa não dá nenhum sinal de vida, quase três meses. E é difícil ter que te disser, mas se ela não acordar até completar os três meses, vamos ter que desligar os aparelhos. — Ele disse.

– Não Dr. pelo amor de Deus, eu te imploro! Isso não. — Meus olhos lacrimejavam.

– Luan quem sofre ali é ela!

– Mas não pode, temos nossos filhos que perguntam dia e noite por ela. Eu não aguentaria essa dor toda, isso não pode ser..

– Conversei com os pais dela que também ficaram apavorados, mas é o único jeito!

Fiquei procurando um jeito de tirar isso do Dr, mas foi em vão. Com Rober e o Well voltamos pra casa, lá estava Marla que quando eu preciso está sempre ao meu lado. Até porque as crianças eram apaixonadas por ela. Eu não estava preparado pra isso!

 

– Luan ela vai acordar, conheço minha amiga ela é forte! — Bia sorriu, me passando uma confiança. — Vai tranquilo pro seu show, já que realmente quer ir, ficaremos com as crianças esses dias que você estiver fora. Qualquer coisa avisamos a você, fica tranquilo.

– Obrigado Bia e Arthur, vocês eu sei que posso confiar! São amigos verdadeiros nossos. — Abracei eles. Dei um beijo nos meus pequenos e fui pro aeroporto com Rober e Well que me esperava na porta de casa.

 

 

1 mês e meio depois…

– Vovó, papai chega hoje? — Nick perguntava.

– Sim meu amor.

– Hoje iremos despedir de uma pessoa super importante. — Bruna chorava.

– Porque você ta chorando tia Bru?— Clara olhava Bruna.

– Nada não Clarinha.

Os pais de Alice chegaram na casa, super triste. Sim hoje desligariam os aparelhos respiratórios de Alice. =[

Capítulo 87 — Desespero

Cair no chão batendo a cabeça, tudo ficou escuro.

 

– Alice, meu amor, pelo amor de Deus acordaa! — Eu estava desesperado. Clara chorava, Fernando havia desaparecido. Peguei Clara colocando a no carro, liguei pra ambulância explicando tudo, eles estavam a caminho. Várias pessoas tiravam fotos, e olhava. Os tiros acertou na região do abdome e o outro na perna. Eu chorando, quando a ambulância chegou, colocando ela rapidamente na maca, e levando pra lá. Entrei no carro, coloquei Clara na cadeirinha, eu fui atrás. Liguei pra polícia, falando tudo, eles estavam atrás de Fernando.

– Papai o que aconteceu, com a mamãe? — Ela chorava.

– Nada pequena nada.

– Então não chora papai. — Clara disse, e eu comecei a chorar mais.

Meu celular tocava.

 

– Luan, Luan! — Bruna dizia desesperada. — Fala que isso é mentira!

– Eu queria que fosse, Bru.. — Falei. — Tô chegando no hospital, avisa por favor os pais da Lice.

– Pode deixar Pi. — Bruna desligou, parecia chorar também.

 

Peguei Clara e com ajuda de alguns seguranças, passamos por vários fotógrafos que faziam várias perguntas,tiravam fotos. Entrei com Clarinha e fiquei na sala de espera, já não sabia onde estava Lice, estava aflito, com medo, nervoso, chorando. Quando vi pais de Alice e meus pais entraram no hospital correndo e Bruna atrás.

– Luan! — Bruna me abraçou.

– Porque ela? — Eu chorava.

– Luan o que houve? — Stella me olhou ela chorava, querendo ver a filha. — Quero vê-la!

– Stella ela entrou na frente dos tiros, que iriam me acertar.. — Minha voz quase não saia. — Fernando atirou duas vezes, e ela caiu batendo a cabeça no meio fio. Eu sou o culpado, eu sou!

– Não Luan, não se culpe.. — Sogro me dizia. — Minha filha é forte, ela vai sair dessa.

 

Bruna ficou com Clara, as horas foram passando e não tinha nenhuma notícia de Alice, eu estava sem chão. Bruna voltou com Clarinha pra casa e minha mãe, ficando meu pai e os sogros. Depois de uma madrugada sem notícia nenhuma, quando era cinco da manhã um Dr. apareceu.

– Família de Alice Bittencourt Santana? — O olhei.

– Somos nós, como ela está? Está bem?

– Fizemos tudo o que a gente pode…

– Ai meu Deus. — Sogro disse.

– Minha filha Dr. diz que ela ta bem!

– Olha fizemos uma cirurgia de emergência, ocorreram três hemorragias, mas está tudo bem. Mas ela chegou inconsciente, por ter batido a cabeça no acidente. Ela vai pro UTI, não sabemos quando irá acordar, o caso dela é sério.. e infelizmente está em coma. — Quando ouvir aquilo, fosse como se tudo tivesse parado.

– Minha menina em coma? — Sogra chorava.

– Não, não pode ser Dr. — Falei desesperado. — Eu quero vê-la!

– Desculpe senhor, fizemos tudo o que podíamos. E sim mas tarde, vocês poderão vê-la. Licença!  — Ele saiu.

– Stella. — Eu disse. — Me desculpa.

– Desculpar Luan? Você não tem culpa.

– Tenho, eu tenho. — Falei. — Não poderia ter deixado ela entrar na minha frente, não deu tempo de tirá-la foi tudo muito rápido!

– Luan se aconteceu, não foi por sua causa. — Ela me abraçou. — Eu sei o quanto você ama a Lice, e sei o quanto ela ama você.. E dito e feito ela sempre disse que daria a vida dela pela sua, nunca duvidei de nada que minha filha falou.

– Ela não podia ter feito isso! Eu amo aquela mulher, ela é tudo pra mim. Não posso perde-lá.

– Não vamos. — Sogro me abraçou. — Não vamos.

 

As horas foram passando e o Dr. disse que podia entrar de um em um. Primeiro quem entrou foi os pais dela, quando entrei olhei pra ela toda encubada, meu coração doía de ver. Segurei em suas mãos dei um beijo em sua testa.

– Eu te amo. — Sussurrei. — Nunca vou te deixar.. Eu vou estar te esperando viu? Com nossos filhos. Fica tranquila cuidarei bem deles, por você viu mamãe. Fica bem minha linda, melhore logo pra voltar pra casa com nós.  — Alisava suas mãos macias. — Eu te amo e é muito, volta logo pra gente brincar muito.

– Luan o tempo.. — Dr. disse entrando no quarto.

– Dr. por favor…

– Não posso! — Ele disse. — Desculpe.

Voltei a olhar minha mulher e eu havia começado a chorar novamente, dei um beijo na testa dela e bem baixinho, disse.

– Te amo princesa, estou te esperando. — Dei outro. Sair do quarto, era como se estivesse um buraco um vazio em meu peito.

Quando sair meu pai me abraçou forte.

– Seja forte meu filho, você tem seus filhos em casa, você tem que voltar.. da atenção, carinho, amor o que eles merecem. — Meu pai foi dizendo.

– Eu quero ficar com ela.

– Isso não será possível Luan. — Sogro apareceu.

– Porque não Diego? — O olhei.

– Dr. disse que não sabem quando ela pode acordar, pode demorar semanas, meses ou até anos… — Quando ele disse isso, minha vida tinha acabado ali naquele instante.

– Não, não pode ser! Eu não aceito isso, eu não aguento sem ela.

– Luan nós somos fortes estamos todos sofrendo, mas como seu pai disse.. tem as crianças em casa precisando de você, da gente. Você não pode dar um de vencido, não podemos desistir.. temos que continuar.   — Sogra disse.

– Como saberei dela? Como?

– Avisaremos a vocês tudo! — Dr. disse.

– Ok! Vamos Luan.

– Não sei se posso..

– Luan.. ficar é o que você não pode, vamos? 

 

Uns 30 minutos depois…

– Papai! — Os três vieram correndo pra cima do Luan.

– Oi meus filhos. — Segurava o choro.

– Cadê a mamãe? — Clara perguntava.— Cadê?

Olhei pros meus pais que entravam por trás de mim.. Eles me mandaram subir e tomar um banho, olhava as crianças, sem responder Clara entrei no quarto, olhei o sapato da Alice no pé da cama do lado onde ele dorme. Nisso eu já estava chorando, e tudo aquilo doía, queria minha esposa, minha vida com a gente. Por quê? Por quê ela? Tomei um banho e me sentei no quarto de brinquedos com minhas peças preciosas, biricamos o dia inteiro.. e os três não paravam de perguntar um segundo, onde estava a mãe.

Eu apenas ficava calado :(.

Capítulo 86 — Terror, susto!

– Com quem? Isso não pode ta acontecendo!! — Me desesperei.

– Calma Alice, pelo amor de Deus!

– Calma? Como você pede isso pra mim? Minha filha some, e você me pede calma? — Gritando, e chorava ao mesto tempo. — Quem pegou ela? Quem?

– Um homem.. — Ela disse.

– Como vocês entregam minha filha nas mãos de um desconhecido, eu já falei que é só eu  o Luan e a babá. Apenas!

– Ele disse que era tio dela, e ela o reconheceu.. pensei que não tivesse problemas!

– Ai que ódio! — Limpei as minhas lágrimas. Discando pro Luan, eu tremia de tanta raiva, medo, com certeza seria Fernando.

 

Luan atendeu.

– Luan me ajuda! — Falei desesperada.

– O que é Lice? Que voz de choro é essa?

– Amor Clara não está na escola. — Chorando.

– Como não? Quem pegou a Clara? Quem?! — Ele estava nervoso.

– Não sei Lu.. — Soluçava de tanto chorar. — Eu quero minha filha!

– Eu vou pra ir! — Ele disse.

– Não Lu, não vem! Eu vou pra casa.

– Isso é coisa do Fernando Alice, coisa do Fernando! — Luan desligou.

 

– Isso não vai ficar assim! — Falei pra uma das professoras. Sair entrando no carro, pela minha cabeça passava tudo, Fernando por que ele está fazendo isso? Porque?!! Meu celular vibrou.

 

Uma sms.

Eu te avisei!”

Devolve minha filha, pelo amor de Deus! Fernando as coisas não precisam ser desse jeito! Eu vou com você pra onde você quiser, mas devolva a Clara!”

Ele não respondeu. Chegando em casa desesperada, já havia carro de polícias em frente de casa. Entrei correndo, quando Luan me viu me abraçou correndo, e nos braços dele chorei mais ainda, Luan me apertava forte. E ia tentando me acalmar, Breno e Nicole sem entender o que estava acontecendo e me abraçou.

– Não chora mamãe. — Nicole disse.

– É mamãe moça bonita, não chora. — Breno me abraçou.

– Meus amores. — Sentei eles no sofá e um dos policiais veio.

– Senhorita, você sabe quem pode ter sequestrado a filha de vocês?

– Sim!! O Fernando, ele sequestrou minha filha! Foi ele! — Começava a ficar nervosa novamente.

– Amor calma. — Luan me abraçou e Nené me trouxe um copo com água. E saiu com Breno e Nicole pro quarto de brinquedos.

– Vamos fazer o seguinte se ele te ligar, tentaremos rastrear, mas você tem que fazer a ligação durar, e sem ele perceber.. sobre.

 

Campainha tocou. Era meus pais, Bruna e Breno e sogros.

– Minha Alice! — Minha mãe me abraçou.

– Por que ele ta fazendo isso mãe? Por que?

– Filha vamos pegar a Clara, calma.

– Não consigo manter a calma!

– Eu vou atrás desse Fernando e vou acabar com ele! — Meu pai foi em direção a porta, corri até ele.

– Paaaai! — Gritei. — Não vai! Ele não quer você muito menos minha menina, ele quer é a mim.

– Mas isso ele nunca vai ter! Isso nunca! — Luan já ficava nervoso.

– Se acalma gente, isso só ta deixando todos mais nervosos. — Sogra disse.

Meu celular tocou. Corri pra pega-lo.

 

– Alô, alô? — Falava. — Alô?

– Oi Lice. — Ele riu.

Era ele!

– Fernando eu te peço, te imploro, me devolve a Clara e me leva com você. — Luan já ia disser algo, tampei a boca dele rapidamente.

– Você irá fazer essa troca?

– Tudo por minha filha! Como ela ta? Deixa eu falar com ela, pelo amor de Deus, não faça nada com ela!

– Não irei fazer nada com minha filha, estamos passeando, curtindo todos esses tempos que não passamos juntos, que não vi ela crescer, contando pra ela toda a verdade.. — Quando ouvir isso..

– Nãaaaao! Não diga nada a ela, não agora! Ela não entende isso, para não faz isso com minha filha, eu te imploro.

– Você que escolheu assim..

– Não você que quis assim, tenha a certeza! O único culpado aqui é você!

– Não, e se quiser fazer a troca só vai você e o Luan, amanhã no endereço… — Ele disse eu anotei.. — Sem policiais, só os dois! — Desligou.

 

Olhei pros policiais, sem sucesso! Contei tudo pra eles, Luan disse.

– Acabo com esse cara amanhã!

– Luan não. — Falei baixinho, e me derramei a chorar.

Não quis almoçar estava sem fome alguma, tomei um banho pra esfriar a cabeça e fiquei ali na cama sentada  ao lado de Breno e Nicole que vinha DVD. Sem minha princesa aqui é como se, tirasse um pedaço de mim, é um vazio! Eu chorava, Bruna entrou no quarto.. já eram umas dez pra seis da tarde.

– Lice.. trouxe um suco com um sanduíche pra você.

– Obrigado Bru, mas estou sem fome.

– Não perguntei se você está sem fome, eu trouxe e é pra você comer. — Ela disse.

– Bru.. por favor.

– Então pelo menos o suco.

– Ok!— Disse pegando o suco. — Eu tô sem chão.

– Eu sei meu amor, mas pensa comigo.. Breno e Nicole estão aqui e amanhã Clara precisará de você, e pra você não passar mal tem que se alimentar.

Olhei Bruna.

– Eu sei, mas obrigado Bru. — Bruna deu um sorrisinho torto e saiu do quarto.

Logo após ela sair, veio Luan.

– Meu amor. — Ele se sentou do meu lado.

– Não tô aguentando Lu, ta doendo.. — Meus olhos lacrimejavam.

– Eu sei, doí e muito em mim também.. nós vamos pegar nossa menina amanhã.

– Não consigo até amanhã, não dá.

 

Meu celular tocou novamente atendi.

– Clara está chorando! — Foi o que eu escutei.

 

– Deixa eu falar com ela, por favor. — Falei quase chorando.

– Vem Clarinha. — Ele disse.

– Mamãe, mamãe vem me buscar! — Ela pedia.

Minha voz não saia, meu coração tava na mão.

– Meu amor eu vou te buscar, tô com saudades de você demais, e o papai também. Você tá bem?

– Tô mamãe, só estou com saudades de vocês..

– Passa pro Fernando filha.

– Ta eu te amo.

– Eu também.

– Tô indo busca-lá agora!

– Nem vem, eu não levarei!

– Ou você leva por bem, ou você leva por mal.. você que escolhe.. Daqui 30 minutos no local! — Desliguei. 

– Deixa eu falar com ela, por favor. — Falei quase chorando.

– Vem Clarinha. — Ele disse.

– Mamãe, mamãe vem me buscar! — Ela pedia.

Minha voz não saia, meu coração tava na mão.

– Meu amor eu vou te buscar, tô com saudades de você demais, e o papai também. Você tá bem?

– Tô mamãe, só estou com saudades de vocês..

– Passa pro Fernando filha.

– Ta eu te amo.

– Eu também.

– Tô indo busca-lá agora!

– Nem vem, eu não levarei!

– Ou você leva por bem, ou você leva por mal.. você que escolhe.. Daqui 30 minutos no local!

 

– Deixa eu falar com ela, por favor. — Falei quase chorando.

– Vem Clarinha. — Ele disse.

– Mamãe, mamãe vem me buscar! — Ela pedia.

Minha voz não saia, meu coração tava na mão.

– Meu amor eu vou te buscar, tô com saudades de você demais, e o papai também. Você tá bem?

– Tô mamãe, só estou com saudades de vocês..

– Passa pro Fernando filha.

– Ta eu te amo.

– Eu também.

– Tô indo busca-lá agora!

– Nem vem, eu não levarei!

– Ou você leva por bem, ou você leva por mal.. você que escolhe.. Daqui 30 minutos no local! 

 

– Lu vamos! Anda.

Sair puxando Luan, Breno e Nicole dormia. Dei um beijinhos neles, e sair do quarto.

– Bru cuida das crianças pra mim. Por favor?

-Sim.

– Onde vocês vão? 

– Buscar minha filha pai! 

Saímos de casa, Luan foi dirigindo até o local.. Chegando lá era uma praça, não havia ninguém. Ele iria vim, eu tenho a certeza. 

– Lu, você pega a Clara e volta pra casa. Beleza?

– E você? Não isso não!

– Eu me viro.  — O abracei.

Vi um carro se aproximando, quando vi era ele.. Desci do carro, e ele desceu com Clara. Luan veio por trás de mim.

– Solta ela Fernando. — Pedi.

– Como vou saber que você não vai fugir? Cara fica longe! — Ele apontou o Lu.

– Fernando solta ela por favor.— Ele soltou Clara veio correndo pra me abraçar, quando vi Fernando sacava a arma pro lado de Luan. Clara no cantinho, olhei Luan voei na frente do Luan. 

– NÃAAAAO! — Escutei dois tiros.